MA­TÉ­RIA DE CA­PA

A vol­ta dos Cassinos

Hotelnews Magazine - - INDICE - POR LO­RE­NA AMA­ZO­NAS

Aex­plo­ra­ção dos jo­gos de azar foi proi­bi­da no Bra­sil em 30 de abril de 1946, pe­lo en­tão pre­si­den­te Eu­ri­co Du­tra. Com o De­cre­to de Lei Nº 9.215, cassinos fo­ram fe­cha­dos em no­me da “tra­di­ção mo­ral ju­rí­di­ca e re­li­gi­o­sa do po­vo bra­si­lei­ro”. Mas, ago­ra, dois pro­je­tos de lei tra­mi­tam no Se­na­do Fe­de­ral e na Câ­ma­ra dos De­pu­ta­dos pa­ra tra­zer es­ta prá­ti­ca de vol­ta à le­ga­li­da­de. E a ho­te­la­ria apoia a ideia.

De acor­do com o Ins­ti­tu­to Bra­si­lei­ro Jo­go Le­gal, os jo­gos le­ga­li­za­dos no Bra­sil (lo­te­ri­as e jó­queis) mo­vi­men­tam anu­al­men­te cer­ca de R$14 bi­lhões. Já os ile­gais (jo­go do bi­cho, ca­ça-ní­queis, bin­gos e apos­tas na in­ter­net) ge­ram ain­da mais: R$20 bi­lhões. Por con­ta dis­to, um dos ar­gu­men­tos a fa­vor de le­ga­li­zá-los é o mon­tan­te que o país irá ar­re­ca­dar com a prá­ti­ca. “A ca­da R$3 apos­ta­dos no Bra­sil, R$2 vão pa­ra o jo­go clan­des­ti­no. Cos­tu­mo di­zer que não é proi­bi­do jo­gar no Bra­sil. É proi­bi­do o Es­ta­do ar­re­ca­dar com is­so”, diz Mag­nho Jo­sé, pre­si­den­te do ins­ti­tu­to.

Além da ar­re­ca­da­ção pa­ra a União, a le­ga­li­za­ção dos jo­gos po­de in­cre­men­tar a ge­ra­ção de em­pre­gos. De acor­do com Jo­sé, um ho­tel cin­co es­tre­las em­pre­ga, em mé­dia, en­tre 0,6 e um fun­ci­o­ná­rio por apar­ta­men­to. Já em um ho­tel-cas­si­no, es­ta mé­dia so­be pa­ra 3,2 co­la­bo­ra­do­res por quar­to. “Nes­te ti­po de em­pre­en­di­men­to te­mos fun­ções di­fe­ren­tes do que em um ho­tel nor­mal”, afir­ma ele.

Se­gun­do o ins­ti­tu­to, dos 156 paí­ses que com­põem a Or­ga­ni­za­ção Mun­di­al do Tu­ris­mo, 71,16% têm o jo­go le­ga­li­za­do. Den­tre os que não le­ga­li­za­ram, 75% são is­lâ­mi­cos. No ca­so dos paí­ses que for­mam o G20, em 93% o jo­go é le­gal. So­men­te no Bra­sil, Ará­bia Sau­di­ta e In­do­né­sia ele é proi­bi­do.

“O cas­si­no é um equi­pa­men­to tu­rís­ti­co e man­tém o viajante mais tem­po no des­ti­no. Ele po­de apro­vei­tar e ver um show no cas­si­no e pro­lon­gar a sua es­ta­da na ci­da­de”– Mag­nho Jo­sé

Em ge­ral, os ar­gu­men­tos con­tra a le­ga­li­za­ção são o ris­co em au­men­tar o nú­me­ro de vi­ci­a­dos em jo­go, fa­ci­li­tar a la­va­gem de di­nhei­ro atra­vés dos cassinos, en­vol­vi­men­to de má­fi­as in­ter­na­ci­o­nais e di­fi­cul­tar o com­ba­te ao cri­me or­ga­ni­za­do.

Pro­je­tos

Atu­al­men­te, há dois pro­je­tos a fa­vor da le­ga­li­za­ção dos jo­gos em dis­cus­são. O Pro­je­to de Lei do Se­na­do nº 186/2014, do se­na­dor Ci­ro No­guei­ra (PP/PI), foi apro­va­do em no­vem­bro des­te ano pe­la Co­mis­são Es­pe­ci­al do De­sen­vol­vi­men­to Na­ci­o­nal. Até o fe­cha­men­to des­ta edi­ção da re­vis­ta, ele aguar­da ser vo­ta­do em ple­ná­rio.

O PL 186 es­ta­be­le­ce que po­de­rão ser ex­plo­ra­dos no Bra­sil os se­guin­tes jo­gos de azar: lo­te­ri­as es­ta­du­ais e fe­de­ral , swe­eps­ta­ke (lo­te­ria vin­cu­la­da à cor­ri­da de ca­va­los), cassinos, bin­gos, apos­tas de quo­tas fi­xas e apos­tas ele­trô­ni­cas. O mes­mo é pre­vis­to no pro­je­to da Câ­ma­ra.

Em agos­to des­se ano, uma co­mis­são es­pe­ci­al da Câ­ma­ra dos De­pu­ta­dos apro­vou o Pro­je­to de Lei nº 442/1991, apre­sen­ta­do na dé­ca­da de 1990 pe­lo en­tão de­pu­ta­do Re­na­to Vi­an­na (PMDB/SC), e ago­ra tam­bém aguar­da ser vo­ta­do em ple­ná­rio. Atu­al­men­te, o re­la­tor é o de­pu­ta­do Gui­lher­me Mus­si (PP/SP). Des­de 2015, a co­mis­são tra­ba­lha em ci­ma do tex­to, in­cluin­do pon­tos que não ha­vi­am si­do abor­da­dos ini­ci­al­men­te, co­mo a co­bran­ça de 15% so­bre o va­lor re­al do prê­mio re­ce­bi­do pe­lo apos­ta­dor.

“Eu acre­di­to que o pro­je­to da Câ­ma­ra se­ja mais de­ta­lha­do e con­tem­ple mais o tu­ris­mo. Ele pre­vê a des­ti­na­ção de um per­cen­tu­al pa­ra o Fun­do Ge­ral do Tu­ris­mo e in­cen­ti­va o de­sen­vol­vi­men­to tu­rís­ti­co lo­cal”, de­cla­ra o de­pu­ta­do Her­cu­la­no Pas­sos (PSD/SP), pre­si­den­te da Co­mis­são de Tu­ris­mo da Câ­ma­ra.

Pa­ra o de­pu­ta­do, o mo­men­to é pro­pí­cio pa­ra a apro­va­ção de um pro­je­to des­te ti­po, pois o país pas­sa por uma cri­se econô­mi­ca. “A ar­re­ca­da­ção com os jo­gos le­ga­li­za­dos aju­da­ria mui­to o Bra­sil”, diz. Se­gun­do Pas­sos, tam­bém há von­ta­de po­lí­ti­ca, e tan­to o pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, Mi­chel Te­mer, quan­to o mi­nis­tro do Tu­ris­mo, Marx Bel­trão, mostram-se fa­vo­rá­veis à le­ga­li­za­ção.

O pro­je­to que for vo­ta­do e apro­va­do pri­mei­ro pre­va­le­ce em re­la­ção ao ou­tro. Mas a ou­tra ca­sa tem o po­der de mo­di­fi­car al­guns pon­tos após dis­cus­são em ple­ná­rio.

Cassinos

De acor­do com os dois pro­je­tos, os cassinos não po­de­rão exis­tir so­zi­nhos. Eles de­ve­rão ser ins­ta­la­dos em com­ple­xos de en­tre­te­ni­men­to, com ho­téis, op­ções de la­zer, res­tau­ran­tes, cen­tro de con­ven­ções. Es­te mo­de­lo é uti­li­za­do em ou­tros paí­ses, co­mo nos Es­ta­dos Uni­dos. “Os cassinos nos Es­ta­dos Uni­dos re­pre­sen­tam 30% do fa­tu­ra­men­to des­ses com­ple­xos. O res­tan­te é ge­ra­do pe­lo en­tre­te­ni­men­to, res­tau­ran­tes e even­tos”, diz Mag­nho Jo­sé. As con­ces­sões te­rão va­li­da­de de 30 anos e se­rão fei­tas por meio de li­ci­ta­ção, pe­la mo­da­li­da­de de con­cor­rên­cia pú­bli­ca por téc­ni­ca e pre­ço.

Mas as pro­pos­tas di­ver­gem em al­guns pon­tos. O pro­je­to do Se­na­do não li­mi­ta o nú­me­ro de cassinos por Es­ta­do, mas in­di­ca que dois quin­tos des­tes es­ta­be­le­ci­men­tos de­vam es­tar lo­ca­li­za­dos nas re­giões Nor­te, Nor­des­te e Cen­tro-Oes­te do país. Se­gun­do o tex­to, o ob­je­ti­vo é que “os jo­gos de azar pos­sam ser ins­tru­men­to de po­lí­ti­ca re­gi­o­nal”. Além dis­so, de­ve­rá ser con­si­de­ra­do o po­ten­ci­al pa­ra de­sen­vol­vi­men­to econô­mi­co e so­ci­al da re­gião.

Se­gun­do a Câ­ma­ra dos De­pu­ta­dos, os cassinos de­ve­rão ser dis­tri­buí­dos pe­los Es­ta­dos bra­si­lei­ros de acor­do com o ta­ma­nho da po­pu­la­ção de ca­da um. Os que ti­ve­rem me­nos de 15 mi­lhões de ha­bi­tan­tes po­de­rão ter um. Os que ti­ve­rem en­tre 15 e 25 mi­lhões, que é o ca­so de Mi­nas Ge­rais, Bahia e Rio de Ja­nei­ro, po­de­rão ter dois. Os Es­ta­dos com mais de 25 mi­lhões de pes­so­as po­de­rão ter

três, mas ape­nas São Pau­lo se en­qua­dra nes­se ca­so. Eles de­ve­rão ser ins­ta­la­dos em ci­da­des on­de hou­ver re­cur­sos e atra­ções tu­rís­ti­cas a se­rem fo­men­ta­das ou ex­plo­ra­das.

“Con­for­me os pro­je­tos, to­dos os Es­ta­dos po­de­rão ter cassinos, mas qu­em de­fi­ni­rá se to­dos te­rão re­al­men­te se­rão os in­ves­ti­do­res. Mui­tas com­pa­nhi­as do­nas de re­des de cassinos no mun­do es­tão in­te­res­sa­das no Bra­sil, mas elas só fa­rão is­so nos lo­cais on­de acha­rem que ha­ve­rá bom re­tor­no fi­nan­cei­ro. En­tão, é pos­sí­vel que te­nha­mos mui­to in­te­res­se em al­guns Es­ta­dos e pou­co ou ne­nhum em ou­tros”, acre­di­ta o de­pu­ta­do Her­cu­la­no Pas­sos.

Mag­nho Jo­sé con­cor­da com o de­pu­ta­do. Pa­ra o pre­si­den­te do Ins­ti­tu­to Jo­go Le­gal, aqui no Bra­sil não se­rá pos­sí­vel re­pli­car o ca­se de Las Vegas, lo­ca­li­za­da no meio do deserto e que anu­al­men­te re­ce­be mais de 40 mi­lhões de tu­ris­tas. “Os gran­des em­pre­sá­ri­os fa­rão in­ves­ti­men­tos mui­to al­tos. Por con­ta dis­so, irão pro­cu­rar lo­cais com uma po­pu­la­ção gran­de, que re­ce­ba mui­tos tu­ris­tas e que já te­nha in­fra­es­tru­tu­ra. É pre­ci­so ter um ae­ro­por­to in­ter­na­ci­o­nal pró­xi­mo, bo­as es­tra­das e ou­tras atra­ções que não se­jam cassinos”, diz.

O nú­me­ro mí­ni­mo de quar­tos em ho­téis-cas­si­no tam­bém se­rá con­di­ci­o­na­do à po­pu­la­ção do Es­ta­do, va­ri­an­do en­tre 100 (pa­ra aque­les com me­nos de 5 mi­lhões de ha­bi­tan­tes) até no mí­ni­mo mil (nos com mais de 25 mi­lhões).

Pa­ra o pre­si­den­te da As­so­ci­a­ção Bra­si­lei­ra de Re­sorts (ABR), Lui­gi Ro­tun­no, es­te nú­me­ro não de­ve­ria ser pré-es­ta­be­le­ci­do. “O pro­je­to da Câ­ma­ra pre­vê cassinos em Es­ta­dos co­mo São Pau­lo em em­pre­en­di­men­tos ho­te­lei­ros de, no mí­ni­mo, mil quar­tos pa­ra ex­plo­ra­ção da ati­vi­da­de. Is­so me pa­re­ce fo­ra da re­a­li­da­de ho­te­lei­ra do Bra­sil, que pra­ti­ca­men­te não pos­sui es­tru­tu­ras des­te por­te. En­ten­de­mos que a so­ma de vá­ri­as es­tru­tu­ras ho­te­lei­ras é mais be­né­fi­ca pa­ra o des­ti­no que vai re­ce­ber um equi­pa­men­to de cas­si­no”, de­cla­ra.

Quan­do um cas­si­no é ins­ta­la­do em uma ci­da­de, os ho­téis da re­gião tam­bém são be­ne­fi­ci­a­dos. Em ge­ral, mes­mo os em­pre­en­di­men­tos que ofe­re­cem um gran­de nú­me­ro de quar­tos, nem sem­pre con­se­guem aten­der to­da a de­man­da. Des­ta for­ma, ou­tros mei­os de hos­pe­da­gens aca­bam re­ce­ben­do hós­pe­des. Em Ma­cau, por exem­plo, a ta­xa de ocu­pa­ção em 2014 foi de 86%. To­do mun­do sai ga­nhan­do.

O pre­si­den­te da Fe­de­ra­ção Bra­si­lei­ra de Hospedagem e Ali­men­ta­ção (FBHA), Ale­xan­dre Sam­paio, vê com sim­pa­tia a vol­ta dos cassinos ao Bra­sil. “Acha­mos que den­tro de pa­râ­me­tros bem equa­ci­o­na­dos, os cassinos po­dem ge­rar em­pre­gos, além de po­ten­ci­a­li­zar o en­tor­no da ca­dei­ra pro­du­ti­va de tu­ris­mo, co­mo os res­tau­ran­tes. Ele é um po­la­ri­za­dor que con­se­gue, atra­vés das pes­so­as que gos­tam do jo­go, ser um di­fu­sor do tu­ris­mo”, de­cla­ra.

Já o pre­si­den­te da As­so­ci­a­ção Bra­si­lei­ra da In­dús­tria de Ho­téis (ABIH Na­ci­o­nal), Dil­son Fon­se­ca, vê a le­ga­li­za­ção com re­ser­vas. “Mi­nha pre­o­cu­pa­ção é que os cassinos fi­quem con­cen­tra­dos em pou­cos des­ti­nos, prin­ci­pal­men­te nos que já es­tão con­so­li­da­dos, cri­an­do um abis­mo ain­da mai­or em re­la­ção a ou­tras des­ti­na­ções tu­rís­ti­cas. É pre­ci­so que eles es­te­jam re­al­men­te em to­dos os Es­ta­dos do Bra­sil”, afir­ma. “Mas po­de­rá ser uma gran­de ala­van­ca pa­ra o tu­ris­mo se fo­rem aten­di­dos es­ses cri­té­ri­os”, com­ple­ta.

Es­tân­ci­as hi­dro­ter­mais

As es­tân­ci­as hi­dro­ter­mais são um ca­pí­tu­lo à par­te no pro­je­to da Câ­ma­ra dos De­pu­ta­dos. Ape­sar de a pro­pos­ta li­mi­tar o nú­me­ro de cassinos por Es­ta­do, es­tes mu­ni­cí­pi­os que já ti­ve­ram es­ta­be­le­ci­men­tos des­te ti­po no pas­sa­do po­de­rão tê-los no­va­men­te.

Pen­sa­do, pro­je­ta­do e cons­truí­do pa­ra ser um ho­tel­cas­si­no, o atu­al Tauá Gran­de Ho­tel Ter­mas de Ara­xá, lo­ca­li­za­do em Mi­nas Ge­rais, foi inau­gu­ra­do em 1944, mas fun­ci­o­nou com es­te mo­de­lo de ne­gó­cio ape­nas por dois anos. Por pos­suir uma es­tru­tu­ra ade­qua­da pa­ra re­to­mar su­as ati­vi­da­des do pas­sa­do, o em­pre­en­di­men­to já foi pro­cu­ra­do por in­ves­ti­do­res in­te­res­sa­dos em ins­ta­lar um cas­si­no no ho­tel.

“No ge­ral, fo­mos pro­cu­ra­dos por em­pre­sas com se­de nos Es­ta­dos Uni­dos ou na Eu­ro­pa, lo­cais on­de a ope­ra­ção com os cassinos já es­tá con­so­li­da­da há mui­tos anos”, ex­pli­ca Li­ze­te Ri­bei­ro, di­re­to­ra Co­mer­ci­al de Mar­ke­ting da Re­de Tauá de Re­sorts.

A Re­de Tauá quer le­var adi­an­te es­te pro­je­to, ca­so os jo­gos re­al­men­te se­jam le­ga­li­za­dos no Bra­sil. Po­rém, irá con­ti­nu­ar ad­mi­nis­tran­do o ho­tel e a ope­ra­ção do cas­si­no fi­ca­rá nas mãos de uma em­pre­sa ter­cei­ri­za­da.

“As ope­ra­ções não se mis­tu­ram. Ge­rir um cas­si­no e pre­zar pe­la se­gu­ran­ça de sua ope­ra­ção e de to­dos que o fre­quen­tam é al­go que pre­ci­sa ser fei­to por uma em­pre­sa es­pe­ci­a­li­za­da, com know how es­pe­cí­fi­co”, diz Li­ze­te. “Adap­ta­ções se­rão ne­ces­sá­ri­as, mas, se re­al­men­te for re­gu­la­men­ta­do, fa­re­mos tu­do com cal­ma e sem­pre de for­ma se­gu­ra pa­ra nos­sos hós­pe­des”, com­ple­ta.

Por se tra­tar de uma ope­ra­ção até en­tão iné­di­ta pa­ra a Re­de Tauá, a em­pre­sa ain­da não con­se­gue me­dir o au­men­to re­al que po­de­rá ha­ver no fa­tu­ra­men­to e ocu­pa­ção do ho­tel. “Mas te­mos cer­te­za que ire­mos aten­der um no­vo per­fil de hós­pe­de e, con­se­quen­te­men­te, te­re­mos au­men­to na ocu­pa­ção e no fa­tu­ra­men­to”, afir­ma a exe­cu­ti­va.

In­cre­men­to no tu­ris­mo

De acor­do com o Ins­ti­tu­to Jo­go Le­gal, cer­ca de 200 mil bra­si­lei­ros vi­a­jam, to­dos os anos, pa­ra jo­gar em paí­ses on­de a ati­vi­da­de é le­ga­li­za­da. “Se os cassinos fos­sem per­mi­ti­dos por aqui, gran­de par­te des­se pú­bli­co po­de­ria per­ma­ne­cer no Bra­sil, mo­vi­men­tan­do a ca­deia pro­du­ti­va do nos­so tu­ris­mo. Eles gas­ta­ri­am em nos­sos ho­téis, res­tau­ran­tes, no co­mér­cio dos des­ti­nos tu­rís­ti­cos”, acre­di­ta o de­pu­ta­do Her­cu­la­no Pas­sos.

Se­gun­do o par­la­men­tar, a le­ga­li­za­ção dos cassinos po­de in­cre­men­tar em 200% o po­ten­ci­al tu­rís­ti­co das ci­da­des, além de atrair mais es­tran­gei­ros. “Es­pe­ra-se que a li­be­ra­ção atraia ain­da um nú­me­ro mai­or de tu­ris­tas es­tran­gei­ros, que vêm pa­ra jo­gar, mas que cos­tu­mam apro­vei­tar as atra­ções lo­cais e até ou­tros des­ti­nos do país”, diz.

A Em­bra­tur (Ins­ti­tu­to Bra­si­lei­ro de Tu­ris­mo) é fa­vo­rá­vel à re­a­ber­tu­ra dos cassinos no Bra­sil. “A po­si­ção de apoio à me­di­da se de­ve, prin­ci­pal­men­te, por con­ta das con­sequên­ci­as po­si­ti­vas que es­sa aber­tu­ra po­de tra­zer à ca­deia pro­du­ti­va do tu­ris­mo, in­cluin­do a ge­ra­ção de mi­lha­res de em­pre­gos”, diz Vinícius Lum­mertz, pre­si­den­te da en­ti­da­de.

O pes­qui­sa­dor Jo­sé Ro­ber­to Oli­vei­ra é de­fen­sor da ins­ta­la­ção de cassinos em Pa­trimô­ni­os His­tó­ri­cos e Cul­tu­rais da Hu­ma­ni­da­de do Bra­sil. Des­ta for­ma, a re­gião on­de mo­ra e tem o seu ne­gó­cio, co­nhe­ci­da co­mo Mis­sões, no Rio Gran­de do Sul, po­de­ria ser uma das lo­ca­li­da­des be­ne­fi­ci­a­das. “Nas Mis­sões, na par­te da Ar­gen­ti­na, as pro­vín­ci­as de Cor­ri­en­tes e Mis­si­o­nes têm cassinos. Não há o me­nor pro­ble­ma em ter es­ses es­ta­be­le­ci­men­tos em ci­da­des tu­rís­ti­cas”, afir­ma.

Ape­sar do po­ten­ci­al em in­cre­men­tar o tu­ris­mo, pa­ra Mag­nho Jo­sé os cassinos não atra­em vi­a­jan­tes. “O cas­si­no é um equi­pa­men­to tu­rís­ti­co e man­tém o viajante mais tem­po no des­ti­no. Ele po­de apro­vei­tar e ver um show no cas­si­no, por exem­plo, e pro­lon­gar a sua es­ta­da na ci­da­de”, afir­ma.

Dil­son Fon­se­ca

Ale­xan­dre Sam­paio

Her­cu­la­no Pas­sos

Mag­nho Jo­sé

Lui­gi Ro­tun­no

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.