Ho­te­la­ria e a eco­no­mia com­par­ti­lha­da

TRANSFORMA­çõES NO MER­CA­DO DE HOSPEDAGEM MO­VI­MEN­TAM PLAYERS DO TU­RIS­MO

Hotelnews Magazine - - INDICE - POR JULIANA BELLEGARD

Mudanças no ce­ná­rio econô­mi­co, rá­pi­do de­sen­vol­vi­men­to da tec­no­lo­gia e uma no­va ma­nei­ra de se pen­sar o con­su­mo são ape­nas três dos mui­tos fa­to­res que im­pul­si­o­na­ram transforma­ções em di­fe­ren­tes mer­ca­dos de ser­vi­ços e pro­du­tos. A ho­te­la­ria foi im­pac­ta­da prin­ci­pal­men­te pe­lo cres­ci­men­to das ven­das on­li­ne, dos si­tes de re­vi­ews co­mo o TripAd­vi­sor e, mais re­cen­te­men­te, por ini­ci­a­ti­vas co­mo o Airbnb. Al­guns cha­mam de eco­no­mia com­par­ti­lha­da, ou­tros de hospedagem do­més­ti­ca. Mas o fa­to é que os no­vos players vêm mo­vi­men­tan­do dis­cus­sões, mu­dan­do con­cei­tos e bus­can­do agra­dar es­te o viajante, que es­tá ca­da vez mais exi­gen­te – se­ja por qua­li­da­de, pre­ço, pra­ti­ci­da­de ou au­ten­ti­ci­da­de.

Tal qual o Uber e o Net­flix, o Airbnb foi uma no­vi­da­de nes­te ce­ná­rio que ra­pi­da­men­te con­quis­tou uma par­ce­la con­si­de­rá­vel do pú­bli­co. Ho­je, ele po­si­ci­o­na-se co­mo “a mai­or co­mu­ni­da­de de hospedagem al­ter­na­ti­va do mun­do e ofe­re­ce ex­pe­ri­ên­ci­as se­gu­ras e po­si­ti­vas pa­ra mais de 140 mi­lhões de hós­pe­des em 191 paí­ses”, ten­do co­mo pro­pos­ta “aju­dar pes­so­as que bus­cam vi­ven­ci­ar uma ex­pe­ri­ên­cia lo­cal, com­ple­men­tar à ofe­re­ci­da pe­la hospedagem tra­di­ci­o­nal”, con­for­me in­for­ma a com­pa­nhia em co­mu­ni­ca­do. Na pla­ta­for­ma, os va­lo­res de lo­ca­ções e ex­pe­ri­ên­ci­as são es­ta­be­le­ci­dos pe­los pró­pri­os an­fi­triões. O Airbnb tam­bém es­cla­re­ce que “as ta­xas co­bra­das fi­cam dis­po­ní­veis ao usuá­rio no mo­men­to da re­ser­va e o va­lor co­bra­do do hós­pe­de é va­riá­vel, cal­cu­la­do de acor­do com o pre­ço do anún­cio e da du­ra­ção da es­ta­dia – nor­mal­men­te, gi­ra em tor­no de 6% a 12,5%. Pa­ra o an­fi­trião, es­te va­lor é de 3% do to­tal”.

Du­ran­te os Jo­gos Olím­pi­cos do Rio de Ja­nei­ro, a em­pre­sa foi a for­ne­ce­do­ra ofi­ci­al de hos­pe­da­gens e mo­vi­men­tou cer­ca de R$ 325 mi­lhões, ge­ran­do cer­ca de R$ 100 mi­lhões de ren­da pa­ra os an­fi­triões

ca­ri­o­cas que abri­ram seus la­res pa­ra mais de 85 mil hós­pe­des do Bra­sil e do mun­do in­tei­ro. Pa­ra ga­ran­tir qua­li­da­de e se­gu­ran­ça, o Airbnb exi­ge um per­fil de­ta­lha­do de qu­em ofe­re­ce a hospedagem, com ca­rac­te­rís­ti­cas do es­pa­ço, re­gras da ca­sa, ro­ti­na dos mo­ra­do­res. Em co­mu­ni­ca­do, o Airbnb des­ta­ca que “é im­por­tan­te que o anún­cio apre­sen­te a mai­or quan­ti­da­de pos­sí­vel de de­ta­lhes pa­ra aju­dar o hós­pe­de a sen­tir-se con­for­tá­vel, evi­tan­do sur­pre­sas. In­cen­ti­va­mos que o hós­pe­de for­ne­ça um per­fil com­ple­to, com a ve­ri­fi­ca­ção de um do­cu­men­to e in­clu­são de links com Fa­ce­bo­ok e e-mail pa­ra ob­ter mais se­los de se­gu­ran­ça”. Ou­tras fer­ra­men­tas in­clu­em su­por­te 24h por e-mail ou te­le­fo­ne; a Ga­ran­tia ao An­fi­trião, que co­bre da­nos ao imó­vel em até apro­xi­ma­da­men­te R$ 3,5 mi­lhões (US$ 1 mi­lhão); e o sis­te­ma de pro­te­ção aos hós­pe­des, que só li­be­ra o pa­ga­men­to ao an­fi­trião 24 ho­ras após o check-in, pa­ra que o viajante pos­sa che­car o imó­vel e con­ta­tar a com­pa­nhia se ne­ces­sá­rio.

Ao gos­to do cli­en­te

A Bo­o­king.com é um player do tu­ris­mo que tra­ba­lha com ho­te­la­ria tra­di­ci­o­nal, alu­guéis de tem­po­ra­da e o que cha­ma de ho­mes­tay. “Nos­so ob­je­ti­vo é co­nec­tar vi­a­jan­tes de to­do o mun­do com sua es­ta­dia ide­al da ma­nei­ra mais per­fei­ta e agra­dá­vel pos­sí­vel”, des­cre­ve Nel­son Be­na­vi­des, di­re­tor da com­pa­nhia no Bra­sil. E pa­ra in­te­grar es­te port­fó­lio, os pro­pri­e­tá­ri­os de­vem ade­quar-se às exi­gên­ci­as lo­cais. “To­das as aco­mo­da­ções - gran­des ou pe­que­nas, em qual­quer ca­te­go­ria - po­dem lis­tar os seus quar­tos. Quan­do os pro­ve­do­res de hospedagem ins­cre­vem-se e con­cor­dam com nos­sos ter­mos e con­di­ções, so­li­ci­ta­mos que ve­ri­fi­quem se es­tão ope­ran­do em to­tal con­for­mi­da­de com as leis lo­cais. Re­mo­ve­mos ime­di­a­ta­men­te qual­quer pro­pri­e­da­de que não es­te­ja em con­for­mi­da­de”, diz ele.

O ob­je­ti­vo, cla­ro, é ir ao en­con­tro das de­man­das dos cli­en­tes. “Mais e mais vi­a­jan­tes bra­si­lei­ros es­tão bus­can­do ex­pe­ri­ên­ci­as lo­cais e au­tên­ti­cas, a um cus­to me­nor e com

“A pla­ta­for­ma aju­da pes­so­as que bus­cam vi­ven­ci­ar uma ex­pe­ri­ên­cia lo­cal, com­ple­men­tar à ofe­re­ci­da pe­la hospedagem tra­di­ci­o­nal” – Airbnb

mai­or pri­va­ci­da­de e au­to­no­mia. Alu­guéis de tem­po­ra­da aten­dem es­te ni­cho per­fei­ta­men­te”, apon­ta Be­na­vi­des. Da­dos do Dis­que9/Ma­pie rei­te­ram o que diz o exe­cu­ti­vo: en­tre os gran­des mo­ti­vos dos vi­a­jan­tes op­ta­rem por mei­os al­ter­na­ti­vos de hospedagem es­tão mais li­ber­da­de, me­lhor re­la­ção cus­to/be­ne­fí­cio, mais in­for­ma­li­da­de, pri­va­ci­da­de e fa­ci­li­da­de.

Por is­to, a ques­tão da ex­pe­ri­ên­cia é um dos pon­tos cen­trais pa­ra to­dos os mei­os de hospedagem – e um fator pa­ra o qual a ho­te­la­ria de­ve es­tar cons­tan­te­men­te aten­ta, re­fle­tin­do sem­pre so­bre a es­sên­cia de seu ser­vi­ço. “É pre­ci­so re­cu­pe­rar seu gla­mour, que às ve­zes se per­de em for­ma de uma hospedagem fria e fo­ca­da no lu­cro. O con­su­mi­dor, co­mo ser hu­ma­no, nun­ca po­de sair do fo­co de nos­sa ati­vi­da­de que é ser­mos es­pe­ci­a­lis­tas em hos­pi­ta­li­da­de”, ava­lia Lui­gi Ro­tun­no, pre­si­den­te da ABR (As­so­ci­a­ção Bra­si­lei­ra de Re­sorts).

Na Bo­o­king.com, o per­fil de qu­em op­ta es­pe­ci­fi­ca­men­te pe­lo alu­guel de tem­po­ra­da va­ria bas­tan­te: a com­pa­nhia apon­ta que aten­de es­pe­ci­al­men­te fa­mí­li­as, ca­sais de to­das as ida­des e gru­pos de ami­gos que es­tão vi­a­jan­do ou in­do de fé­ri­as jun­tos. Já o Airbnb re­ve­la que, no Bra­sil, a mai­o­ria dos hós­pe­des vem de ou­tras par­tes do país ou de ou­tras lo­ca­li­da­des da Amé­ri­ca La­ti­na (72%), se­gui­dos pe­los eu­ro­peus (17%) e vi­a­jan­tes da Amé­ri­ca do Nor­te (9%). Eles têm uma mé­dia de 34 anos, e cer­ca de 60% fi­cam hos­pe­da­dos nas aco­mo­da­ções por me­nos de 30 di­as, com du­ra­ção mé­dia de cin­co noi­tes.

A ho­te­la­ria

Em meio a es­tas transforma­ções, a ho­te­la­ria vem se po­si­ci­o­nan­do pa­ra se man­ter com­pe­ti­ti­va, en­ten­den­do o Airbnb e ou­tros ser­vi­ços de per­fil se­me­lhan­te co­mo gran­des con­cor­ren­tes. A re­gu­la­men­ta­ção da ati­vi­da­de e o equi­lí­brio dos tri­bu­tos pa­gos pe­la ho­te­la­ria e por es­tes players da eco­no­mia com­par­ti­lha­da, no en­tan­to, es­tão en­tre as gran­des de­man­das do se­tor. “Além de ser uma con­cor­rên­cia des­le­al com a ho­te­la­ria, que man­tém al­tos in­ves­ti­men­tos em ati­vos imo­bi­li­za­dos, pa­ga im­pos­tos altíssimos e ge­ra em­pre­gos, tam­bém afe­ta o mer­ca­do de alu­guel de imó­veis, já que ele­va as ta­xas de alu­guel e des­pe­ja in­qui­li­nos pa­ra que o imó­vel se­ja des­ti­na­do a lo­ca­ções de cur­ta tem­po­ra­da”, pon­tua Al­fre­do Lopes, pre­si­den­te da ABIH-RJ (As­so­ci­a­ção Bra­si­lei­ra da In­dús­tria de Ho­téis do Rio de Ja­nei­ro).

Ma­nu­el Gama, pre­si­den­te do FOHB (Fó­rum de Ope­ra­do­res Ho­te­lei­ros do Bra­sil) e da re­de Tra­vel Inn, ex­pli­ca que o en­ten­di­men­to do se­tor é de que “é ne­ces­sá­rio que o po­der pú­bli­co e su­as le­gis­la­ções fe­de­rais e mu­ni­ci­pais atu­em pa­ra que ha­ja uma re­gu­la­men­ta­ção jus­ta na Lei

do In­qui­li­na­to e na Lei Ge­ral do Tu­ris­mo, con­si­de­ran­do os tri­bu­tos e obri­ga­ções do se­tor: obri­ga­ções tra­ba­lhis­tas; nor­mas de se­gu­ran­ça; adap­ta­ções pa­ra aces­si­bi­li­da­de; li­cen­ças e al­va­rás e as ta­xas co­bra­das pa­ra is­so; obri­ga­to­ri­e­da­de de se­gu­ros de pro­te­ção; e ques­tões le­gis­la­ti­vas que im­põem cri­té­ri­os di­fe­ren­tes pa­ra imó­veis co­mer­ci­ais, ca­so dos ho­téis, e pa­ra os imó­veis re­si­den­ci­ais”.

A com­pe­ti­ti­vi­da­de dos pre­ços é um dos pon­tos le­van­ta­dos pe­la ho­te­la­ria. “A gran­de ques­tão é a in­clu­são do im­pos­to na ta­ri­fa. Quan­do não se com­pu­ta es­sa par­te do pre­ço, cria-se uma con­cor­rên­cia des­le­al com to­dos os ou­tros ope­ra­do­res do mer­ca­do, se­jam eles on­li­ne ou ope­ra­do­ras tra­di­ci­o­nais. Con­si­de­ran­do que a to­ta­li­da­de dos im­pos­tos de uma ta­ri­fa ho­te­lei­ra va­ria de 30% a 40% do va­lor co­bra­do, é uma di­fe­ren­ça que afe­ta di­re­ta­men­te a com­pe­ti­ti­vi­da­de”, des­ta­ca o pre­si­den­te da ABR. “De­fen­de­mos a re­du­ção da car­ga tri­bu­tá­ria, que ho­je é ex­ces­si­va, es­tá em descompasso com o mer­ca­do in­ter­na­ci­o­nal. Não so­mos con­tra a re­vo­lu­ção tec­no­ló­gi­ca. Só qu­e­re­mos o pa­ga­men­to dos im­pos­tos de ma­nei­ra cor­re­ta”, com­ple­ta Dil­son Fon­se­ca, pre­si­den­te da ABIH Na­ci­o­nal, des­ta­can­do que ho­je, a tri­bu­ta­ção pa­ra a ho­te­la­ria che­ga a 40% so­bre seu fa­tu­ra­men­to. A iso­no­mia tri­bu­tá­ria den­tro da mes­ma ati­vi­da­de econô­mi­ca é o que pe­de a ho­te­la­ria.

Dil­son Ja­tahy Fon­se­ca Ne­to, ad­vo­ga­do e dou­to­ran­do em Di­rei­to pe­la USP, ex­pli­ca o pa­pel de ca­da par­ti­ci­pan- te do mer­ca­do e os im­pos­tos in­ci­den­tes. “O agen­ci­a­dor - que po­de ser on-li­ne tal co­mo o Airbnb, o Bo­o­king, o Ho­meAway etc, ou off-li­ne - tem o pa­pel de bus­car ne­gó­ci­os em prol do pres­ta­dor de ser­vi­ços”, de­fi­ne ele, apon­tan­do que as ta­xas co­bra­das são IRPJ, CSL, PIS, CO­FINS e ISS so­bre seu lu­cro/re­cei­ta, além das ta­xas de li­cen­ci­a­men­to de sua ati­vi­da­de. Já o meio de hospedagem, que é “o es­ta­be­le­ci­men­to no qual se pres­ta o ser­vi­ço de hospedagem, re­ce­ben­do o tu­ris­ta me­di­an­te re­mu­ne­ra­ção”, tam­bém de­ve pa­gar ISS so­bre a re­cei­ta, as­sim co­mo os ou­tros tri­bu­tos. “Se se tra­tar de pes­soa fí­si­ca, en­tão não há lu­cro e sim ren­da (IRPF). Uma vez que o imó­vel é uti­li­za­do pa­ra fins co­mer­ci­ais, de­ve pa­gar o IPTU con­for­me as alí­quo­tas es­pe­cí­fi­cas, quan­do o mu­ni­cí­pio di­fe­ren­ci­ar os imó­veis pe­la sua uti­li­za­ção, co­mo é o ca­so de Sal­va­dor”, apon­ta o exe­cu­ti­vo.

O se­tor tam­bém ques­ti­o­na ou­tros pon­tos: o pri­mei­ro de­les é o con­tro­le e a se­gu­ran­ça fí­si­ca, tan­to de hós­pe­des quan­to dos an­fi­triões, uma vez que em um meio de hospedagem tra­di­ci­o­nal é ne­ces­sá­rio um ca­das­tro obri­ga­tó­rio de to­dos os hós­pe­des, e in­ci­dem leis rí­gi­das so­bre a es­ta­da de me­no­res de ida­de no em­pre­en­di­men­to. De­pois, des­ta­ca-se ain­da a con­fi­a­bi­li­da­de em re­la­ção à re­ser­va, su­jei­ta a can­ce­la­men­to, e a en­tra­da do di­nhei­ro no país, que tam­bém de­ve ser tri­bu­ta­da.

A pro­pos­ta da Airbnb é ofe­re­cer uma ex­pe­ri­ên­cia lo­cal de hospedagem

Uma das aco­mo­da­ções ofe­re­ci­das pe­lo Airbnb em São Pau­lo

Hospedagem na praia de Pi­pa (RN)

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.