Mo­vi­men­tan­do no­vos mer­ca­dos

O IN­VES­TI­MEN­TO EM CI­DA­DES SE­CUN­DÁ­RI­AS E TERCIÁRIAS SE­GUE CO­MO ES­TRA­TÉ­GIA DE RE­DES

Hotelnews Magazine - - INDICE - POR JULIANA BELLEGARD

Aho­te­la­ria bra­si­lei­ra te­ve, nos úl­ti­mos anos, um bo­om de cres­ci­men­to fo­men­ta­do prin­ci­pal­men­te pe­lo bom mo­men­to econô­mi­co pe­lo qual o país vi­nha pas­san­do e pe­la re­a­li­za­ção de gran­des even­tos es­por­ti­vos, co­mo a Co­pa das Con­fe­de­ra­ções de 2013, a Co­pa do Mun­do de 2014, e os Jo­gos Olím­pi­cos de 2016. Nes­te con­tex­to, além das ci­da­des-se­de dos jo­gos de fu­te­bol e seu en­tor­no, ou­tros mer­ca­dos co­me­ça­ram a des­pon­tar co­mo po­ten­ci­ais ge­ra­do­res de de­man­da pa­ra a ho­te­la­ria – os cha­ma­dos mer­ca­dos se­cun­dá­ri­os e ter­ciá­ri­os. Des­de en­tão, em­bo­ra o ce­ná­rio econô­mi­co e tu­rís­ti­co do país te­nha mu­da­do, ain­da se vê que ci­da­des do in­te­ri­or de to­do o Bra­sil têm cha­ma­do aten­ção das gran­des re­des ho­te­lei­ras.

“A in­te­ri­o­ri­za­ção dos in­ves­ti­men­tos faz par­te do pro­ces­so de cres­ci­men­to econô­mi­co e au­men­to das opor­tu­ni­da­des de ne­gó­ci­os ho­te­lei­ros no Bra­sil. Com a re­to­ma­da de cres­ci­men­to da eco­no­mia, no­vas pos­si­bi­li­da­des de cons­tru­ções de ho­téis sur­gi­rão”, ava­lia Pe­dro Cy­pri­a­no, con­sul­ting di­re­tor da Ho­telIn­vest pa­ra a Amé­ri­ca do Sul, apon­tan­do es­te mo­vi­men­to não co­mo uma ten­dên­cia mo­men­tâ­nea, mas sim um de­sen­vol­vi­men­to do se­tor. As ca­pi­tais e gran­des cen­tros tu­rís­ti­cos man­têm sua im­por­tân­cia, mas a pro­cu­ra am­plia-se pa­ra aque­les des­ti­nos com eco­no­mia em de­sen­vol­vi­men­to, que têm re­ce­bi­do in­ves­ti­men­tos pri­va­dos em se­to­res co­mo a in­dús­tria, a in­fra­es­tru­tu­ra e os ser­vi­ços.

O in­ves­ti­men­to em mer­ca­dos se­cun­dá­ri­os e ter­ciá­ri­os é bas­tan­te vi­sí­vel en­tre as re­des ho­te­lei­ras. É o ca­so da No­bi­le Ho­téis, que além das ca­pi­tais tem tra­ba­lha­do em des­ti­nos co­mo Gu­a­ru­lhos e Ri­bei­rão Pre­to (SP); Sla­vi­e­ro, com for­te pre­sen­ça no Sul; In­ter­city, com uni­da­des em Aná­po­lis (GO), Vi­nhe­do (SP) e Gra­va­taí (RS); além da Atlan­ti­ca Ho­tels, Vert Ho­téis e a dois­pon­to­ze­ro Ho­téis. “O de­sen­vol­vi­men­to ho­te­lei­ro em ci­da­des com gran­de po­ten­ci­al econô­mi­co, além das ca­pi­tais, é um dos tra­ços da Atlan­ti­ca em sua tra­je­tó­ria. Tan­to ocor­re co­mo um mo­vi­men­to na­tu­ral do mer­ca­do, co­mo uma an­te­ci­pa­ção às ne­ces­si­da­des por já ter­mos co­nhe­ci­men­to que mer­ca­dos se­cun­dá­ri­os, em al­gum mo­men­to, pas­sam a exi­gir uma ofer­ta qua­li­fi­ca­da – não so­men­te pa­ra ho­téis, mas de­mais ser­vi­ços, co­mo ali­men­ta­ção, ves­tuá­ri­os –, além de um au­men­to da com­pe­ti­ti­vi­da­de”, afir­ma Re­na­to Car­va­lho, di­re­tor de De­sen­vol­vi­men­to da re­de, que de­ve abrir uni­da­des em Cam­pi­nas (SP), Ma­rin­gá (PR), Blu­me­nau (SC) e Pou­so Ale­gre (MG), além da Gran­de São Pau­lo.

O que mo­ti­va es­tes in­ves­ti­men­tos? “O prin­ci­pal fator é o de­sen­vol­vi­men­to econô­mi­co no mé­dio e lon­go pra­zos. O ABC, por exem­plo, pas­sa por um mo­men­to de di­fi­cul­da­de econô­mi­ca, mas is­to não per­du­ra­rá pe­los pró­xi­mos cin­co anos. Ho­te­la­ria é um ti­po de ne­gó­cio que his­to­ri­ca­men­te mos­tra-se ren­tá­vel no mé­dio pra­zo, e de­ve­mos im­plan­tar no­vas uni­da­des em re­giões/ci­da­des nas quais com­bi­nem fa­to­res de ofer­ta e de­man­da atu­al/fu­tu­ra ade­qua­das”, ex­pli­ca o di­re­tor. A ex­pec­ta­ti­va é com­ple­men­tar as op­ções já exis­ten­tes no des­ti­no. Em Gu­a­ru­lhos (SP), o Sle­ep Inn e o Com­fort sur­gem co­mo op­ções pa­ra um mer­ca­do que não pos­sui ofer­ta econô­mi­ca e mids­ca­le in­ter­na­ci­o­nal. Já San­to An­dré (SP), que te­rá um Go Inn e um Hil­ton Gar­den Inn, ap­tos a aten­der, res­pec­ti­va­men­te, uma de­man­da cor­po­ra­ti­va de ní­vel ope­ra­ci­o­nal e hós­pe­des mais exi­gen­tes quan­to ao ser­vi­ço e à es­tru­tu­ra.

“Uma po­lí­ti­ca es­tra­té­gi­ca de pre­ços; dis­tri­bui­ção efi­ci­en­te; pra­ti­ci­da­de pa­ra o hós­pe­de; e até ser­vi­ços ex­tras, co­mo trans­por­te pa­ra o ae­ro­por­to mais pró­xi­mo, po­dem fa­zer com que os in­de­pen­den­tes con­quis­tem seu es­pa­ço”

A Vert Ho­téis tam­bém so­ma um port­fó­lio que in­clui uni­da­des em des­ti­nos co­mo Ma­caé e Cam­pos dos Goy­ta­ca­zes (RJ), Ame­ri­ca­na e Cam­pi­nas (SP), e Li­nha­res (ES). “Te­mos cer­ca de 20 em­pre­en­di­men­tos que se en­qua­dram no per­fil das ci­da­des se­cun­dá­ri­as ou terciárias, sen­do des­te to­tal seis em ope­ra­ção. To­dos nos­sos con­tra­tos fir­ma­dos nes­sas ci­da­des ti­ve­ram co­mo pre­mis­sa aten­der com mais pa­dro­ni­za­ção, com pro­gra­ma de fi­de­li­da­de que be­ne­fi­cie os usuá­ri­os e com fi­de­li­za­ção do tra­de”, diz Éri­ca Dru­mond, CEO e res­pon­sá­vel pe­la di­re­to­ria de No­vos Ne­gó­ci­os da re­de. Nos des­ti­nos on­de a Vert já es­tá pre­sen­te, o his­tó­ri­co de ne­ces­si­da­de de no­vos em­pre­en­di­men­tos e mais pro­fis­si­o­na­li­za­ção, jun­to com a in­fra­es­tru­tu­ra e lo­gís­ti­ca ne­ces­sá­ri­as,

fo­ram os fa­to­res que cha­ma­ram a aten­ção da com­pa­nhia. “As­sim, es­sas ci­da­des fo­ram pri­o­ri­za­das le­van­do tam­bém em con­si­de­ra­ção a ofer­ta de ter­re­no, o mer­ca­do lo­cal e a de­man­da por hospedagem”, con­ta a exe­cu­ti­va.

Ou­tra re­de que vem apos­tan­do em no­vos des­ti­nos, sem es­que­cer de ca­pi­tais co­mo São Pau­lo e o Rio de Ja­nei­ro, é a dois­pon­to­ze­ro. A hol­ding ho­te­lei­ra que ad­mi­nis­tra as ban­dei­ras Zii Ho­tel e Ar­co Ho­tel inau­gu­rou, so­men­te nes­te ano, uni­da­des em ci­da­des se­cun­dá­ri­as e terciárias co­mo Pa­rau­a­pe­bas (PA), Pou­so Ale­gre (MG), Ron­do­nó­po­lis (MT) e Ma­ra­ca­naú (CE). “Es­ta­mos sem­pre es­tu­dan­do a vi­a­bi­li­da­de ho­te­lei­ra em di­ver­sas ci­da­des e mer­ca­dos”, ex­pli­ca Da­ni­e­la Roc­co, ge­ren­te co­mer­ci­al e de mar­ke­ting da dois­pon­to­ze­ro Ho­téis. “Bus­ca­mos ci­da­des com cres­ci­men­to aci­ma da mé­dia na­ci­o­nal e sem mui­ta com­pe­ti­ti­vi­da­de. Pa­ra es­ta­be­le­cer nos­sos ho­téis sem­pre bus­ca­mos pra­ças, prin­ci­pal­men­te, se­cun­dá­ri­as e terciárias, além de opor­tu­ni­da­des do mer­ca­do imo­bi­liá­rio”, com­ple­ta.

Os in­de­pen­den­tes

Qu­em já ope­ra no des­ti­no sen­te o im­pac­to da che­ga­da de re­des e ban­dei­ras na­ci­o­nais e in­ter­na­ci­o­nais em mer­ca­dos que mui­tas ve­zes eram do­mi­na­dos pe­los em­pre­en­di­men­tos in­de­pen­den­tes. Os no­vos pro­je­tos mo­di­fi­cam o pa­no­ra­ma de ne­gó­ci­os da lo­ca­li­da­de, por ve­zes co­lo­can­do em xe­que as uni­da­des ins­ta­la­das ali. “Ho­téis no­vos che­gam com um pro­du­to no­vo e pos­si­vel­men­te com ca­nais de dis­tri­bui­ção e es­tru­tu­ra de ope­ra­ção mais efi­ci­en­tes. Os ho­téis exis­ten­tes com pos­sí­veis gaps com­pe­ti­ti­vos po­dem sim per­der par­ti­ci­pa­ção de mer­ca­do, se­jam os in­de­pen­den­tes se­jam os já afi­li­a­dos a re­des”, ava­lia Cy­pri­a­no. O exe­cu­ti­vo ain­da pon­tua cla­ra­men­te o ca­mi­nho que de­ve ser tri­lha­do pe­los in­de­pen­den­tes: “É pre­ci­so ade­quar-se às exi­gên­ci­as do mer­ca­do”.

Qua­li­da­de de ser­vi­ço, co­nec­ti­vi­da­de, trans­pa­rên­cia nas ope­ra­ções são ape­nas al­gu­mas das de­man­das dos vi­a­jan­tes. Além des­tes pre­cei­tos bá­si­cos, o ho­te­lei­ro tam­bém de­ve co­nhe­cer o per­fil do pú­bli­co que se hos­pe­da ali – prin­ci­pal­men­te se ele é no­vo, que vem à ci­da­de por con­ta da ins­ta­la­ção de um no­vo ne­gó­cio, por exem­plo. Os vi­a­jan­tes cor­po­ra­ti­vos, que es­tão a tra­ba­lho na re­gião, nor­mal­men­te fa­zem-se mais pre­sen­tes nes­tes des­ti­nos. Por­tan­to, uma po­lí­ti­ca es­tra­té­gi­ca de pre­ços pa­ra atrair pro­fis­si­o­nais e em­pre­sas; dis­tri­bui­ção efi­ci­en­te, in­cluin­do ca­nais on­li­ne; pra­ti­ci­da­de pa­ra o hós­pe­de que fi­ca ape­nas uma ou du­as noi­tes; e até ser­vi­ços ex­tras, co­mo trans­por­te pa­ra o ae­ro­por­to mais pró­xi­mo, la­van­de­ria, en­tre ou­tros, po­dem fa­zer com que os in­de­pen­den­tes con­quis­tem seu es­pa­ço em um ce­ná­rio de cres­cen­te com­pe­ti­ti­vi­da­de.

Vis­ta aé­rea de Ma­rin­gá

Ra­ma­da Ho­tel & Sui­tes Cam­pos de Goy­ta­ca­zes (RJ)

Re­na­to Car­va­lho

Da­ni­e­la Roc­co

Pe­dro Cy­pri­a­no

Éri­ca Dru­mond

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.