Lis­ta de de­se­jos Cris­ti­a­no Vas­ques

Hotelnews Magazine - - INDICE - POR CRIS­TI­A­NO VAS­QUES Cris­ti­a­no Vas­ques é en­ge­nhei­ro de pro­du­ção (Po­li-USP) e es­pe­ci­a­lis­ta em ges­tão do tu­ris­mo e ho­te­la­ria (FGV). É só­cio da Ho­telIn­vest e ma­na­ging di­rec­tor da HVS South Ame­ri­ca. Con­ta­to: cvas­ques@hvs.com

Oa­no que pas­sou não foi fá­cil pa­ra nin­guém. De­fi­ni­ti­va­men­te não! Quan­do se pen­sa­va que as coi­sas iam pa­rar de pi­o­rar, sur­gia um de­sas­tre no­vo e di­fe­ren­te. Do im­pe­a­ch­ment da Dil­ma à de­la­ção do fim do mun­do da Ode­bre­cht, pas­san­do pe­la elei­ção de Do­nald Trump e a se­pa­ra­ção de An­ge­li­na Jo­lie e Brad Pitt, os ner­vos es­ti­ve­ram à flor da pe­le. Nem Fi­del Cas­tro, o ho­mem que so­bre­vi­veu a 638 aten­ta­dos, aguen­tou o tran­co!

Ta­ma­nho ba­que não pas­sou des­per­ce­bi­do na in­ter­net. A re­de vi­rou pal­co de dis­cus­sões aca­lo­ra­das e de­po­si­tó­rio de rai­va e frus­tra­ções, mas tam­bém de mo­bi­li­za­ção e so­li­da­ri­e­da­de. Foi na in­ter­net tam­bém que re­per­cu­tiu um ter­mo ade­qua­do aos tem­pos tur­bu­len­tos e mul­ti-co­nec­ta­dos que vi­ve­mos, a pós-ver­da­de – si­tu­a­ções em que emo­ção e cren­ças pes­so­ais são mais in­flu­en­tes que fa­tos ob­je­ti­vos.

As pes­so­as es­tão tão ex­pos­tas ao ex­ces­so de in­for­ma­ção – nua e crua, em tem­po re­al, fil­ma­da e com­par­ti­lhá­vel, que es­tão pre­fe­rin­do es­co­lher no que cre­em com ba­se em su­as pró­pri­as ex­pe­ri­ên­ci­as e va­lo­res que lhes fo­ram pas­sa­das ao lon­go de sua vi­da. O fa­to con­cre­to, du­ro e se­co, é só mais um da­do a ser le­va­do em con­ta pa­ra en­ten­der e opi­nar so­bre o que se pas­sa ao nos­so re­dor.

É tan­ta con­tra­di­ção e pon­tos de vis­ta dis­tin­tos que re­sol­ve­mos olhar pa­ra den­tro pa­ra to­mar de­ci­sões im­por­tan­tes!

Na ca­ro­na des­sa ten­dên­cia, re­sol­vi ig­no­rar os fa­tos ob­je­ti­vos e crer em um 2017 me­lhor. Afi­nal, já são ao me­nos três anos de cri­se e frus­tra­ções e nin­guém mais aguen­ta tan­to so­fri­men­to! Nes­ta tor­ci­da e cren­ça, fiz uma lis­ta de coi­sas que gos­ta­ria de ver em 2017. Tra­ta-se da mi­nha lis­ta de de­se­jos:

• A La­va-Ja­to vai che­gar ra­pi­da­men­te ao to­po do es­que­ma de cor­rup­ção, in­cri­mi­nan­do e con­de­nan­do to­dos os prin­ci­pais lí­de­res dos ar­rai­ga­dos es­que­mas de cor­rup­ção na po­lí­ti­ca fe­de­ral;

• A ve­xa­tó­ria ex­po­si­ção pú­bli­ca dos cri­mes e dos con­de­na­dos e a per­cep­ção de que não há mais im­pu­ni­da­de pa­ra ri­cos e po­de­ro­sos vai ser­vir co­mo aler­ta e en­si­na­men­to, di­mi­nuin­do os ní­veis ab­sur­dos de cor­rup­ção com que te­mos que con­vi­ver há dé­ca­das;

• Pa­ra­le­la­men­te ao pro­ces­so po­li­ci­al e ju­rí­di­co, se­rão con­du­zi­das as re­for­mas e ajus­tes ne­ces­sá­ri­os pa­ra con­ser­tar anos de de­ci­sões po­pu­lis­tas e for­mar a ba­se pa­ra a re­to­ma­da do cres­ci­men­to sus­ten­tá­vel;

• As fi­nan­ças dos Es­ta­dos se­rão equa­ci­o­na­das e os go­ver­nos vol­ta­rão a ter con­di­ções de ar­car com os cus­tos das má­qui­nas es­ta­du­ais e de fa­zer par­te dos in­ves­ti­men­tos que pre­ci­sam;

• Ha­ve­rá al­gum ti­po de pa­ci­fi­ca­ção po­lí­ti­ca en­tre “es­quer­da” e “di­rei­ta” e a di­vi­são fra­ti­ci­da que sur­giu nos úl­ti­mos anos co­me­ça­rá a se dis­sol­ver;

• Os in­ves­ti­do­res, lo­cais e es­tran­gei­ros, vol­ta­rão a acre­di­tar nas pers­pec­ti­vas de de­sen­vol­vi­men­to do país, par­ti­ci­pan­do de for­ma cres­cen­te em pro­je­tos de óleo e gás, in­fra­es­tru­tu­ra, sa­ne­a­men­to etc;

• Com a mu­dan­ça de âni­mo e a cren­ça re­no­va­da na eco­no­mia, os ne­gó­ci­os se­rão re­to­ma­dos e vão ge­rar mui­tas vi­a­gens. Re­to­ma­da do cres­ci­men­to no vo­lu­me de pas­sa­gei­ros, mais hós­pe­des nos ho­téis, mais opor­tu­ni­da­des de em­pre­go no tu­ris­mo e na ho­te­la­ria;

• Qu­em es­ta­va per­den­do di­nhei­ro em seu ho­tel vai co­me­çar a ver um pe­que­no lu­cro, aju­dan­do a pa­gar os pre­juí­zos acu­mu­la­dos nos úl­ti­mos anos de­cor­ren­tes de baixas ocu­pa­ções, guer­ras de ta­ri­fas e au­men­to de cus­tos.

É, eu sei. Tá di­fí­cil acre­di­tar nes­sa mi­nha pós-ver­da­de. Bem, já que não res­ta al­ter­na­ti­va, va­mos em­bo­ra tra­ba­lhar e cons­truir um fu­tu­ro me­lhor, que sem per­se­ve­ran­ça, de­di­ca­ção e cri­a­ti­vi­da­de nin­guém pros­pe­ra. Óti­mo 2017 a to­dos!

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.