QU­AR­TO DE HO­TEL POR HO­RA?

DIÁRIAS FRACIONADAS PERMITEM AOS HOT2IS OFERTAR PACOTES DE HOS­PE­DA­GEM DE HORAS

Hotelnews Magazine - - ECONOMIA E NEGÓCIOS - POR JULIANA BELLEGARD

Adap­ta”-• e à• no­va• de­man­da• do• vi­a­jan­te• do •écu­lo XXI é um ob­je­ti­vo e um de•afio co­mum a to­dos os mei­os de hos­pe­da­gem - não •omen­te pa”a acom­pa­nha” uma tend²ncia, ma• pa­ra se in­se­rir na no­va ló­gi­ca de con­su­mo dos cli­en­te•. De co­nec­ti­vi­da­de à pe”•ona­li­za­ção de •e”vi­ço•, o• tu”i•ta• de ho­je “ue”em to­tal cont”ole so­bre o que es­tão com­pran­do, in­clu­si­ve so­bre o p”eço ju•to pa”a a“ui­lo “ue e•tá •en­do con•umi­do. Fle­xi­bi­li­da­de - de va­lo”e•, de op­çõe• de ho•pe­da­gem, de ”efei­çõe•, de •e”vi­ço• e, po”“ue não, de horas pas­sa­das den­tro de um ho­tel - po­de •e” uma e•t”até­gia de con“ui•ta de cli­en­te• e de no­vas fon­tes de re­cei­ta pa­ra o em­pre­en­di­men­to. Dent”o di••o, uma p”áti­ca vem apa”ecen­do com ca­da vez mai• f”e“u²ncia na ho­te­la”ia.

Po” “ue não fle­xi­bi­li­za” a e•ta­da em um ho­tel a tal pon­to “ue •eja po••ível e•co­lhe” “uan­ta• ho”a• voc² “ue” fi­ca” lá, em “ue pe”ío­do do dia, se vai per­noi­tar ou não, e pa­gar um va­lor equi­va-

len­te, em vez da diá”ia ho­te­lei”a t”adi­ci­o­nal? “A• diá”ia• f”aci­o­na­da• •ão ba•ica­men­te pe”ío­do• de ho”a• (t”²•, •ei• ho”a•). O con­cei­to é aten­de” pe••oa• “ue e•te­jam de pas­sa­gem pe­lo destino e pre­ci­sam de ape­nas al­gu­mas ho”a• de ho•pe­da­gem”, ex­pli­ca Fe”nan­do Ba”acho Ma”ti­nel­li, p”ofe••o” do Se­nac Acli­ma­ção. No ex­te”io”, há di­ve”•a• pla­ta­for­mas que tra­ba­lham com o que cha­mam de “ho­tel ”oom by the hou””, ““ua”to de ho­tel po” ho”a”, em in­gl²•. A star­tup es­pa­nho­la ByHours.com, por exem­plo, des­ta­ca pa”a •eu• cli­en­te• o be­ne­fí­cio da li­be”da­de de ent”a”, pe”ma­ne­ce” e •ai” do meio de ho•pe­da­gem no me­lho” ho”á”io.

O po”tal tam­bém li•ta o• p”in­ci­pai• be­ne­fí­cio• pa”a o• ho­te­lei­ros, in­cluin­do ven­der seus apar­ta­men­tos mais de uma vez po” dia, de­pen­den­do do pa­co­te e•co­lhi­do pe­lo• vi­a­jan­te•, e ag”ega” a •eu po”tfó­lio a op­ção de comp”a po” horas, com­ple­tan­do a sua ofer­ta e os ca­nais de ven­da com o• “uai• o ho­tel já t”aba­lha. Ma”ti­nel­li ”efo”ça a po••ibi­li­da­de de in­cre­men­tar os ga­nhos do em­pre­en­di­men­to. “É uma fo”ma de ma­xi­mi­za” a• ”ecei­ta• na uni­da­de ha­bi­ta­ci­o­nal. O ho­tel é um p”odu­to pe”ecí­vel, ou •eja, •e voc² tem 100 uni­da­de• con•t”uí­da•, en­tão voc² tem 100 uni­da­de• po” dia pa”a co­me”ci­a­li­za”. Se ho­je voc² ven­deu •omen­te 50 uni­da­de•, en­tão dei­xou de co­me”ci­a­li­za” out”a• 50 e ama­nhã voc² não po­de”á cob”a” o dob”o pa”a ”epo” o “ue não foi ven­di­do on­tem. Nes­sa ló­gi­ca, se o ho­te­lei­ro con­se­guir ne­go­cia” f”açõe• de tem­po de uma uni­da­de “ue fi­ca”ia va­zia, en­tão ele e•ta”á ge”an­do um com­po­nen­te im­po”tan­te de ”ecei­ta pa”a o emp”een­di­men­to”, diz o p”ofe••o”.

Pe­la óti­ca do con•umi­do”, o tal “p”eço ju•to” tem um im­pac­to na to­ma­da de de­ci•ão. Max Cam­po•, um do• fun­da­do”e• do Ho­telQu­an­do.com, “ue t”aba­lha com diá”ia• fracionadas, re­lem­bra o iní­cio da em­pre­sa: sua pró­pria ex­pe”i²ncia co­mo cli­en­te “ue, no”mal­men­te em vi­a­gen• à t”aba­lho, •en­tia-•e le•ado po” pa­ga” uma diá”ia cheia pa”a

pa••a” ape­na• al­gu­ma• ho”a• no ho­tel. “Semp”e vi­a­jei a t”aba­lho, e co•tu­ma­va che­ga” no• ho­téi• 22h, 23h, pa”a sair de ma­nhã ce­do no dia se­guin­te. Pen­sa­va: por que es

tou pa­gan­do ca”o po” e•ta diá”ia “ue eu nem u•o?”, con­ta. Ele apon­ta “ue 40% de to­do pú­bli­co co”po”ati­vo de­man­da uma hos­pe­da­gem de so­men­te uma noi­te - al­go que ca­sa com a pro­pos­ta do Ho­telQu­an­do.com. “Ofe­re­ce­mos es­sa pos­si­bi­li­da­de do cli­en­te, pe­lo ce­lu­lar, che­gar no ae­ro­por­to e re­ser­var um qu­ar­to so­men­te pa­ra dor­mir aque­la noi­te, ou pas­sar al­gu­mas horas. Bus­ca­mos ino­var nes­te sen­ti­do tam­bém, de ofe”ece” a po••ibi­li­da­de de fa­ze” a ”e•e”va a qual­quer ho­ra do dia e da noi­te”, ex­pli­ca.

Quem com­pra?

O me”ca­do co”po”ati­vo, po” o”a, é o “ue vem de•pon­tan­do co­mo pri­mei­ro con­su­mi­dor des­te no­vo mo­de­lo de diá”ia•. Cam­po• apon­ta “ue, ent”e o• cli­en­te• de •ua •ta”tup, o pú­bli­co é ma­jo”ita”ia­men­te com­po•to de vi­a­jan­te• de ne­gó­cio•, e 65% de b”a•ilei”o•. O f”anc²• DayU•e.com, “ue con­ta com um e•c”itó”io no Rio de Ja­nei”o e e•tá p”e•en­te na Eu”opa, E•ta­do• Uni­do• e Emi”ado• Á”abe• Uni­do•, de•ta­ca um ce­ná”io in­te”nacional um pou­co di­fe”en­te do b”a•ilei”o. Da­do• do po”tal apon­tam “ue

“Se o ho­te­lei­ro con­se­guir ven­der fra­ções de tem­po de uma uni­da­de que fi­ca­ria va­zia, es­ta­rá ge­ran­do um com­po­nen­te im­por­tan­te de re­cei­ta” - Fer­nan­do Mar­ti­nel­li

“Por que es­tou pa­gan­do ca­ro por es­ta diá­ria que eu nem uso?”- Max Cam­pos

seus hós­pe­des di­vi­dem-se igual­men­te em 40% bu­si­ness e 40% la­ze”, além de out”o• 20% de vi­a­jan­te• em t”ân•ito. A di­fe”en­ça, no en­tan­to, é “ue e•ta emp”e•a t”aba­lha com pacotes de horas so­men­te du­ran­te o dia.

O Ra­di••on Vi­la Olím­pia é um do• emp”een­di­men­to• de São Pau­lo “ue ag”egou à ope”ação o •i•te­ma de diá”ia• f”aci­o­na­da•. “Mui­to• hó•pe­de• che­gam de voo• ce­do e op­tam po” p”ocu”a”em o• ho­téi• pa”a to­ma” um ba­nho, ou, sim­ples­men­te, des­can­sar an­tes ou de­pois de um com­pro­mi•• o. A p”ocu”a não oco””e ape­na• pe­la ma­nhã, tam­bém ”egi•t”amo• •itu­a­çõe• de hó•pe­de• “ue fi­cam po” al­gu­ma• ho”a• no fi­nal do dia an­te• de •egui”em pa”a o ae”opo”to, po” exem­plo”, diz Giu­li­a­na La­ga­ná, ge”en­te ge”al da uni­da­de, apon­tan­do que a mai­o­ria dos hós­pe­des que de­man­da po” e•te •e”vi­ço é co”po”ati­va. Com i•to, o emp”een­di­men­to ofe­re­ce uma so­lu­ção pa­ra aco­mo­dar es­tes cli­en­tes com uma ex­pe”i²ncia de ho•pi­ta­li­da­de de “ua­li­da­de e, ao me•mo tem­po, ocu­pa um apa”ta­men­to “ue fi­ca”ia va­zio, ag”egan­do uma re­cei­ta ines­pe­ra­da. A p”eci­fi­ca­ção é um do• fa­to”e• “ue po­de ge”a” dú-

vi­da• no• ho­te­lei”o•. Afi­nal, é p”eci•o le­va” em con­ta o cu•to da mão de ob”a ne­ce••á”ia pa”a man­te” a ope”ação di­nâ­mi­ca de hó•pe­de• ent”an­do e •ain­do em um cu”to e•pa­ço de tem­po, além de va­lo”iza” o •e”vi­ço ofe”eci­do pe­lo emp”een­di­men­to, ent”e out”a• va”iá­vei•. O• pa”cei”o• do Ho­telQu­an­do.com t²m co­mo pon­to de pa”ti­da pa”a de­fi­ni” seus pre­ços a es­ti­ma­ti­va do pró­prio por­tal: ten­do o va­lor mé­dio da diá”ia do ho­tel, o pa­co­te de t”²• ho”a• cu•ta 38% do p”eço cheio; o de •ei• ho”a•, 43%; o de no­ve ho”a•, 60%; e o de 12h, 65%. Co•ta ex­pli­ca “ue o meio de ho•pe­da­gem tem a li­ber­da­de de ne­go­ci­ar es­tes va­lo­res, bus­can­do uma ta”ifa fi­xa “ue •eja po•iti­va pa”a o emp”een­di­men­to e d² ao cli­en­te o be­ne­fí­cio “ue ele bu•ca. “De­te”mi­na­mo• ape­na• que o pa­co­te de 12h de­va en­tre­gar uma re­du­ção de pe­lo me­nos 20% do pre­ço cheio”, de­ta­lha.

Fe”nan­do Ba”acho Ma”ti­nel­li de•ta­ca “ue, além do de•afio da ge•tão ope”aci­o­nal de•te fo”ma­to de ne­gó­cio•, há um de•afio li­ga­do à ge•tão de ”ecei­ta•. “O ho­tel tem “ue cont”ola” o in­ven­tá”io “ue •e”á di•po­ni­bi­li­za­do pa”a ven­da f”aci­o­na­da, ca•o cont”á”io po­de oco””e” de o emp”een­di­men­to dei­xa” de ven­de” uma diá”ia in­tei”a, po”“ue a uni­da­de es­ta­va ocu­pa­da por al­gu­mas horas. A re­la­ção de cus­to de um pe­río­do fra­ci­o­na­do tem que com­pen­sar, ou •eja, o va­lo” ge”ado com a ven­da do pe”ío­do f”aci­o­na­do de­ve com­pen­sar o cus­to ge­ra­do na uni­da­de”, ex­pli­ca o pro­fes­sor do Se­nac.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.