AUTENTICIDADE É O MAI­OR LUXO DO BRA­SIL

Hotelnews Magazine - - ENTREVISTA -

Martin Frankenberg, pre­si­den­te da BLTA (Bra­zi­li­an Lu­xury Tra­vel As­so­ci­a­ti­on) e só­cio da Ma­tu­e­té, agên­cia es­pe­ci­a­li­za­da no seg­men­to de luxo, es­tá à fren­te da as­so­ci­a­ção des­de no­vem­bro de 2016. O exe­cu­ti­vo con­ta, em en­tre­vis­ta, as me­tas pa­ra a ges­tão des­te bi­ê­nio, as prin­ci­pais es­tra­té­gi­as de di­vul­ga­ção e idei­as pa­ra pro­mo­ver o seg­men­to no mercado do tu­ris­mo na­ci­o­nal e in­ter­na­ci­o­nal.

HO­TEL­NEWS: A BLTA foi cri­a­da em 2008 a fim de reu­nir ho­téis, re­sorts, pou­sa­das e ope­ra­do­ras bra­si­lei­ras. Qual é a mis­são da as­so­ci­a­ção? MARTIN FRANKENBERG: Fo­can­do na pro­mo­ção do País pa­ra o mercado in­ter­na­ci­o­nal, a Bra­zi­li­an Lu­xury Tra­vel As­so­ci­a­ti­on co­me­çou, há no­ve anos, com o ob­je­ti­vo prin­ci­pal de fo­men­tar o Bra­sil co­mo destino de luxo. O País tem ho­je pou­cos pro­du­tos des­te ti­po, além de uma pro­mo­ção do go­ver­no mui­to ca­ren­te em to­dos os seg­men­tos do tu­ris­mo. O Ins­ti­tu­to Bra­si­lei­ro de Tu­ris­mo (Em­bra­tur), por exem­plo, olha pou­co pa­ra es­te ni­cho e não sa­be co­mo atu­ar.

Por es­ta ra­zão, a BLTA tem a mis­sã‘ de in­flu­en­cia” a ’‘lí–ica ’úbli

ca, na me­di­da do pos­sí­vel, so­bre

co­mo se pro­mo­ve o Bra­sil co­mo destino de luxo, sain­do um pou­co dos cha­vões que já es­ta­mos can­sa­dos de ver so­bre o que é o País. Até no­vem­bro de 2018 va­mos ten­tar au­men­tar a vi­si­bi­li­da­de da BLTA pa­ra além do cír­cu­lo do tra­de, pois ain­da não so­mos uma mar­ca co­nhe­ci­da. Qu­e­re­mos le­var o con­cei–‘ ’a”a ‘ c‘nsu­mid‘” fi­nal e ’a”a players que não são to­tal­men­te li­ga­dos ao se­tor. HN:MF: Co­moA BLTA a as­so­ci­a­ção­a­ju­da os mem­bro­sa­tua? a en­ten­der me­lhor o mercado. Nos­so prin­ci­pal mé­to­do de atu­a­ção sem­pre foi pro­mo­ver ro­adshows ao re­dor do mun­do pa­ra ge­rar opor­tu­ni­da­des pa­ra os as­so­ci­a­dos. Atu­al­men­te, es­ta­mos tra­ba­lhan­do mais com a mí­dia e bus­can­do fo­men­tar tam­bém par­ce­ri­as com mar­cas de luxo que re­pre­sen­tam o me­lhor do Bra­sil, e que têm in­te­res­se em di­vul­ga­ção no ex­te­ri­or. Qu­e­re­mos sair um pou­co do ca­su­lo no que diz res­pei­to à par­ti­ci­pa­ção em fei­ras e di­vul­ga­ções ro­ti­nei­ras den­tro do tra­de. HN: O que uma em­pre­sa pre­ci­sa pa­ra fa­zer par­te da BLTA? MF: Te­mos dois ti­pos de mem­bros: os ho­téis e as ope­ra­do­ras re­cep­ti­vas. Um ho­tel pre­ci­sa, cla­ra­men­te, al­me­jar o pú­bli­co AAA (tu­ris­tas de al­to po­der aqui­si­ti­vo). Pa­ra se tor­nar um mem­bro, os in­te­res­sa­dos pre­ci­sam tam­bém com­pro­var a atu­a­ção jun­to ao mercado in­ter­na­ci­o­nal e ter a mis­são de atrair o tu­ris­ta es­tran­gei­ro. Fo­ra is­to, pre­ci­sam ter mais de um ano fun­ci­o­nan­do e, é cla­ro, ofe­re­cer a me­lhor qua­li­da­de pos­sí­vel em in­fra­es­tru­tu­ra e pres­ta­ção de ser­vi­ços. HN: Co­mo é fei­ta a ava­li­a­ção des­tes cri­té­ri­os? MF: No ca­so dos ho­téis, te­mos um gran­de ques­ti­o­ná­rio que de­ve ser pre­en­chi­do, se­gui­do por uma vi­si­ta de ins­pe­ção, fei­ta pe­la nos­sa di­re­to­ra exe­cu­ti­va, que ava­lia o pro­du­to. Pos­te­ri­or­men­te, ele pas­sa por uma ava­li­a­ção dos mem­bros da as­so­ci­a­ção. Já a ope­ra­do­ra re­cep­ti­va pre­ci­sa tra­ba­lhar com pe­lo me­nos 50% dos ho­téis que per­ten­cem à BLTA e par­ti­ci­par de fei­ras in­ter­na­ci­o­nais, com­pro­va­da­men­te, pa­ra pro­mo­ção do tu­ris­mo es­tran­gei­ro.

HN: Atu­al­men­te vo­cês con­tam com 29 as­so­ci­a­dos, en­tre os quais 26 são ho­téis e três são ope­ra­do­ras. Há ou­tros ho­téis com po­ten­ci­al pa­ra que se tor­nem mem­bros? MF: Acre­di­ta­mos que há en­tre dez e 15 ou­tros em­pre­en­di-

men­tos­qua­dro­que­rer, ver com­da as­so­ci­a­ção.van­ta­gem po­ten­ci­al em pa­ra Eles fa­zer in­te­grar pre­ci­sam­par­te o da BLTA e ter es­ses atri­bu­tos, ci­ta­dos co­mo cri­té­ri­os prin­ci­pais. Um ho­tel no Gu­a­ru­já (li­to­ral pau­lis­ta) ou no in­te­ri­or de São Pau­lo, por exem­plo, não é nos­so fo­co, pois não atrai o pú­bli­co es­tran­gei­ro.

HN: Ca­so um ho­tel te­nha pro­ble­mas que o im­pe­ça de in­gres­sar na as­so­ci­a­ção, a BLTA ofe­re­ce al­gum ti­po de con­sul­to­ria ou ser­vi­ço a fim de cor­ri­gir os pon­tos em ques­tão? MF: Ain­da não te­mos es­te ti­po de ser­vi­ço, mas acre­di­ta­mos que se­ja um bom ca­mi­nho de evo­lu­ção. Qu­e­re­mos ter, em bre­ve, um bra­ço de con­sul­to­ria pa­ra quem quei­ra mon­tar um em­pre­en­di­men­to de luxo com fo­co no mercado re­cep­ti­vo. Quan­do há fa­lhas du­ran­te a ava­li­a­ção, en­tre­tan­to, te­mos que ser ma­leá­veis. Se fos­se­mos pas­sar um cri­vo ab­so­lu­to, pouquís­si­mos ho­téis en­tra­ri­am co­mo mem­bros na as­so­ci­a­ção. É cla­ro que al­guns pon­tos não são ne­go­ciá­veis, co­mo o bom gos­to e a ca­pa­ci­da­de de aten­der o cli­en­te em ou­tros idi­o­mas. Se ti­ve­rem ou­tras fa­lhas, po­de­mos acei­tar com res­sal­vas e fa­zer um acom­pa­nha­men­to.

HN: Vo­cê acre­di­ta que o Bra­sil tem po­ten­ci­al co­mo destino pa­ra o tu­ris­ta es­tran­gei­ro que bus­ca vi­a­gens de al­to pa­drão? Por quê? MF: Sim, com cer­te­za. O Bra­sil tem al­gu­mas ques­tões mui­to in­te­res­san­tes que o tor­nam di­fe­ren­te aos olhos do tu­ris­ta es­tran­gei­ro de al­to pa­drão. Es­tru­tu­ra com opu­lên­cia não é nos­so for­te, por exem­plo. Não é aqui que o tu­ris­ta irá en­con­trar o ho­tel com o már­mo­re mais bo­ni­to, nem com a gas–”‘n‘mia mais ”efi­na­da d‘ mun­do. En­tre­tan­to, te­mos uma sé­rie de in­gre­di­en­tes mui­to in­te­res­san­tes pa­ra o eles O tu­ris­ta vi­a­jan­te­mais de gos­tam en­con­tra­lu­xo; nor­mal­men­te,aqui mui­tos­são as pe­que­nos pes­so­as.o que pro­du­tos úni­cos, que não têm as­pec­to glo­bal, com es­sas par­ti­cu­la­ri­da­des que exis­tem em qual­quer país. Há tam­bém o en­con­tro cons­tan­te com pes­so­as de to­dos os ní­veis so­ci­ais, e is­to é di­fe­ren­te. O luxo es­tá sem­pre as­so­ci­a­do ao ra­ro. A praia bo­ni­ta, que po­de­ria ser em qual­quer lu­gar do mun­do, te­rá no Bra­sil um “gos­ti­nho lo­cal”. Ou­tro pon­to que cha­ma a aten­ção é a autenticidade cul­tu­ral la­ten­te, que não acon­te­ce da mes­ma ma­nei­ra em ou­tros lu­ga­res do mun­do. Em um ho­tel no Bra­sil, vo­cê irá es­cu­tar mú­si­ca na­ci­o­nal, por exem­plo. Es­sa é a com­bi­na­ção de ele­men­tos que faz do País um lu­gar es­pe­ci­al e atra­ti­vo.

HN: Pen­san­do jus­ta­men­te na ques­tão da autenticidade bra­si­lei­ra co­mo men­sa­gem cha­ve pa­ra a pro­mo­ção do País, de que for­ma a as­so­ci­a­ção vem tra­ba­lhan­do es­ta di­vul­ga­ção? MF: O mo­te da nos­sa di­vul­ga­ção é jus­ta­men­te es­se: fo­car na ideia de que a autenticidade é o mai­or luxo. O Bra­sil é so­bre autenticidade. Es­tar aqui é o que to­ca as pes­so­as. Acre­di­ta­mos que o Bra­sil é um destino mui­to in­te­res­san­te, com in­gre­di­en­tes hu­ma­nos mui­to ra­ros, e que um dia se­rá mui­to im­por­tan­te no tu­ris­mo re­cep­ti­vo.

HN: Quais são os prin­ci­pais en­tra­ves pa­ra a vin­da des­te tu­ris­ta pa­ra o Bra­sil? A vi­o­lên­cia as­sus­ta? MF: Sim, atra­pa­lha sem­pre. A vi­o­lên­cia e as do­en­ças as­sus­tam, e são du­as coi­sas que re­al­men­te afe­ta­ram de ma­nei” a sig­ni­fi­ca–iva ‘s le­gad‘s da C‘’a do Mun­do e das Olim­pía­das. So­bre a

vi­o­lên­cia, o Rio de Ja­nei­ro (RJ) é nos­sa por­ta de en­tra­da pa­ra o tu­ris­ta in­ter­na­ci­o­nal, e a vi­são re­per­cu­ti­da afe­ta to­dos os ou­tros des­ti­nos. O vis­to e a bu­ro­cra­cia pa­ra con­se­gui-lo tam­bém são dois gran­des pro­ble­mas. Nos­so vis­to é um dos mais bu­ro­crá­ti­cos do mun­do, e is­to atra­pa­lha mui­to, es­pe­ci­al­men­te por não ser exi­gi­do pe­los nos­sos vi­zi- nhos.daSe nor­te-ame­ri­ca­nos,re­ci­pro­ci­da­dehou­ves­seO Bra­sil mais per­dee eu pe­la fa­ci­li­da­de­por te­nho fal­ta es­sa cer­te­za,de ques­tão­pa­ra vi­são. os e foi ha­ve­ria com­pro­va­do au­men­to em da vá­ri­os vi­si­ta­ção paí­ses, es­tran- que gei­ra ra­pi­da­men­te. Ou­tro en­tra­ve é a fal­ta de pro­mo­ção tu­rís­ti­ca cor­re­ta. A Em­bra­tur gas­ta mui­to mal o di­nhei­ro quan­do se tra­ta de seg­men­to luxo, sem per­ce­ber que es­te é o ni­cho mais in­te­li­gen­te de se in­ves­tir, uma vez que ge­ra mí­dia es­pon­tâ­nea gra­tui­ta. To­da vez que abre um ho­tel in­crí­vel no Bra­sil, co­mo o Pa­lá­cio Tan­ga­rá, em São Pau­lo (SP), há uma on­da de mí­dia in­ter­na­ci­o­nal grá­tis. É pre­ci­so fo­car nes­tes as­sun­tos, que têm efei­to mul­ti­pli­ca­dor.

HN: O ser­vi­ço é um dos pon­tos-cha­ves das ex­pe­ri­ên­ci­as de luxo. Co­mo vo­cê ava­lia os ser­vi­ços na ca­deia pro­du­ti­va do tu­ris­mo (co­mo res­tau­ran­tes, mu­seus e lo­jas)? Qual a per­cep­ção dos cli­en­tes es­tran­gei­ros so­bre es­ses ser­vi­ços? MF: O Bra­sil é ava­li­a­do mui­to mais pe­la em­pa­tia do que pe­la qua­li­da­de ab­so­lu­ta dos ser­vi­ços que pres­ta. Não

“Acre­di­ta­mos que o Bra­sil é um destino mui­to in­te­res­san­te, com in­gre­di­en­tes hu­ma­nos mui­to ra­ros, e que um dia se­rá mui­to im­por­tan­te no tu­ris­mo re­cep­ti­vo”

é aqui que vo­cê te­rá o trans­fer com o me­lhor car­ro, com o mo­to­ris­ta mais ’‘n–a fi”me e sem’”e ’‘n–ual. Mas a re­la­ção hu­ma­na se dá de uma ma­nei­ra di­fe­ren­ci­a­da com o ou­tro, e is­so é mui­to no­ta­do. Se não te­mos a me­lhor qua­li­da­de do mun­do em re­la­ção à pres­ta­ção de ser­vi­ços, com­pen­sa­mos com sim­pa­tia. Ape­sar dis­to, ao ver da BLTA, is­so não é des­cul­pa. Não to­le­ra­mos fal­ta de qua­li­da­de. HN: De que for­ma a BLTA po­de aju­dar a me­lho­rar o tu­ris­mo no Bra­sil? MF: Um dos nos­sos ob­je­ti­vos é in­flui” na ’‘lí–ica ’úbli­ca de –u”ism‘ no Bra­sil. Ado­ra­ría­mos ter um as

sen­to no Con­se­lho Na­ci­o­nal de Tu­ris­mo. Acho que po­de­mos aju­dar a di­re­ci­o­nar me­lhor os in­ves­ti­men­tos pa­ra o seg­men­to de luxo, que re­sul­tem em me­lho­res re­sul­ta­dos pa­ra o País. Co­mo ex­pli­quei an­te­ri­or­men­te, gas­ta-se mal na pro­mo­ção do tu

ris­mo, com cam­pa­nhas ca­ras, pouc‘ efi­ca­zes, fa­land‘ c‘m um ’úblic‘ me­di­a­no e que não atrai o in­te­res­se

da mí­dia in­ter­na­ci­o­nal. Com um pou­co mais de di­re­ci­o­na­men­to, po­de­ría­mos ob­ter gran­des im­pac­tos. Há mui­tos anos são fei­tas as mes­mas coi­sas, vi­san­do re­sul­ta­dos di­fe­ren­tes. Os cha­vões de car­na­val e fu­te­bol uti­li­za­dos pa­ra di­vul­ga­ção, por exem­plo, já can­sa­ram.

HN: So­bre os no­vos ho­téis que es­tão che­gan­do à ca­pi­tal pau­lis­ta (co­mo o Four Se­a­sons e o Ro­sewo­od), vo­cê con­si­de­ra que vão aju­dar a in­cluir o Bra­sil no ma­pa de tu­ris­mo de al­to pa­drão? Acre­di­ta que es­tas pro­pri­e­da­des vão im­pac­tar de ma­nei­ra po­si­ti­va na ho­te­la­ria na­ci­o­nal? MF: Sem dú­vi­da. Há pou­cas vo­zes fa­lan­do so­bre o Bra­sil, com con­tun­dên­cia e com for­ça. A par­tir do mo­men­to em que vo­cê tem uma re­de co­mo o Four Se­a­sons, com in­fra­es­tru­tu­ra, bom re­la­ci­o­na­men­to com a mí­dia e ver­ba, só aju­da. O que o Bra­sil pre­ci­sa é for­mar re­fe­rên­ci­as. Pa­raty (RJ), por exem­plo, não ti­nha ho­te­la­ria de pon­ta até a Ca­sa Tur­que­sa e a Pou­sa­da Li­te­rá­ria apa­re­ce­rem. To­dos os ho­téis char­mo­sos do cen­tro his­tó­ri­co mu­da­ram de li­nha. Quan­to mais re­fe­rên­ci­as de pon­ta hou­ver no País, me­lhor.

HN: Quan­do fa­la­mos so­bre o pró­prio bra­si­lei­ro que pro­cu­ra pro­du­tos de al­to pa­drão, sa­be­mos que mui­tos de­les pre­fe­rem vi­a­jar pa­ra fo­ra do País. De que for­ma os as­so­ci­a­dos es­tão atrain­do es­te pú­bli­co pa­ra vi­a­jar pe­lo Bra­sil? MF: Com una­ni­mi­da­de, em to­dos os ho­téis da BLTA, o mai­or pú­bli­co é bra­si­lei­ro. Quan­do o tem­po é cur­to pa­ra vi­a­gens, co­mo acon­te­ce nos fe­ri­a­dos, ou quan­do es­te tu­ris­ta quer des­can­sar, mui­tas ve­zes re­pe­te os des­ti­nos que gos­ta, aqui mes­mo, den­tro do País.

HN: Se­gun­do es­tu­dos da BLTA, Rio de Ja­nei­ro, Foz do Igua­çu, Tran­co- so e Ama­zo­nas são os des­ti­nos mais pro­cu­ra­dos pe­los tu­ris­tas de al­to po­der aqui­si­ti­vo, além de Pan­ta­nal e Ita­ca­ré, co­mo gran­des apos­tas pa­ra os pró­xi­mos anos. Quais se­ri­am os ou­tros mer­ca­dos pro­mis­so­res pa­ra de­sen­vol­vi­men­to? MF: Há dois ou­tros des­ti­nos in­crí­veis: a Cha­pa­da da Di­a­man­ti­na e os Len­çóis Ma­ra­nhen­ses, que são um ecos­sis­te­ma úni­co no mun­do. En­tre­tan­to, não há uma ho­te­la­ria nem pró­xi­ma ao luxo nes­tes lo­cais. Tam­bém te­mos um li­to­ral bem in­te­res­san­te pa­ra de­sen­vol­ver. É in­crí­vel que en­tre Rio e São Pau­lo, com ex­ce­ção de Pa­raty, não exis­ta uma ho­te­la­ria de pon­ta. O Pan­ta­nal, no Ma­to Gros­so, tam­bém é um óti­mo destino. Atrai tu­ris­ta com in­te­res­se nos sa­fá­ris da Áfri­ca, por exem­plo, pois ofe­re­ce uma ex­pe­ri­ên­cia si­mi­lar.

HN: Vo­cê, co­mo só­cio da Ma­tu­e­té, que co­me­çou co­mo uma pro­du­to­ra de vi­a­gens cus­to­mi­za­das so­men­te pe­lo Bra­sil: quais fo­ram os mai­o­res pro­ble­mas que en­con­trou pa­ra ofe­re­cer es­tas ex­pe­ri­ên­ci­as per­so­na­li­za­das? E nos lo­cais em que não há ho­te­la­ria de luxo? MF: O prin­ci­pal pro­ble­ma foi en­con­trar pes­so­as pa­ra tra­ba­lhar que se­jam ca­pa­zes de en­xer­gar nos­sa vi­são e o pa­pel de­les nu­ma vi­a­gem (des­de for­ne­ce­do­res até gui­as tu”ís–ic‘s – an­fi–”iões). Um guia, ’‘” exem­plo, pre­ci­sa res­pei­tar rit­mos e es­ti­los in­di­vi­du­ais, e sa­ber ler is­to nun­ca é sim­ples. Nos lo­cais que não há luxo, eu mon­to uma ca­sa, por exem­plo. Pri­mei­ro nós pre­pa­ra­mos o hós­pe­de e avi­sa­mos que a es­tru­tu­ra é sim­ples. A mai­o­ria dos nos­sos cli­en­tes não tem me­do do sim­ples. Mui­tas ve­zes le­va­mos len­çóis, to­a­lhas e bons amenities, e da­mos um up­gra­de no que o ho­tel ofe­re­ce.

“Gas­ta-se mal na pro­mo­ção do tu­ris­mo, com cam­pa­nhas ca­ras, pou­co efi­ca­zes, fa­lan­do com um pú­bli­co me­di­a­no e que não atrai o in­te­res­se da mí­dia in­ter­na­ci­o­nal”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.