Criatividade nos even­tos

EM­PRE­EN­DI­MEN­TOS APOS­TAM EM FOR­MA­TOS FO­RA DO CON­VEN­CI­O­NAL

Hotelnews Magazine - - ÍNDICE - POR LORENA AMA­ZO­NAS

Além

dos tra­di­ci­o­nais even­tos cor­po­ra­ti­vos e so­ci­ais, os ho­téis po­dem ir além e pen­sar em for­ma­tos di­fe­ren­tes. Fi­nais de se­ma­na te­má­ti­cos, ofi­ci­nas de fu­te­bol, con­teú­do edu­ca­ti­vo para es­co­las, ações em par­ce­ria com em­pre­sas ali­nha­das ao per­fil da pro­pri­e­da­de, são ape­nas al­gu­mas pos­si­bi­li­da­des. Tu­do vai da criatividade do em­pre­en­di­men­to ou dos or­ga­ni­za­do­res.

“Os ho­téis têm si­do ca­da vez mais con­sul­ta­dos para se­di­ar even­tos de di­fe­ren­tes ti­po­lo­gi­as, não ape­nas pelo ser­vi­ço que dis­po­ni­bi­li­zam ao cli­en­te, in­cluin­do equi­pe com ex­per­ti­se na área, mas tam­bém por aco­mo­dar cli­en­tes e con­vi­da­dos em um úni­co es­pa­ço. Quan­do a ques­tão é ser­vi­ço, aco­lhi­men­to e con­for­to, os em­pre­en­di­men­tos ho­te­lei­ros são im­ba­tí­veis”, afir­ma San­dra Maia, co­or­de­na­do­ra dos cur­sos Ba­cha­re­la­do em Ho­te­la­ria e Tecnologia em Even­tos do Se­nac.

Para San­dra, o em­pre­en­di­men­to pre­ci­sa co­nhe­cer bem o seu cli­en­te para se­di­ar um even­to de su­ces­so ou cri­ar um pró­prio. “Cli­en­tes e ho­te­lei­ros po­dem de­se­nhá-los a qua­tro mãos. Bo­as-vin­das te­má­ti­cas, ali­men­tos e be­bi­das cus­to­mi­za­dos, atrações di­fe­ren­ci­a­das, ati­vi­da­des ao ar li­vre, tu­do faz di­fe­ren­ça”, diz. Ela dá co­mo exem­plo a ini­ci­a­ti­va anu­al De­sa­fio Se­nac: Alu­nos no co­man­do, oca­sião em que es­tu­dan­tes da uni­ver­si­da­de fi­cam res­pon­sá­veis pe­la ope­ra­ção do Gran­de Hotel Cam­pos do Jor­dão ou Gran­de Hotel São Pe­dro, além de cri­a­rem uma pro­gra­ma­ção para os hós­pe­des.

“Na úl­ti­ma edi­ção ti­ve­mos workshops eno­gas­tonô­mi­cos, pa­les­tras, apre­sen­ta­ções mu­si­cais, ati­vi­da­des de bem-es­tar, es­cal­da-pés, lu­au na pis­ci­na. Não há res­tri­ções quan­do a criatividade es­tá pre­sen­te”, con­ta San­dra. “Além dis­so, os alu­nos fi­ze­ram par­ce­ri­as com em­pre­sas de cos­mé­ti­cos e ca­fés ar­te­sa­nais para tor­nar tu­do mais de­li­ci­o­so”, com­ple­ta.

Quan­do atre­la­dos à hos­pe­da­gem, os even­tos po­dem atin­gir a mar­ca de 60% do fa­tu­ra­men­to glo­bal do em­pre­en­di­men­to, por is­so va­le a pe­na dar uma aten­ção es­pe­ci­al a es­te se­tor. “De­pen­de de sua es­tru­tu­ra e o que ofe­re­ce, co­mo nú­me­ro de apar­ta­men­tos, sa­las de even­tos. Além dis­so, o seg­men­to de ali­men­tos e be­bi­das é uma óti­ma fon­te de re­cei­ta em even­tos”, ex­pli­ca a co­or­de­na­do­ra.

Só para mu­lhe­res

Em 2017, o Pon­ta dos Gan­chos Ex­clu­si­ve Re­sort, lo­ca­li­za­do em San­ta Ca­ta­ri­na, pro­mo­veu pe­la pri­mei­ra vez o VIP Wo­men Ex­pe­ri­en­ce. O even­to, to­tal­men­te vol­ta­do para mu­lhe­res, reu­niu em­pre­sas de lu­xo de di­fe­ren­tes seg­men­tos para uma sé­rie de ati­vi­da­des e workshops. “A ideia sur­giu do in­te­res­se em unir mar­cas ex­clu­si­vas em um úni­co even­to, com o ob­je­ti­vo de pro­por­ci­o­nar ex­pe­ri­ên­ci­as pri­ce­less às nos­sas hós­pe­des. Além dis­so, que­ría­mos mos­trar o Pon­ta dos Gan­chos co­mo um des­ti­no não ape­nas para ca­sais, mas de in­fi­ni­tas pos­si­bi­li­da­des, co­mo gru­pos de ami­gos, ca­sa­men­tos, e even­tos cor­po­ra­ti­vos”, ex­pli­ca Fer­nan­da Makhoul, di­re­to­ra de Ven­das e Mar­ke­ting do re­sort.

De acor­do com Fer­nan­da, o Pon­ta dos Gan­chos es­co­lheu mar­cas que têm si­ner­gia com o per­fil do re­sort. Ca­da em­pre­sa mos­trou um te­ma di­fe­ren­te, apre­sen­tan­do um pou­co da his­tó­ria, con­cei­to e tendências de mer­ca­do. O re­sul­ta­do do pri­mei­ro VIP Wo­men Ex­pe­ri­en­ce deu tão cer­to que o em­pre­en­di­men­to já se pre­pa­ra para a se­gun­da edi­ção, em maio. “Te­mos tan­to mar­cas par­ti­ci­pan­do no­va­men­te, quan­to hós­pe­des re­tor­nan­do. A ideia é que fa­ça par­te do nos­so ca­len­dá­rio da­qui para fren­te, com uma edi­ção por ano”.

Para a exe­cu­ti­va, es­se ti­po de ação aju­da a in­cre­men­tar o fa­tu­ra­men­to do hotel e, prin­ci­pal­men­te, a ocu­pa­ção, não ape­nas nos di­as em que o even­to ocor­re, mas tam­bém em ou­tras da­tas. “Eles ge­ram mí­dia e, mui­tas ve­zes, atin­gem um pú­bli­co di­fe­ren­te, que aca­ba co­nhe­cen­do o re­sort e fa­zen­do re­ser­va para ou­tros pe­río­dos tam­bém”, en­fa­ti­za.

Re­sort fu­te­bo­lís­ti­co

Lo­ca­li­za­do em Águas de Lin­dóia, no in­te­ri­or de São Pau­lo, o Os­car Inn Eco Re­sort foi fun­da­do pelo ex-jo­ga­dor de fu­te­bol e da se­le­ção bra­si­lei­ra Os­car Ber­nar­di. En­tão, na­da mais na­tu­ral que o em­pre­en­di­men­to te­nha vo­ca­ção para o es­por­te mais ama­do do Bra­sil. “No pri­mei­ro mo­men­to, o lo­cal se­ria um cen­tro de trei­na­men­to para atle­tas, mon­ta­do de acor­do com a ba­ga­gem ad­qui­ri­da por Os­car du­ran­te sua car­rei­ra e nas ne­ces­si­da­des dos atle­tas”, ex­pli­ca Na­taly Ber­nar­di, di­re­to­ra de Mar­ke­ting do hotel.

Com o tem­po, o Os­car Inn se tor­nou um re­sort, mas pos­sui uma gran­de es­tru­tu­ra para even­tos re­la­ci­o­na­dos com o fu­te­bol – há, por exem­plo, cin­co cam­pos ofi­ci­ais, aca­de­mia, ves­tiá­rio, cen­tro de fi­si­o­te­ra­pia, além da pos­si­bi­li­da­de de agen­dar par­ti­das con­tra o ti­me do hotel, o Bra­si­lis FC (sé­rie B Pau­lis­ta), e de­mais clu­bes pro­fis­si­o­nais da re­gião. Por con­ta dis­so, hos­pe­dou a de­le­ga­ção da Cos­ta do Mar­fim du­ran­te a Co­pa do Mundo de 2014, re­a­li­za­da no Bra­sil.

Além de ser pro­cu­ra­do por ti­mes e de­le­ga­ções, o Os­car Inn tam­bém se­dia tor­nei­os de es­co­las de fu­te­bol in­fan­til na­ci­o­nal e in­ter­na­ci­o­nal, con­fra­ter­ni­za­ções, cur­sos de ar­bi­tra­gem e da Con­fe­de­ra­ção Bra­si­lei­ra de Fu­te­bol (CBF), en­tre ou­tros. “No pri­mei­ro tri­mes­tre de 2018, as ati­vi­da­des re­la­ci­o­na­das ao fu­te­bol re­pre­sen­ta­ram 16% do fa­tu­ra­men­to do re­sort”, afir­ma Na­taly. “Te­mos ser­vi­ço per­so­na­li­za­do para aten­der as ne­ces­si­da­des de ca­da hos­pe­da­gem”, com­ple­ta. Bem es­tar

A Pou­sa­da Vi­la Ta­ma­rin­do Eco Lod­ge, lo­ca­li­za­da em Flo­ri­a­nó­po­lis (SC), de­ci­diu cons­truir uma sa­la de even­tos para aten­der uma de­man­da anu­al do gru­po Luz da Vi­da, que aca­bou em­pres­tan­do o no­me para o es­pa­ço. “Ela é vol­ta­da para te­ra­pi­as ho­lís­ti­cas, foi fei­ta em ma­dei­ra e po­de re­ce­ber até cin­quen­ta pes­so­as”, de­ta­lha Ki­to Ru­as, só­cio-ad­mi­nis­tra­dor do em­pre­en­di­men­to.

Além de ser pal­co do en­con­tro anu­al do gru­po Luz da Vi­da, o em­pre­en­di­men­to co­me­çou a pros­pec­tar ou­tros even­tos, prin­ci­pal­men­te li­ga­dos às te­ra­pi­as ho­lís­ti­cas e já tem tam­bém idei­as pró­pri­as. “Es­ta­mos pro­je­tan­do um re­ti­ro na pou­sa­da que mes­cla yo­ga, mas­so­te­ra­pia, ali­men­ta­ção sau­dá­vel e sur­fe, que de­ve­rá acon­te­cer no se­gun­do se­mes­tre des­te ano”, adi­an­ta Ru­as.

Quan­do não es­tá sen­do ocu­pa­do para even­tos, o Sa­lão Luz da Vi­da é uti­li­za­do para ofe­re­cer au­las de yo­ga para os hós­pe­des, em par­ce­ria com dois pro­fes­so­res da re­gião. “Ain­da é o co­me­ço, te­mos mui­to a de­sen­vol­ver e tra­ba­lhar para re­al­men­te abra­çar o mer­ca­do de even­tos e usu­fruir de seu po­ten­ci­al, au­xi­li­an­do em nos­sa ocu­pa­ção e fa­tu­ra­men­to nos me­ses de bai­xa”, fi­na­li­za.

O Txai Re­sort Ita­ca­ré, na Bahia, é ou­tro em­pre­en­di­men­to que apos­ta no bem es­tar. Há 11 anos, o re­sort se­dia o pro­gra­ma Pra­ti­can­do o Bem Es­tar, que une ati­vi­da­des de re­la­xa­men­to, pa­les­tras, ca­mi­nha­das e re­fei­ções es­pe­ci­ais. “A men­to­ra do en­con­tro, Már­cia De Lu­ca, es­pe­ci­a­lis­ta em yo­ga, me­di­ta­ção e ayur­ve­da, pre­ten­de aju­dar os hós­pe­des a en­con­tra­rem um ca­mi­nho de equi­lí­brio e vi­ver com mais tran­qui­li­da­de”, ex­pli­ca Pau­lo Silva, ge­ren­te de hos­pe­da­gem do hotel.

O even­to cos­tu­ma pro­mo­ver ati­vi­da­des con­du­zi­das por Már­cia, com o ob­je­ti­vo de ali­nhar o cor­po e a men­te, co­mo e yo­ga e me­di­ta­ção, além de ex­pe­ri­ên­ci­as gas­tronô­mi­cas e no Spa Sha­mash, pa­les­tras, workshops, tu­do ali­nha­do à hos­pe­da­gem no Txai. “Com o pro­gra­ma, qu­e­re­mos que os hós­pe­des dei­xem para trás as energias ne­ga­ti­vas”, diz Silva. Pro­gra­ma­ção edu­ca­ti­va

O Bro­tas Eco Re­sort, em Bro­tas (SP), ofe­re­ce uma pro­gra­ma­ção vol­ta­da às es­co­las, para que pos­sam en­si­nar na prá­ti­ca o con­teú­do abor­da­do em sa­la de au­la. “A es­co­la nos pas­sa o que os alu­nos es­tão es­tu­dan­do e ali­nha­mos as ati­vi­da­des de acor­do”, ex­pli­ca Ma­rí­lia Ra­bel­lo, ge­ren­te do em­pre­en­di­men­to.

Há uma sé­rie de pos­si­bi­li­da­des. No hotel há cri­a­ção de ani­mais, as cri­an­ças po­dem vi­si­tar fa­zen­das de ca­fé da re­gião, co­nhe­cer o ci­clo da água, en­tre ou­tros. Um dos di­fe­ren­ci­ais é a Fun­da­ção CEU – Cen­tro de Es­tu­dos do Uni­ver­so. “Te­mos 22 ati­vi­da­des no lo­cal, pla­ne­tá­rio com oi­to shows di­fe­ren­tes de­sen­vol­vi­dos pe­la fun­da­ção e ali­nha­dos à ba­se edu­ca­ci­o­nal, e um te­les­có­pio”, enu­me­ra Ma­rí­lia.

Em ge­ral, o Bro­tas Eco Re­sort re­ce­be es­co­las da re­gião e da ca­pi­tal pau­lis­ta. “O nú­me­ro de di­as que pas­sam no hotel va­ria, mas as de São Pau­lo cos­tu­mam fi­car co­nos­co cer­ca de três di­as”, diz Ma­rí­lia. “Al­gu­mas apro­vei­tam para le­var os alu­nos para pra­ti­car eco­tu­ris­mo em Bro­tas”, com­ple­ta.

O em­pre­en­di­men­to in­ves­tiu em aco­mo­da­ções para até 12 cri­an­ças, que con­tam com três ba­nhei­ros com chu­vei­ros ca­da. “Des­ta for­ma, os alu­nos po­dem pra­ti­car a in­te­gra­ção e a con­vi­vên­cia e es­se é um gran­de ga­nho para eles”, acre­di­ta. Atu­al­men­te, as hos­pe­da­gens vol­ta­das à edu­ca­ção pe­da­gó­gi­ca re­pre­sen­tam cer­ca de 60% da ocu­pa­ção do Bro­tas Eco Re­sort.

Txai Re­sort Ita­ca­ré (BA)

Ati­vi­da­des edu­ca­ci­o­nais

Os­car Inn Eco Re­sort (SP)

Bro­tas Eco Re­sort (SP)

Cam­po de fu­te­bol do Os­car Inn (SP)

VIP Wo­men Ex­pe­ri­en­ce, no Pon­ta dos Gan­chos (SC)

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.