Fer­nan­da Mon­te­ne­gro

A atriz con­ta co­mo foi sua par­ti­ci­pa­ção na sé­rie Nel­son - Por ele mes­mo, do Fan­tás­ti­co

Malu - - Entrevista -

Por que é im­por­tan­te man­ter o es­cri­tor Nel­son Ro­dri­gues ain­da fres­co na es­sên­cia da dra­ma­tur­gia?

“O Nel­son, quan­do vi­vo, do pon­to de vis­ta da dra­ma­tur­gia, era to­tal­men­te de­sa­cre­di­ta­do. De­pois que ele mor­reu, co­me­çou a ter um acer­to de con­tas com es­se ex­tra­or­di­ná­rio cri­a­dor bra­si­lei­ro, que é ti­do co­mo jor­na­lis­ta e cro­nis­ta es­por­ti­vo im­por­tan­te, além de um me­mo­ri­a­lis­ta, ape­sar de nin­guém cha­má-lo as­sim. As crô­ni­cas da vi­da do Nel­son são o Bra­sil, so­mos nós, se­res hu­ma­nos, ali.”

Co­mo foi di­ri­gir o Otá­vio Mül­ler nes­se pro­je­to?

“O que hou­ve, na ver­da­de, fo­ram con­ver­sas com o Otá­vio em tor­no do Nel­son, e tan­to so­zi­nhos quan­to com a equi­pe, co­lo­ca­mos na me­sa o que pen­sá­va­mos. Cha­mo es­sa sé­rie de ‘crô­ni­ca re­por­ta­gem’ por­que em tor­no da crô­ni­ca exis­te o jor­na­lis­ta Nel­son Ro­dri­gues no com­ple­xo do gru­po que or­ga­ni­zou tu­do. Hou­ve es­sa ideia de fa­zer de uma crô­ni­ca al­ta­men­te li­te­rá­ria e al­ta­men­te exis­ten­ci­al, so­ci­al ou até po­lí­ti­ca, uma in­tro­du­ção des­sa hu­ma­ni­da­de, des­sa trans­cen­dên­cia. Às ve­zes eu fa­lo pa­ra o Otá­vio: ‘faz is­so de no­vo’, mas não por es­tar er­ra­do, e sim por ter vá­ri­as pos­si­bi­li­da­des. Às ve­zes en­gas­gou aqui, tro­pe­çou ali, e fa­ze­mos is­so mais co­mo con­ver­sa do que co­mo di­re­ção. Pa­re­ce que a gen­te faz a nos­sa pro­fis­são co­mo qu­em diz: ‘va­mos à praia’, mas é um tra­ba­lho lou­co.”

Por que re­por­ta­gem?

“O no­me ‘re­por­ta­gem’ só veio por­que me sur­pre­en­di nu­ma con­ver­sa com o Otá­vio, que foi fil­ma­da, e fo­mos bus­car na Sô­nia Ro­dri­gues, fi­lha de­le, coi­sas so­bre o Nel­son, ain­da mais no ca­pí­tu­lo so­bre o fu­te­bol bra­si­lei­ro, en­tão, acho que no fundo é uma gran­de re­por­ta­gem so­bre um ho­mem ex­tra­or­di­ná­rio. Es­tou mui­to fe­liz de fi­nal­men­te en­con­trar o Otá­vio e ou­tros com­pa­nhei­ros pa­ra tra­ba­lhar em tor­no de Nel­son Ro­dri­gues, um ho­mem que, de­pois de mor­to, o Bra­sil acei­tou que é um gê­nio e que a mi­nha ge­ra­ção sem­pre sou­be que ele era.”

Co­mo foi a pre­pa­ra­ção?

“O en­saio é uma tro­ca de pro­pos­tas, de diá­lo­gos. Es­ta­mos to­tal­men­te sa­cra­men­ta­dos no pro­ces­so te­a­tral, en­tão nos­so tra­ba­lho nun­ca é de en­si­nar, e sim de tro­car pos­si­bi­li­da­des cê­ni­cas. Não tem um en­si­nan­do pa­ra o ou­tro. Não se po­de sa­cra­men­tar de ci­ma pra bai­xo, por­que a gen­te sa­be que não dá cer­to. É mui­to mais um en­con­tro cê­ni­co, se ti­vés­se­mos fei­to um es­pe­tá­cu­lo. Aqui exis­te um tra­ba­lho in­dus­tri­a­li­za­do, não é ar­te­sa­nal co­mo é fei­to no te­a­tro, mas não há in­ter­fe­rên­ci­as na lei­tu­ra, e sim mo­men­tos de con­ví­vio na lei­tu­ra. É co­mo quan­do vo­cê es­tá con­tan­do um ca­so, o ou­tro lem­bra de al­gu­ma coi­sa, con­ta, e vo­cê con­ti­nua con­tan­do o ca­so. Is­so é le­gal e al­go que eu ain­da não ti­nha vis­to.”

Vo­cê tem es­pe­ran­ça em re­la­ção à cul­tu­ra bra­si­lei­ra?

“Tu­do é cul­tu­ra. Vo­cê não ter sa­ne­a­men­to bá­si­co, não ter bo­as es­co­las, bons hos­pi­tais é um ti­po de cul­tu­ra. O que a gen­te co­me, lê, vê na TV é cul­tu­ra. A cul­tu­ra é o pró­prio país. To­do país que tem res­pei­to à sua cul­tu­ra nos di­ver­sos es­pa­ços é o país. En­quan­to o Bra­sil não en­ten­der is­so cul­tu­ral­men­te, vi­vi­do e aten­to, não te­re­mos no go­ver­no. Es­ses ho­mens que es­tão no go­ver­no fo­ram pos­tos lá pe­los nos­sos vo­tos, e eles co­lo­ni­za­ram o Bra­sil. É um go­ver­no que não nos per­ten­ce, e eles nem que­rem mes­mo que per­ten­ça, afi­nal, quan­to mais dis­tan­te do po­vo me­lhor. Há um país em Bra­sí­lia co­lo­ni­zan­do o Bra­sil mais que os por­tu­gue­ses, por­que pe­lo me­nos os por­tu­gue­ses ti­nham que atra­ves­sar o Atlân­ti­co.”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.