Bru­no Cabrerizo

Con­fi­ra de­ta­lhes de Iná­cio, o per­so­na­gem de Bru­no em Tem­po de Amar

Malu - - Entrevista -

O per­so­na­gem

“É um gran­de pra­zer pa­ra mim, e agra­de­ço ao Jay­me Mon­jar­dim (di­re­tor). Pas­sei 12 anos fo­ra do país e, de re­pen­te, es­tou sen­ta­do ao la­do de ato­res, au­tor e di­re­ção ma­ra­vi­lho­sos. Meu per­so­na­gem é um ra­paz mui­to tra­ba­lha­dor, que vai atrás de seus so­nhos. Ele se apai­xo­na pe­la Ma­ria Vi­tó­ria (Vi­tó­ria Stra­da), uma mo­ça mui­to à fren­te do seu tem­po. Ela diz: ‘Vai, faz a tua vi­da e vol­ta’, e ele vai em­bo­ra. Ape­sar da no­ve­la se pas­sar nos anos 1920, es­se é um te­ma mui­to atu­al. Nos tem­pos em que vi­ve­mos, fa­lar de amor é a me­lhor coi­sa que exis­te, e a nos­sa no­ve­la é tão bo­ni­ta, es­ta­mos pre­ci­san­do de uma coi­sa le­ve. Acre­di­to que es­se se­ja o mo­tor da nos­sa no­ve­la.”

Nu­an­ces de Iná­cio

“O Iná­cio so­fre um aci­den­te e é am­pa­ra­do pe­la Lu­cin­da (An­dréia Hor­ta). Ele con­ti­nua apai­xo­na­do pe­la Ma­ria Vi­tó­ria e de­pois men­tem pa­ra ele di­zen­do que o amor da vi­da de­le se ca­sou, foi pa­ra a Es­pa­nha, e fa­lou pa­ra ele nun­ca mais en­trar em con­ta­to. Cla­ro que no co­ra­ção do Iná­cio nas­ce uma gra­ti­dão por aque­la pes­soa que o sal­vou, que deu a ele casa e co­mi­da, e vi­ra um amor di­fe­ren­te do que ele tem pe­la Ma­ria Vi­tó­ria.”

Car­rei­ra de ator

“Eu era jo­ga­dor de fu­te­bol, jo­guei no Bra­sil até 2005 que foi quan­do de­ci­di ir pa­ra a Itá­lia. Jo­guei por um ano lá, e ini­ci­ei mi­nha for­ma­ção co­mo ator ao mes­mo tem­po em que tra­ba­lha­va co­mo mo­de­lo.

Após dois anos, co­me­cei a fa­zer os pri­mei­ros tra­ba­lhos co­mo ator. Em 2011, fui cha­ma­do pa­ra fa­zer a Dan­ça com as Es­tre­las na Itá­lia e uma no­ve­la também, até que sur­giu a opor­tu­ni­da­de de ir pa­ra Por­tu­gal. Pe­guei um pa­pel e lá as coi­sas acon­te­ce­ram ra­pi­da­men­te. Tra­ba­lhei em Por­tu­gal co­mo ator, apre­sen­ta­dor e também fiz a Dan­ça

com as Es­tre­las de Por­tu­gal. Es­tou me tor­nan­do ex­pert em dan­ça (ri­sos). Mui­tas pes­so­as me per­gun­tam se eu sem­pre quis vol­tar pa­ra o Bra­sil e tra­ba­lhar na Glo­bo, mas nun­ca pen­sei nisso. Quan­do me cha­ma­ram não acre­di­tei, acha­va que era uma brin­ca­dei­ra de mau gos­to. Che­guei aqui e fiz O Aven­tal

Ro­sa, do Jay­me Mon­jar­dim, que foi um tes­te pa­ra a no­ve­la ba­si­ca­men­te. Ele gos­tou e me fez o con­vi­te pa­ra a no­ve­la.”

Tra­ba­lhos co­mo mo­de­lo no Bra­sil

“Eu apo­sen­tei um pou­co o meu la­do mo­de­lo, en­tão quan­do fa­lam Bru­no Cabrerizo es­tão fa­lan­do do ator. Aliás, tra­ba­lhei com mui­tas ou­tras coi­sas, co­mo gar­çom e mo­to­ris­ta. Tra­ba­lhei também com

até de­ci­dir que com a mo­da eu te­ria mais tem­po livre, ga­nha­ria mais e con­se­gui­ria fa­zer mi­nha for­ma­ção com mais cal­ma.”

Tí­tu­lo de galã

“Eu não te­nho vai­da­de e isso não é hi­po­cri­sia. A parte boa de che­gar na Glo­bo aos 38 anos é que já te­nho uma vi­vên­cia e uma ma­tu­ri­da­de pa­ra cer­tas coi­sas não me des­lum­bra­rem. Pa­ra mim é ape­nas um pa­pel. An­tes do ró­tu­lo de galã, o pa­pel de pro­ta­go­nis­ta pa­ra mim é mais im­por­tan­te. Só que­ro fa­zer bem o meu tra­ba­lho, e mos­trar o mo­ti­vo pelo qual fui es­co­lhi­do.”

No­ve­las an­te­ri­o­res

“O fa­to de eu ter fei­to ou­tras coi­sas me dá ma­tu­ri­da­de pa­ra não ficar de na­riz em pé, pois isso aqui é um tra­ba­lho sé­rio e tem que ser le­va­do co­mo tal. Com re­la­ção à an­si­e­da­de te­nho uma coi­sa de qu­e­rer fa­zer bem. As crí­ti­cas vi­rão sem­pre, po­si­ti­vas ou ne­ga­ti­vas, e co­mo já so­fri crí­ti­cas an­tes, acho que faz parte do con­tex­to do que nós tra­ba­lha­mos. Quem de­ra eu po­der agra­dar to­do mun­do.”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.