Ca­ra de um, fo­ci­nho do outro

Malu - - Meu Pet, Minha Vida -

Mui­ta gen­te cos­tu­ma di­zer que os cães são a ca­ra do do­no! Afi­nal, é co­mum que mui­tos tu­to­res iden­ti­fi­quem di­ver­sas se­me­lhan­ças com seus ca­chor­ros, co­mo com­por­ta­men­to, re­a­ções, ma­ni­as, ex­pres­sões, en­tre ou­tros. O que pou­cos sa­bem, é que há ex­pli­ca­ções ci­en­tí­fi­cas pa­ra tan­ta se­me­lhan­ça.

Tem­pe­ra­men­to

Re­na­to Za­net­ti, zo­o­tec­nis­ta e es­pe­ci­a­lis­ta em com­por­ta­men­to ani­mal, ex­pli­ca que há al­guns fa­to­res que de­ter­mi­nam o tem­pe­ra­men­to do pet. São eles: ge­né­ti­ca, am­bi­en­te e apren­di­za­gem. Po­rém, mes­mo es­ses ele­men­tos sen­do de­ter­mi­nan­tes pa­ra a per­so­na­li­da­de do cão, eles não atu­am de ma­nei­ra pro­por­ci­o­nal.

O es­pe­ci­a­lis­ta ex­pli­ca que, se de uma ni­nha­da, vo­cê es­co­lheu um cão es­per­to, des­te­mi­do e brin­ca­lhão, con­se­quen­te­men­te ele tem uma ge­né­ti­ca mui­to ati­va. Se a sua fa­mí­lia é ani­ma­da, que sem­pre brin­ca com o cão, man­ten­do uma in­te­ra­ti­vi­da­de cons­tan­te com o pet, ele também te­rá o fa­tor am­bi­en­te, que faz com que ele con­ti­nue elé­tri­co. Lo­go, o cão apren­de que sem­pre que fi­zer uma “ba­gun­ci­nha” ele te­rá in­te­ra­ções e bons mo­men­tos com os mem­bros da fa­mí­lia.

Des­ta for­ma, o cão con­ta com a si­ner­gia dos três ele­men­tos de­ter­mi­nan­tes pa­ra o seu com­por­ta­men­to, (ge­né­ti­ca, am­bi­en­te e apren­di­za­gem) e ad­qui­ri ca­rac­te­rís­ti­cas se­me­lhan­tes ao do do­no”, afir­ma Za­net­ti.

Ou­tros com­por­ta­men­tos

O es­pe­ci­a­lis­ta res­sal­ta, ain­da, que es­se mes­mo cão ge­ne­ti­ca­men­te ati­vo po­de ter outro ti­po de com­por­ta­men­to, de acor­do com di­fe­ren­tes am­bi­en­tes e per­fis de do­nos. “Ima­gi­ne que es­te mes­mo cão vá mo­rar nu­ma casa com um ca­sal de ido­sos, com bai­xa in­te­ra­ção fí­si­ca e pou­ca in­te­ra­ti­vi­da­de. To­da vez que o cão fi­ca qui­e­ti­nho no co­lo e no so­fá, en­quan­to o ca­sal as­sis­te TV, por exem­plo, ele re­ce­be ca­ri­nho e ou­tros es­tí­mu­los. O am­bi­en­te é o mais pa­ca­to possível e o cão apren­de que sem­pre há uma re­com­pen­sa quan­do es­tá cal­mo. Ele é o mes­mo cão ge­ne­ti­ca­men­te ati­vo, mas em am­bi­en­tes e apren­di­za­gens di­fe­ren­tes”, afir­ma Za­net­ti.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.