Pa­po ín­ti­mo

Cin­co ver­da­des so­bre vo­cê, sua cal­ci­nha e a saú­de fe­mi­ni­na

Malu - - Saúde Da Mulher -

Mui­tas mu­lhe­res ain­da têm dú­vi­das so­bre co­mo cui­dar da re­gião ge­ni­tal. Pa­ra evi­tar que as mu­lhe­res so­fram em si­lên­cio com des­con­for­tos, a gi­ne­co­lo­gis­ta Patricia Va­rel­la der­ru­ba mi­tos e ta­bus so­bre os cui­da­dos com a re­gião ín­ti­ma.

1 La­ve su­as cal­ci­nhas à mão

Por mais que os mo­de­los ou­sa­dos se­jam in­te­res­san­tes, a me­lhor op­ção de cal­ci­nha é a de al­go­dão, de cor cla­ra (pois per­mi­te ob­ser­var me­lhor quan­do sur­gem cor­ri­men­tos) e que se­ja la­va­da à mão, no chu­vei­ro mes­mo, e dei­xar se­car ao ar livre. Má­qui­nas de la­var e se­ca­do­ras não são recomendadas por­que mis­tu­ram a cal­ci­nha com ou­tras pe­ças su­jas e ain­da po­dem da­ni­fi­car a pe­ça.

2Fu­ja do pro­te­tor diário

Pa­re­ce con­tra­di­tó­rio, mas é jus­ta­men­te o uso fre­quen­te que tor­na es­se ab­sor­ven­te um ini­mi­go da re­gião ín­ti­ma. Seu ma­te­ri­al tor­na o am­bi­en­te aba­fa­do e pro­pen­so às bac­té­ri­as. Pa­ra li­dar com o incô­mo­do das se­cre­ções (que são nor­mais), é me­lhor tro­car de cal­ci­nha, pois a va­gi­na pre­ci­sa res­pi­rar!

3Sa­bo­ne­te co­mum: ali não!

Por mais chei­ro­so que se­ja o sa­bo­ne­te co­mum, ele não de­ve ser usa­do na re­gião ín­ti­ma, pois pos­sui in­gre­di­en­tes que po­dem al­te­rar o Ph va­gi­nal, au­men­tan­do o ris­co de con­ta­ mi­na­ção por fun­gos ou bac­té­ri­as. Pi­or ain­da os bac­te­ri­ci­das, que ma­tam a flo­ra que te­mos na re­gião e que aju­dam a man­ter a saú­de in­ti­ma. Já os sa­bo­ne­tes ín­ti­mos têm fór­mu­las es­pe­cí­fi­cas pa­ra a re­gião, com in­gre­di­en­tes que man­têm o equi­lí­brio da flo­ra va­gi­nal. Na fal­ta de um sa­bo­ne­te ín­ti­mo, la­ve só com água.

4Odo­res: pre­ve­nir é me­lhor que re­me­di­ar

Aten­ção: odo­res for­tes e per­sis­ten­tes po­dem ser si­nal de do­en­ça. Mas pa­ra evi­tar a for­ma­ção de odo­res de­sa­gra­dá­veis na re­gião ín­ti­ma, a me­lhor for­ma é man­ter uma boa hi­gi­e­ne diá­ria no ba­nho. Po­rém, ain­da as­sim, ao lon­go do dia, a re­gião per­de o fres­cor e trans­pi­ra, por isso o odor po­de in­co­mo­dar. Nes­sas ho­ras, va­le re­cor­rer a um de­so­do­ran­te ín­ti­mo, que evi­ta a for­ma­ção de odo­res, pa­ra se sen­tir mais fres­ca até o pró­xi­mo ba­nho.

5Co­nhe­cer a va­gi­na é ques­tão de saú­de

Mui­tas mu­lhe­res ain­da não sa­bem hi­gi­e­ni­zar cor­re­ta­men­te a re­gião va­gi­nal, pois pre­ci­sam apren­der de­ta­lhes de sua ana­to­mia. É fun­da­men­tal que a mu­lher co­nhe­ça o pró­prio cor­po, iden­ti­fi­que seus chei­ros na­tu­rais (in­clu­si­ve pa­ra no­tar quan­do eles se al­te­ram, in­di­can­do al­gum si­nal de anor­ma­li­da­de, co­mo uma in­fec­ção) e que fi­que à von­ta­de pa­ra lim­par e se to­car, tor­nan­do a hi­gi­e­ne mais na­tu­ral e cons­ci­en­te.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.