Tony Ra­mos

O ve­te­ra­no fa­la so­bre a vi­da e a arte de fazer no­ve­las

Malu - - Entrevista -

De­ta­lhes da tra­ma

“A no­ve­la é um gran­de con­fli­to em que as pes­so­as tor­cem no dia se­guin­te para aqui­lo que vem. Te­mos fo­lhe­tim, co­mé­dia e re­fle­xão so­bre o amor. Tem uma fra­se que diz mui­to: ‘Ah se ela adi­vi­nhas­se, se ela pu­des­se ou­vir o meu olhar’. Es­tou re­cor­ren­do a po­e­si­as, não que te­nham a ver com meu per­so­na­gem, mas tem a ver com Tem­po

de Amar. En­fim!”

Cons­tru­ção do per­so­na­gem

“Eu não li na­da, ape­nas me ate­nho ao tex­to que me che­ga, e nas en­tre­li­nhas des­se tex­to. Na mi­nha úl­ti­ma no­ve­la de aven­tu­ra, que foi A Re­gra do Jo­go, eu não fui em ne­nhum pre­sí­dio vi­si­tar nin­guém, eu fa­zia o que es­ta­va es­cri­to. Sou mui­to aten­to ao que vem es­cri­to, às ru­bri­cas do au­tor que vêm es­cri­tas do la­do es­quer­do do tex­to e às en­tre­li­nhas. As vír­gu­las, mui­tas ve­zes, falam mais que aber­tu­ra e en­cer­ra­men­to de uma fra­se.”

História de amor para es­que­cer dos pro­ble­mas

“Du­ran­te a pri­mei­ra e a se­gun­da gu­er­ra mun­di­al, a Bro­adway era um gran­de su­ces­so. As pes­so­as bus­ca­vam um res­pi­ro, pre­ci­sa­vam dis­so. Re­fle­tir so­bre o amor é al­go que acon­te­ce em to­das as épo­cas. As pes­so­as bus­cam amor há mi­lê­ni­os, não im­por­tan­do o que es­tá acon­te­cen­do à sua vol­ta. De al­gu­ma for­ma, as pes­so­as es­tão sem­pre a dis­cu­tir seus pro­ble­mas, mas o amor tem que per­me­ar is­so. Mui­ta gen­te brin­ca co­mi­go por­que não te­nho re­des so­ci­ais, mas eu qu­e­ro tem­po para amar, para brin­car com os ca­chor­ros, para con­ver­sar. Dis­cu­tir o amor é um bál­sa­mo e o pú­bli­co cla­ma por is­so.”

No­vas for­mas de fazer no­ve­la

“Des­de a épo­ca da TV Tu­pi, con­tá­va­mos his­tó­ri­as com a in­ge­nui­da­de do amor im­pos­sí­vel, co­mo o ro­man­ce da em­pre­ga­da apai­xo­na­da pe­lo pa­trão, ou do mo­to­ris­ta apai­xo­na­do pe­la mi­li­o­ná­ria. Em 1970, as pes­so­as di­zi­am que as no­ve­las ro­mân­ti­cas es­ta­vam com os di­as con­ta­dos. Quan­do a cen­su­ra di­mi­nuiu no fim da dé­ca­da de 80, di­zi­am que as no­ve­las es­ta­vam for­tes de­mais. Mu­dou­se o jei­to de fazer te­le­vi­são, mas ain­da exis­te es­pa­ço para his­tó­ri­as bem con­ta­das. Eu não abro mão de três pon­tos prin­ci­pais em uma história: amor, pai­xão e sus­pen­se. As­sis­to a vá­ri­as sé­ri­es, e é te­le­dra­ma­tur­gia as­sim co­mo no­ve­la. Eu ado­ro fazer no­ve­la e nun­ca ti­ve um olhar bla­sé para ela, por­que é a mai­or iden­ti­da­de cul­tu­ral bra­si­lei­ra. Uma história bem con­ta­da vai ter sem­pre es­pa­ço.”

Renovação dos ato­res

“A renovação não acon­te­ce por­que es­que­ce­ram dos an­ti­gos. As no­ve­las ain­da vão pre­ci­sar do ti­tio, do vovô, do bi­savô. O fa­to de eu ain­da ter con­tra­to fi­xo é que en­quan­to a Globo qui­ser, eu vou fi­can­do. A mi­nha vi­da é o meu tra­ba­lho. O im­por­tan­te do ser hu­ma­no é sa­ber en­ten­der su­as ida­des, seus mo­men­tos. Co­mo não ti­ve cri­se aos 30, 40, 50, aos 60 nem pen­sar, en­tão, a vi­da se­gue. O jo­vem que che­ga é mui­to bem-vin­do e o tem­po é quem vai di­zer se ele vai fi­car ou não. A pes­soa pode não ter ex­pe­ri­ên­cia, vi­vên­cia, mas to­do ta­len­to é bem-vin­do. Os mais an­ti­gos tam­bém es­ta­rão tra­ba­lhan­do e pos­so lhe ga­ran­tir is­so.”

Tem­po para as­sis­tir às no­ve­las

“Eu as­sis­to tu­do, e gra­vo o que não pos­so ver. Ou­tro dia eu es­ta­va tra­ba­lhan­do e não pu­de ver A Arte

do En­con­tro, que é um pro­gra­ma que es­tou gra­van­do e que es­tá no se­gun­do ano que eu apre­sen­to. Eu gra­vei e vi de­pois. Eu acom­pa­nho, qu­e­ro sa­ber tu­do. Sou um ho­mem an­te­na­do com meu tem­po, com meu tra­ba­lho. Vou ao cinema, saio com mi­nha mu­lher, na­mo­ro, bei­jo meus ne­tos, bei­jo o ca­chor­ro, vi­da nor­mal. O ator tem que sa­ber o que ro­la, tem que es­tar aten­to.”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.