Co­mo su­pe­rar a mor­te do pet

Malu - - Meu Pet, Minha Vida -

Para mui­tas pes­so­as, a mor­te do pet é al­go de­vas­ta­dor. Se­gun­do Ma­ri­na Bu­e­no, ve­te­ri­ná­ria da Ani­mal Pla­ce, quan­do o óbi­to ocor­re por mo­ti­vo de do­en­ça e o ani­mal já es­ta­va pas­san­do por al­gum tra­ta­men­to, a acei­ta­ção aca­ba sen­do mais rá­pi­da. Quan­do o qua­dro do ani­mal evo­lui de for­ma crí­ti­ca e o prog­nós­ti­co vai dei­xan­do de ser fa­vo­rá­vel, es­se é o mo­men­to em que o tu­tor co­me­ça se pre­pa­rar para a des­pe­di­da”, afir­ma.

Me­di­das ne­ces­sá­ri­as

Ma­ri­na ain­da ex­pli­ca que al­gu­mas do­en­ças são al­ta­men­te in­fec­ci­o­sas, co­mo a ci­no­mo­se e a par­vo­vi­ro­se. Em ca­sos co­mo es­tes, é ne­ces­sá­rio se des­fa­zer de to­dos os per­ten­ces do ani­mal. “Sem­pre pe­ça ori­en­ta­ção para um ve­te­ri­ná­rio. De­pen­den­do da do­en­ça, tam­bém é pre­ci­so re­a­li­zar uma de­sin­fec­ção no am­bi­en­te em que ele vi­via e, às ve­zes, evi­tar man­ter ou­tros ani­mais no lo­cal por um tem­po”, diz. “Em ou­tros ca­sos, não exis­te o mo­men­to cer­to para se des­fa­zer des­ses itens, mas quan­do o tu­tor es­ti­ver pre­pa­ra­do, a do­a­ção para ou­tros ani­mais é uma ação mui­to bem-vin­da”,fi­na­li­za a pro­fis­si­o­nal.

Aten­ção com as cri­an­ças e ou­tros pets

A ve­te­ri­ná­ria Ta­ti­a­na Zu­nin­ga te­ve uma per­da re­cen­te e, além de li­dar com a tris­te­za, te­ve que aju­dar no lu­to do seu fi­lho Matheus, de 5 anos. “Eu ti­ve que ser rá­pi­da e lo­go pe­guei ou­tro cão­zi­nho. Ex­pli­quei ao meu fi­lho que era ir­mã da Funny - nos­sa ca­chor­ri­nha que mor­reu - e que ela sem­pre es­ta­rá no céu olhan­do por nós. A mi­nha ou­tra ca­chor­ra tam­bém sen­tiu mui­to e co­me­çou a ter que­da de pe­los e co­cei­ras”, co­men­ta Ta­ti­a­na.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.