Seu di­rei­tos União es­tá­vel

Malu - - Relacionamento -

A Cons­ti­tui­ção Fe­de­ral não dis­tin­gue o ca­sa­men­to tra­di­ci­o­nal da união es­tá­vel. Am­bas são con­si­de­ra­das co­mo en­ti­da­des fa­mi­li­a­res, pos­suin­do o mes­mo sta­tus. O ad­vo­ga­do Mar­cos Ber­nar­di­ni fa­la mais so­bre es­ta mo­da­li­da­de e os di­rei­tos que a união es­tá­vel ga­ran­te ao ca­sal.

O que é

“A união es­tá­vel é re­la­ção de con­vi­vên­cia en­tre du­as pes­so­as, cu­jo ob­je­ti­vo é cons­ti­tuir fa­mí­lia. Não há pra­zo mí­ni­mo de con­vi­vên­cia en­tre as pes­so­as para que es­ta se­ja con­si­de­ra­da união es­tá­vel. Tam­bém não é ne­ces­sá­rio mo­rar na mes­ma ca­sa para ser re­co­nhe­ci­da a união es­tá­vel. Para que se re­co­nhe­ça a união, é ne­ces­sá­rio de­mons­trar que ela é du­ra­dou­ra, pú­bli­ca e com ob­je­ti­vo de cons­ti­tuir fa­mí­lia.”

Ca­sar ou unir?

“A for­ma­ção do ca­sa­men­to ci­vil de­ve ser fei­ta por meio de juiz de paz ou de di­rei­to e a ex­tin­ção, por meio de es­cri­tu­ra pú­bli­ca em ta­be­li­o­na­do de notas ou ação ju­di­ci­al. Atu­al­men­te, a úni­ca di­fe­ren­ça, fo­ra a for­ma­li­da­de, é que na união es­tá­vel não há al­te­ra­ção do es­ta­do ci­vil, ou se­ja, os com­pa­nhei­ros con­ti­nu­am sen­do con­si­de­ra­dos sol­tei­ros.”

Di­rei­tos

“Quem con­vi­ve em união es­tá­vel tem di­rei­to à in­clu­são do com­pa­nhei­ro em pla­no de saú­de; pos­si­bi­li­da­de de aber­tu­ra de con­ta con­jun­ta em ban­cos; re­a­li­za­ção de fi­nan­ci­a­men­tos em con­jun­to; par­ti­ci­pa­ção do com­pa­nhei­ro nos bens co­muns do ca­sal, ad­qui­ri­do na cons­tân­cia da união de for­ma one­ro­sa; pos­si­bi­li­da­de de pe­dir pen­são ali­men­tí­cia um ao ou­tro, ca­so um de­les não te­nha con­di­ções fi­nan­cei­ras para ar­car com as ne­ces­si­da­des bá­si­cas após a se­pa­ra­ção; com a mor­te de um dos com­pa­nhei­ros, o so­bre­vi­ven­te tem di­rei­to ha­bi­ta­ção so­bre o imó­vel do ca­sal, en­tre ou­tros.”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.