Mu­lhe­res em fo­co

Malu - - História De Vida -

Co­nhe­ça o tra­ba­lho de Cá­tia Da­mas­ce­no, a sal­va­do­ra de au­to­es­ti­ma e re­la­ci­o­na­men­tos N es­ta edi­ção co­me­mo­ra­ti­va, es­co­lhe­mos uma de nos­sas fon­tes ha­bi­tu­ais para con­tar sua história pra vo­cê! Cá­tia Da­mas­ce­no é cri­a­do­ra do pro­gra­ma Mu­lhe­res Bem Re­sol­vi­das, es­pe­ci­a­lis­ta em se­xu­a­li­da­de, fi­si­o­te­ra­peu­ta e es­pe­ci­a­lis­ta em uro­gi­ne­co­lo­gia, além de co­man­dar o mai­or ca­nal de re­la­ci­o­na­men­tos e se­xu­a­li­da­de do You­tu­be com o mes­mo no­me.

Aju­da às mu­lhe­res

Em seus ví­de­os, Cá­tia en­si­na exer­cí­ci­os para o as­so­a­lho pél­vi­co, in­cluin­do o fa­mo­so pom­po­a­ris­mo, fa­la so­bre au­to­es­ti­ma, e já aju­dou mi­lha­res de mu­lhe­res a va­lo­ri­za­rem a se­xu­a­li­da­de para ter uma vi­da mais fe­liz. “Quan­do eu cri­ei o Mu­lhe­res Bem Re­sol­vi­das, me dei con­ta de que es­ta­va fa­ci­li­tan­do o ca­mi­nho de mu­lhe­res em si­tu­a­ções pa­re­ci­das com as que eu ti­nha vi­vi­do”, re­su­me. Ho­je, o pro­gra­ma on-line con­ta com 4 mi­lhões de vi­su­a­li­za­ções men­sais, sen­do con­si­de­ra­do o mai­or ca­nal de se­xu­a­li­da­de e re­la­ci­o­na­men­to do You­Tu­be. Para mos­trar co­mo che­gou nes­te pon­to, a es­pe­ci­a­lis­ta con­ta um pou­co de sua história.

Era uma vez...

Quem vê Cá­tia bem ves­ti­da e ele­gan­te aos 41 anos de ida­de não ima­gi­na que ela já pas­sou por vá­ri­os pro­ble­mas de au­to­es­ti­ma. “Eu me ca­sei com 21 anos, achan­do que nin­guém mais ia me que­rer. Me acha­va feia e só usa­va rou­pas que co­bri­am o cor­po”, con­ta. Pou­cos anos após o pri­mei­ro fi­lho, veio o di­vór­cio. Mas, an­tes dis­so, Cá­tia con­se­guiu se es­pe­ci­a­li­zar em uro­gi­ne­co­lo­gia, gra­ças a ati­tu­des de in­de­pen­dên­cia com as quais o ma­ri­do, opres­si­vo e con­tro­la­dor, não con­cor­da­va. “Não sei o que deu em mim, mas co­me­cei a en­fren­tá-lo e saía de ca­sa mes­mo quan­do ele não per­mi­tia”, re­la­ta. Afi­nal, ne­nhum ho­mem de­ve de­ter­mi­nar quan­do a mu­lher pode ou não sair de ca­sa.

Vi­da no­va

Aos pou­cos, Cá­tia cres­ceu co­mo fi­si­o­te­ra­peu­ta e des­co­briu que os exer­cí­ci­os para o as­so­a­lho pél­vi­co me­lho­ra­vam, além do pro­ces­so de re­cu­pe­ra­ção pós-par­to, a qua­li­da­de do se­xo. “Mui­tas mu­lhe­res co­me­ça­ram a me pe­dir au­las de pom­po­a­ris­mo, já que eu ti­nha to­do o co­nhe­ci­men­to para is­so”, con­ta. “Co­me­cei a es­tu­dar para me co­nhe­cer me­lhor: fiz cur­so de strip­te­a­se e mas­sa­gem, e já pra­ti­ca­va pom­po­a­ris­mo an­tes mes­mo de va­lo­ri­zar os be­ne­fí­ci­os de­le para a se­xu­a­li­da­de”, ex­pli­ca.

Sur­gi­men­to do pro­gra­ma

No co­me­ço de sua jor­na­da, a es­pe­ci­a­lis­ta se en­con­tra­va com mu­lhe­res que bus­ca­vam por mais au­to­co­nhe­ci­men­to e au­to­es­ti­ma para con­se­guir dar e re­ce­ber mais pra­zer na vi­da se­xu­al. “Quan­do uma mu­lher me­lho­ra sua au­to­es­ti­ma por meio da se­xu­a­li­da­de, ela pas­sa a olhar para si mes­ma com no­vos olhos”, re­la­ta. Seu pú­bli­co foi cres­cen­do, e Cá­tia cri­ou, em 2015, o blog Mu­lhe­res Bem Re­sol­vi­das, para que mu­lhe­res de to­do o Brasil pu­des­sem abor­dar to­do e qual­quer as­sun­to de for­ma aber­ta, le­ve, bem-hu­mo­ra­da e com mui­ta in­for­ma­ção. A es­pe­ci­a­lis­ta des­ta­ca a im­por­tân­cia de que mais mu­lhe­res se­jam bem re­sol­vi­das con­si­go mes­mas. “Quan­do ela vi­ve me­lhor su­as pai­xões e se sen­te bem com seu cor­po e sua vi­da, a mu­lher faz seu mun­do gi­rar e ven­ce to­dos os pre­con­cei­tos”, fi­na­li­za.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.