Ti­pos de me­ta­bo­lis­mo

Malu - - Entenda! -

N a ho­ra de ema­gre­cer, mui­to se fa­la so­bre o me­ta­bo­lis­mo de ca­da pes­soa. Mas, afi­nal, o que is­so sig­ni­fi­ca? Pa­trí­cia Cruz, nu­tri­ci­o­nis­ta com­por­ta­men­tal, ex­pli­ca que me­ta­bo­lis­mo pode ser en­ten­di­do co­mo to­da re­a­ção bi­oquí­mi­ca que ocor­re no in­te­ri­or da cé­lu­la, ge­ran­do ca­lor. A ve­lo­ci­da­de do me­ta­bo­lis­mo va­ria de uma pes­soa para ou­tra de­vi­do à in­fluên­cia da ida­de, gê­ne­ro, com­po­si­ção cor­po­ral (pe­so, es­ta­tu­ra, mas­sa mus­cu­lar e mas­sa ma­gra), ní­vel de ati­vi­da­de fí­si­ca e há­bi­tos ali­men­ta­res.

A ida­de e a in­fluên­cia do me­ta­bo­lis­mo

A ida­de pos­sui gran­de in­fluên­cia so­bre o me­ta­bo­lis­mo. Há cri­an­ças que apre­sen­tam ta­xas me­ta­bó­li­cas (ener­gia ne­ces­sá­ria para o cor­po fun­ci­o­nar) bem mai­o­res que os adul­tos e es­tes mai­o­res que os ido­sos. Umas das ex­pli­ca­ções para is­so é a di­mi­nui­ção da glân­du­la ti­re­oi­di­a­na que ocor­re ao lon­go dos anos de vi­da, di­mi­nuin­do a ta­xa me­ta­bó­li­ca e, tam­bém, as al­te­ra­ções hor­mo­nais de com­po­si­ção cor­po­ral: além do es­ti­lo de vi­da (há­bi­tos ali­men­ta­res, prá­ti­ca de ati­vi­da­de fí­si­ca) e da uti­li­za­ção de me­di­ca­ção. En­tre 20 e 30 anos, os hormô­ni­os em am­bos os gê­ne­ros es­tão mais ati­vos. A mu­lher es­tá em ida­de fér­til, ou se­ja, há mais mas­sa mus­cu­lar, me­nos te­ci­do adi­po­so e prá­ti­ca de ati­vi­da­de fí­si­ca. Ao che­gar aos 40 anos, ini­ci­am-se as al­te­ra­ções hor­mo­nais, prin­ci­pal­men­te na mu­lher, mu­dan­ça na com­po­si­ção cor­po­ral, per­da de mas­sa mus­cu­lar, ga­nho de te­ci­do adi­po­so, hormô­ni­os ir­re­gu­la­res e cli­ma­té­rio. No ho­mem, es­sas mu­dan­ças tam­bém ocor­rem, po­rém, após os 50 anos há a an­dro­pau­sa, mas­sa mus­cu­lar di­mi­nu­ta as­so­ci­a­da à de­pres­são da glân­du­la ti­re­oi­di­a­na que ocor­re ao lon­go da fa­se adul­ta.

Ali­men­ta­ção X me­ta­bo­lis­mo

O há­bi­to ali­men­tar ir­re­gu­lar sem­pre fa­la­rá mais al­to no in­su­ces­so da re­du­ção de pe­so. “Não há pes­so­as com me­ta­bo­lis­mo len­to, há pes­so­as com o me­ta­bo­lis­mo pró­prio de ca­da cor­po, de acor­do com o pe­so, es­ta­tu­ra e ida­de. Por­tan­to, não de­ve ser con­si­de­ra­do co­mo len­to”, in­for­ma Pa­trí­cia. A obe­si­da­de, por exem­plo, é uma do­en­ça com­ple­xa com múl­ti­plos fa­to­res cau­sais re­la­ci­o­na­dos a ge­né­ti­ca, es­ti­lo de vi­da e o emo­ci­o­nal. Sen­do as­sim, não exis­te me­ta­bo­lis­mo “mais len­to”. De acor­do com a nu­tri­ci­o­nis­ta, o ide­al é apren­der a fazer es­co­lhas ali­men­ta­res mais ade­qua­das que con­se­quen­te­men­te re­du­zam o pe­so. “Al­gu­mas prá­ti­cas, co­mo re­gu­la­ri­zar o ho­rá­rio de acor­dar e dor­mir, man­ter as re­fei­ções no mes­mo ho­rá­rio e man­ter uma ro­ti­na de ati­vi­da­de fí­si­ca, au­xi­li­am no equi­lí­brio do me­ta­bo­lis­mo”, fi­na­li­za.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.