Se­ja mais vo­cê!

Fa­ça co­mo Ni­ce, da no­ve­la das no­ve, que saiu da de­pen­dên­cia do ma­ri­do e en­ten­deu o seu va­lor!

Malu - - Nossa capa - Tex­to Da­ni­e­la An­dri­o­li

Du­ran­te to­da a tra­ma Se­gun­do Sol, vi­mos Ni­ce (Kelzy Ecard) sen­do hu­mi­lha­da de for­ma cru­el por Age­nor (Ro­ber­to Bon­fim), seu ma­ri­do ma­chis­ta e con­tro­la­dor. Po­rém, na re­ta fi­nal da no­ve­la, com a aju­da das fi­lhas Mau­ra (Nan­da Cos­ta) e Ro­sa (Le­ti­cia Co­lin), ela con­se­guiu en­ten­der seu va­lor e dar a vol­ta por ci­ma. A fic­ção nos mos­tra a im­por­tân­cia des­sa vi­ra­da fe­mi­ni­na na so­ci­e­da­de, cha­ma­da de em­po­de­ra­men­to, em que mu­lhe­res bri­gam por po­si­ções iguais no mer­ca­do de tra­ba­lho e tam­bém exi­gem res­pei­to de seus par­cei­ros den­tro de ca­sa. Pa­ra dei­xar vo­cê por den­tro des­se as­sun­to tão im­por­tan­te, Ma­lu ba­teu um pa­po com De­bo­ra Damasceno, di­re­to­ra da Es­co­la de Psi­ca­ná­li­se de São Pau­lo.

En­ten­da um re­la­ci­o­na­men­to abu­si­vo

“É to­do aque­le que opri­me o ou­tro de al­gu­ma for­ma, se­ja com im­po­si­ções ver­bais que di­mi­nu­em a pes­soa, que hu­mi­lham, ou ati­tu­des que im­pe­çam que a pes­soa exer­ça o seu di­rei­to de li­ber­da­de. Mui­tas ve­zes a mu­lher es­tá em um re­la­ci­o­na­men­to abu­si­vo e não per­ce­be, por­que acha nor­mal que o ou­tro a de­pre­cie com pe­que­nos co­men­tá­ri­os ou que a con­tro­le. A lon­go pra­zo is­so po­de evo­luir pa­ra agres­são ver­bal e até fí­si­ca. Mui­tos abu­sa­do­res di­zem con­tro­lar pa­ra pro­te­ger, po­rém, o con­tro­le não é uma ma­nei­ra sau­dá­vel de pro­te­ção a um adul­to”, ori­en­ta.

Pri­mei­ros passos

Após vi­ve­rem um re­la­ci­o­na­men­to abu­si­vo, em que ficam com a au­to­es­ti­ma aba­la­da, mui­tas mu­lhe­res não sa­bem por on­de co­me­çar a en­ten­der seu re­al va­lor. Por is­so, De­bo­ra dá a di­ca: “É pre­ci­so se amar aci­ma de tu­do e se per­do­ar! As ví­ti­mas de abu­so nor­mal­men­te sen­tem cul­pa, prin­ci­pal­men­te quan­do o abu­sa­dor é pu­ni­do e quan­do há fi­lhos en­vol­vi­dos na equa­ção. Per­do­ar-se é mui­to im­por­tan­te, as­sim co­mo en­ten­der que a ví­ti­ma nun­ca tem cul­pa”. Após ab­sor­ver es­ses pon­tos, é pre­ci­so dar iní­cio ao pro­ces­so de em­po­de­ra­men­to por meio do amor-pró­prio e do au­to­co­nhe­ci­men­to. “Nes­ta fa­se, po­der aju­dar ou­tras pes­so­as que es­tão pas­san­do pe­lo que a ví­ti­ma pas­sou po­de aju­dar mui­to! Sen­tir-se útil e en­xer­gar-se co­mo um exem­plo a ser se­gui­do é um pas­so im­por­tan­te pa­ra que a mu­lher per­sis­ta e se sin­ta me­lhor de den­tro pa­ra fo­ra”, co­men­ta.

Des­cu­bra-se!

Pas­sar da fa­se do re­la­ci­o­na­men­to abu­si­vo pa­ra seu to­tal em­po­de­ra­men­to po­de ser um pro­ces­so de­mo­ra­do, en­tão, não se co­bre de­mais. “Bus­que aju­da, fa­ça te­ra­pia, es­ti­pu­le pe­que­nas mu­dan­ças ex­ter­nas e in­ter­nas, trace ob­je­ti­vos de cur­to pra­zo pa­ra que, a lon­go pra­zo vo­cê en­ten­da que o ca­mi­nho va­leu a pe­na”, ori­en­ta a es­pe­ci­a­lis­ta.

Na prá­ti­ca!

• Leia li­vros ou de­poi­men­tos de pes­so­as que es­ta­vam em si­tu­a­ções pa­re­ci­das com a sua e ins­pi­re-se nes­sas his­tó­ri­as pa­ra sa­ber que é pos­sí­vel mu­dar.

• Es­tu­de! Fa­zer cur­sos, se­jam eles teó­ri­cos ou prá­ti­cos, é um ca­mi­nho im­por­tan­te pa­ra que vo­cê se des­cu­bra e pos­sa rea- li­zar coi­sas que im­pac­tem os ou­tros a sua vol­ta. Lem­bre-se: o co­nhe­ci­men­to abre as por­tas da au­to­es­ti­ma!

• Não se cul­pe! Vo­cê é a ví­ti­ma: acei­te es­se fa­to! En­ten­der- se co­mo ví­ti­ma é sa­ber que nem sem­pre de­pen­de de vo­cê sair de uma si­tu­a­ção, por­que mui­tas ve­zes a pri­são de um re­la­ci­o­na­men­to abu­si­vo tor­na a li­ber­ta­ção pra lá de com­ple­xa. Va­lo­ri­ze a sua ati­tu­de de que­rer sair e nun­ca pen­se que po­de­ria ter saí­do an­tes. Vo­cê se li­ber­tou na ho­ra cer­ta e as fe­ri­das do pas­sa­do vão ser o lem­bre­te do que vo­cê pre­ci­sa e quer no seu fu­tu­ro.

• Bus­car te­ra­pia com um psi­ca­na­lis­ta es­pe­ci­a­li­za­do e que ins­pi­re con­fi­an­ça é fun­da­men­tal nes­sa fa­se.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.