‘V

Meiahora - RJ - - POLÍCIA -

io­len­tos’. As­sim o de­le­ga­do Fá­bio Ba­ruc­ke des­cre­veu o per­fil dos po­li­ci­ais mi­li­ta­res que in­te­gra­vam o es­que­ma de pro­pi­na no 7º BPM. Uma das prin­ci­pais ati­vi­da­des dos PMs era se­ques­trar tra­fi­can­tes “maus pa­ga­do­res”. De acor­do com o res­pon­sá­vel pe­la DHNISG, man­ter os cri­mi­no­sos em seu po­der era uma for­ma de mos­trar for­ça e re­ce­ber mais rá­pi­do o di­nhei­ro da pro­pi­na. As re­com­pen­sas che­ga­vam a cus­tar mais de R$ 10 mil aos ban­di­dos.

“Foi ve­ri­fi­ca­do que há pe­lo me­nos três re­gis­tros de se­ques­tros e, qu­an­do fal­ta­va di­nhei­ro do arrego, es­ta era a for­ma de re­ce­ber mais rá­pi­do e mos­trar for­ça, de­mons­tran­do que eles não acei­ta­vam ina­dim­plên­cia. Eles co­bra­vam um va­lor aci­ma do li­mi­te”, afir­mou Ba­ruc­ke, acres­cen­tan­do ain­da que as guar­ni­ções in­sa­tis­fei­tas com o bai­xo pa­ga­men­to fei­to pe­lo trá­fi­co tam­bém ven­di­am ar­mas, fru­tos de es­pó­lio de guer­ra (ar­mas ou dro­gas apre­en­di­das em con­fron­tos, que não eram apre­sen-

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.