Quer tro­car o pre­sen­te?

Con­su­mi­do­res pre­ci­sam co­nhe­cer seus di­rei­tos na ho­ra de vol­tar pa­ra a lo­ja

Meiahora - RJ - - SERVIÇOS - KARINA FER­NAN­DES karina.fer­nan­des@mei­aho­ra.com

ODia das Crianças foi on­tem e, ho­je, mui­ta gen­te já cor­re pa­ra as lo­jas pa­ra tro­car os pre­sen­tes que os pe­que­nos ga­nha­ram. Se­ja por não ca­ber ou por não ter gos­ta­do, é pre­ci­so es­tar aten­to na ho­ra de ten­tar fa­zer a tro­ca.

De acor­do com Thi­a­go Car­do­so Ne­ves, es­pe­ci­a­lis­ta em Di­rei­to do Con­su­mi­dor, a lei só obri­ga o lo­jis­ta a tro­car uma mer­ca­do­ria em ca­so de de­fei­to, mas há al­guns es­ta­be­le­ci­men­tos que abrem ex­ce­ções e se com­pro­me­tem a tro­car.

“Quan­do isso acon­te­ce, o lo­jis­ta­co­lo­caum­se­lo­que­au­to­ri­zaa tro­ca. Fa­zen­do isso, ele pas­sa a ser obri­ga­do­a­tro­car,poi­sa­lei­en­ten­de­que­as­su­miu­um­com­pro­mis­so com o cli­en­te. Nes­te ca­so, se ele se re­cu­sa­ra­tro­car,épos­sí­ve­la­ci­o­nar oJui­za­do­dePe­que­nasCau­sa­souo Pro­con pa­ra so­lu­ci­o­nar”, diz.

Uma das quei­xas dos con­su­mi­do­res é a má von­ta­de dos ven­de­do­res na ho­ra da tro­ca, pois mui­tas ve­zes não há di­fe­ren­ça a ser pa­ga. Pa­ra es­ses pro­fis­si­o­nais, Ne­ves acon­se­lha a ter pa­ci­ên­cia e, com isso, fi­de­li­zar o cli­en­te.“Mos­tran­do boa von­ta­de e dis­po­si­ção pa­ra fa­zer a tro­ca, mos­tran­do al­ter­na­ti­vas, po­de fa­zer com que o cli­en­te vol­te uma ou­tra ho­ra e te pro­cu­re pa­ra no­vas com­pras”, en­si­na ele.

Qu­an­do­o­as­sun­toé­com­pra­de pe­ças em pro­mo­ção, Ne­ves afir­ma­que­a­lo­ja­po­de­de­ter­mi­nar­que o item só se­ja tro­ca­do por outro na mes­ma con­di­ção, des­de que não se­ja abu­si­vo.“Al­gu­mas lo­jas, prin­ci­pal­men­te­a­pó­so­tér­mi­no­da pro­mo­ção, co­lo­ca pro­du­tos in­fe­ri­o­res pa­ra tro­ca. Isso é abu­si­vo e de­ve ser de­nun­ci­a­do”, afir­ma.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.