‘Da­re­mos vi­são à cau­sa’

Ju­li­a­na Cal­das vi­ve­rá fi­lha re­jei­ta­da pe­la mãe por ser anã, em ‘O Outro La­do do Pa­raí­so’ Cho­ro após ce­na di­fí­cil

Meiahora - RJ - - TELEVISÃO - LE­O­NAR­DO RO­CHA le­o­nar­do.ro­cha@mei­aho­ra.com

Aa­triz Ju­li­a­na Cal­das es­tá pres­tes a re­a­li­zar um so­nho: o de in­ter­pre­tar uma per­so­na­gem de des­ta­que em uma no­ve­la da Glo­bo. Com 1,22m de al­tu­ra, a pau­lis­ta­na de 30 anos vai vi­ver os dra­mas da jo­vem Es­te­la, que se­rá re­jei­ta­da pe­la mãe por ser anã, em Outro La­do do Pa­raí­so, de Walcyr Car­ras­co, que estreia dia 23, no lu­gar de A For­ça do Qu­e­rer.

“Mãe e fi­lha vão ter vá­ri­os con­fli­tos ao lon­go da no­ve­la. A Sophia (Ma­ri­e­ta Se­ve­ro) não sa­be li­dar com o na­nis­mo da Es­te­la e, por isso, man­da ela es­tu­dar no ex­te­ri­or pa­ra ficar bem lon­ge. Um dia a Es­te­la che­ga de sur­pre­sa e, en­tão, co­me­çam os con­fli­tos”, adi­an­ta Ju­li­a­na, que, na tra­ma, se­rá ir­mã de Ser­gio Gui­zé (Ga­el) e Gra­zi Mas­sa­fe­ra (Lívia).

Com 10 anos de car­rei­ra de­di­ca­dos ao te­a­tro infantil, Ju­li­a­na as­su­me que de­mo­rou um tem­po pa­ra cair a fi­cha de que es­ta­va no elen­co de uma no­ve­la das 21h da Glo­bo. “É sur­re­al!

OTi­ve cri­se de ner­vo­so por dias (ri­sos). Não ti­ve mui­ta re­a­ção. Quan­do me vi ao la­do de Fer­nan­da Mon­te­ne­gro (que in­ter­pre­ta Mer­ce­des) e Lima Du­ar­te( Jo­sa­fá), eu pen­sei: ‘O que eu es­tou fa­zen­do aqui?’”, con­ta ela, que es­tá fe­liz por le­van­tar a ques­tão do na­nis­mo em ho­rá­rio no­bre.“Es­pe­ro que a mi­nha atu­a­ção fa­ça com que as pes­so­as me ve­jam pri­mei­ro co­mo atriz e não co­mo uma anã. Sin­to o pe­so da res­pon­sa­bi­li­da­de. Es­tou re­pre­sen­tan­do mui­ta gen­te. Mas va­mos dar vi­são à cau­sa. Vou ter gra­ti­dão eter­na por es­te tra­ba­lho. As­sim a gen­te vai im­por res­pei­to e le­van­tar a bandeira, por­que a re­jei­ção exis­te, se não for da fa­mí­lia, é da so­ci­e­da­de”.

Apoio em casa

Se na fic­ção a per­so­na­gem não se­rá acei­ta pe­la mãe, na vi­da re­al a his­tó­ria é bem di­fe­ren­te. “Não vi­vi pre­con­cei­to em casa. Meu pai e meu ir­mão são anões e mi­nha mãe tem es­ta­tu­ra nor­mal. Sem­pre ti­ve apoio da mi­nha fa­mí­lia e dos meus ami­gos. Mas per­ce­bo os olha­res nas ru­as”, afir­ma Ju­li­a­na. Emo­ção é o que não vai fal­tar nas ce­nas en­tre Es­te­la e Sophia em

L“Eu e Ma­ri­e­ta cho­ra­mos mui­to du­ran­te a pre­pa­ra­ção. Pa­ra atin­gir es­sa re­jei­ção, fa­zía­mos coi­sas jun­tas. Cer­to dia, ela se vi­ra e co­me­ça a fa­lar vá­ri­as coi­sas hor­rí­veis. Eu co­me­cei a cho­rar sen­tin­do o que ela es­ta­va fa­lan­do, mas se­gui a ce­na. No fi­nal, a Ma­ri­e­ta veio cho­ran­do, por­que também do­eu ne­la. Ma­ri­e­ta é uma da­ma, um amor de pes­soa”, diz.

FO­TOS DI­VUL­GA­ÇÃO/TVGLOBO

Ju­li­a­naCal­das­dáo re­ca­do:‘Es­pe­ro­que as­pes­so­as­me­ve­jam

pri­mei­ro­co­mo atri­ze­não­co­mo uma­a­nã.Sin­toa res­pon­sa­bi­li­da­de’

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.