Ruí­dos na ar­qui­ban­ca­da

Ba­ru­lho nos es­tá­di­os po­de cau­sar pro­ble­mas de au­di­ção

Meiahora - RJ - - SAÚDE -

Oba­ru­lho nos es­tá­di­os de fu­te­bol po­de co­lo­car a au­di­ção em pe­ri­go. É o que afir­ma a mé­di­ca Je­an­ne Oi­ti­ci­ca, es­pe­ci­a­lis­ta em otor­ri­no­la­rin­go­lo­gia do Hos­pi­tal das Clí­ni­cas, em São Pau­lo. A mé­di­ca ex­pli­ca que o ou­vi­do hu­ma­no, em ge­ral, cos­tu­ma su­por­tar sons de até 90 de­ci­béis, sem dor ou des­con­for­to. Du­ran­te um jo­go de fu­te­bol, o ruí­do ge­ra­do pe­los tor­ce­do­res é de 115 de­ci­béis, em mé­dia.

“A sur­dez tran­si­tó­ria po­de ser uma con­sequên­cia nes­tes ca­sos. Além dis­so, po­de ocor­rer tam­bém ton­tu­ra, zum­bi­do, sen­sa­ção de ou­vi­do tam­pa­do (a cha­ma­da ple­ni­tu­de­au­ri­cu­lar),sen­si­bi­li­da­de ou dor à ex­po­si­ção ao som”, diz a es­pe­ci­a­lis­ta,acres­cen­tan­do­que­as ton­tu­ras são mais fre­quen­tes em in­di­ví­du­os­que­tê­mum­de­fei­to­no os­so do ou­vi­do co­nhe­ci­do co­mo ‘deis­cên­cia do ca­nal se­mi­cir­cu­lar’, e, nes­se ca­so, são de­sen­ca­de­a­das por ex­po­si­ção a sons in­ten­sos.

Tei­as de pro­teí­nas

Zum­bi­do e per­da au­di­ti­va são al­gu­mas­das­pos­sí­veis­se­que­las,de­pen­den­do da in­ten­si­da­de do ruí­do, do tem­po de ex­po­si­ção ao ba­ru­lho, do ní­vel de pres­são so­no­ra, do­al­can­ce­da­on­da­so­no­ra­e­de­ca­rac­te­rís­ti­cas­de­sen­si­bi­li­da­de­e­pre­dis­po­si­ção do pró­prio in­di­ví­duo.

“As cé­lu­las res­pon­sá­veis pe­la au­di­ção (cé­lu­las ci­li­a­das) pos­su­em fi­la­men­tos no seu to­po, co­nhe­ci­dos­co­mo­es­te­re­o­cí­li­os.Es­tes es­tão­co­nec­ta­do­sen­tre­si­por­fi­le­tes ou amar­ras, ou tei­as de pro­teí­nas, que se rom­pem fa­cil­men­te em si­tu­a­ções de ruí­do, o que in­ter­fe­re no fun­ci­o­na­men­to das cé­lu­las da au­di­ção, de­ter­mi­nan­do, em ge­ral, uma per­da au­di­ti­va tran­si­tó­ria”, ex­pli­ca Je­an­ne Oi­ti­ci­ca.

Mas, ao con­trá­rio da le­são das cé­lu­las da au­di­ção, es­sas que­bras po­dem­se­re­fa­zer.Ore­pa­ro­em­ge­ral ocor­re em até 36 ho­ras após o even­to ou trau­ma acús­ti­co, e no­vas tei­as se for­mam, com a au­di­ção vol­tan­do nor­mal­men­te.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.