Sem cor e clas­se so­ci­al

Saú­de pú­bli­ca. Da­dos mos­tram que pri­mei­ro con­ta­to com as dro­gas po­de ocor­rer en­tre 5 e 11 anos. Pre­con­cei­to afe­ta po­lí­ti­cas pú­bli­cas, afir­ma es­pe­ci­a­lis­ta

Metro Brazil (Belo Horizonte) - - Foco - LUCAS MORAIS

Co­ber­to­res jo­ga­dos na rua. Bar­ra­cas im­pro­vi­sa­das de pa­pe­lão e ma­dei­ra. Olha­res mo­vi­dos pe­lo de­ses­pe­ro de um ví­cio, qua­se in­con­tro­lá­vel. Se­jam nas cal­ça­das ou nos bar­ran­cos da ave­ni­da Antô­nio Car­los, na re­gião No­ro­es­te da ca­pi­tal, a ce­na de usuá­ri­os de crack e ou­tras dro­gas há anos se tor­nou co­mum no co­ti­di­a­no da ci­da­de. Mas nem sem­pre o pro­ble­ma fi­ca es­tam­pa­do pa­ra quem qui­ser ver. Sem es­co­lher cor e clas­se so­ci­al, a de­pen­dên­cia quí­mi­ca es­tá em to­dos os lu­ga­res, no bar ou no es­co­la, na ca­sa do vi­zi­nho ou na fa­cul­da­de. Só na ca­pi­tal, são 409 mil usuá­ri­os, con­for­me pes­qui­sa do Cen­tro de Re­fe­rên­cia de Ál­co­ol e Dro­gas.

O le­van­ta­men­to mos­trou que o con­ta­to com a dro­ga po­de co­me­çar ce­do: 17,8% ini­ci­a­ram o uso en­tre 5 e 11 anos de ida­de e 60,8% en­tre 11 e 17 anos. Mas o mai­or de­sa­fio pa­ra en­fren­tar o pro­ble­ma é o pre­con­cei­to. “Pre­ci­sa­mos con­ver­sar e di­a­lo­gar de for­ma mais aber­ta. A dro­ga não es­tá res­tri­ta à fa­ve­la e pe­ri­fe­ria, is­so in­clu­si­ve é uma abor­da­gem pre­con­cei­tu­o­sa. Faz da­nos em to­da a hu­ma­ni­da­de, cau­sa vul­ne­ra­bi­li­da­de na fa­mí­lia mais ri­ca e tam­bém na mais po­bre”, de­fen­deu o pre­si­den­te do Con­se­lho Mu­ni­ci­pal de Po­lí­ti­cas so­bre Dro­gas de Belo Ho­ri- zon­te, Mar­ce­lo De­rus­si.

Ma­ria da Gra­ça Pinto vi­veu de per­to os efei­tos da de­pen­dên­cia so­bre o usuá­rio e, prin­ci­pal­men­te, a fa­mí­lia: o fi­lho te­ve o pri­mei­ro con­ta­to com as dro­gas aos 13 anos. “Ele sem­pre pos­suiu uma vi­da re­gu­lar. Mas per­deu o con­tro­le quan­do o ca­sa­men­to foi aca­ban­do, já aos 30 anos de ida­de. Pas­sou pa­ra uma dro­ga mais pe­sa­da, a co­caí­na”, dis­se. De­pois dis­so, Ma­ria con­tou que ele co­me­çou a per­der tu­do, des­de o tra­ba­lho até as re­la­ções in­ter­pes­so­ais. “É uma do­en­ça pro­gres­si­va, in­cu­rá­vel e que qual­quer um po­de ter. Foi do­lo­ro­so, de­ses­ta­bi­li­zou a fa­mí­lia to­da e tam­bém ti­ve­mos que nos tra- tar”. Du­ran­te o tra­ta­men­to, fo­ram vá­ri­as re­caí­das. “Vol­tou vá­ri­as ve­zes, mas ti­ve­mos que ser fir­mes. Até que ele des­co­briu os Nar­có­ti­cos Anô­ni­mos e se trans­for­mou”, afir­mou. Ho­je, ele cui­da de um cen­tro pa­ra de­pen­den­tes quí­mi­cos em La­goa San­ta, na re­gião me­tro­po­li­ta­na, e aju­da mais de 50 pes­so­as.

“Usuá­rio não é ban­di­do”

Pa­ra Mar­ce­lo De­rus­si, os usuá­ri­os não de­vem ser tra­ta­dos co­mo cri­mi­no­sos, mas sim do­en­tes. “O me­lhor tra­ta­men­to é uma re­de am­pla, que en­vol­va os nos­sos equi­pa­men­tos de saú­de, as co­mu­ni­da­des te­ra­pêu­ti­cas e a po­pu­la­ção co­mo um to­do. É pre­ci­so ga­ran­tir uma op­ção de es­co- lha do ci­da­dão”, ex­pli­cou.

A pro­mo­to­ra Da­ni­e­la Yo­koi­a­ma, do Cen­tro de Apoio Ope­ra­ci­o­nal das Pro­mo­to­ri­as de Jus­ti­ça e De­fe­sa dos Di­rei­tos da Cri­an­ça e do Ado­les­cen­te, en­fa­ti­zou a ne­ces­si­da­de de po­lí­ti­cas al­ter­na­ti­vas, co­mo o es­por­te e a cul­tu­ra, pa­ra ori­en­tar a pre­ven­ção às dro­gas. “A es­co­la é um am­bi­en­te em que a di­ver­si­da­de se im­põe e is­so é im­por­tan­te pa­ra a for­ma­ção do ci­da­dão. Se a gen­te não apren­de a con­vi­ver com a di­fe­ren­ça na es­co­la, a gen­te não vai tam­bém de­sen­vol­ver a to­le­rân­cia na so­ci­e­da­de”, fi­na­li­zou.

Usuá­rio de crack em BH

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.