Cor­po de jor­na­lis­ta Tim Lopes foi jo­ga­do em Rio, diz Mar­ci­nho VP

O Dia - - RIO DE JANEIRO -

Um ca­pí­tu­lo po­lê­mi­co do li­vro é a ver­são do tra­fi­can­te pa­ra o as­sas­si­na­to do re­pór­ter in­ves­ti­ga­ti­vo da TV Glo­bo Tim Lopes, mor­to em 2002, no Com­ple­xo do Ale­mão.

VP afir­ma que Tim não te­ria se iden­ti­fi­ca­do aos tra­fi­can­tes que o cap­tu­ra­ram co­mo re­pór­ter e que seu cor­po fo­ra jo­ga­do no rio Fa­ria-Tim­bó, na al­tu­ra de Man­gui­nhos.

Na ver­são con­ta­da pe­los cri­mi­no­sos pre­sos à épo­ca e que par­ti­ci­pa­ram de sua exe­cu­ção, o cor­po de Tim foi quei­ma­do no pró­prio mor­ro com pneus. Além dis­so, se­gun­do os tra­fi­can­tes pre­sos, hou­ve tor­tu­ra.

“Mar­ci­nho con­ta que sou­be da ou­tra ver­são atra­vés de um tra­fi­can­te com quem di­vi­diu a ce­la em Ban­gu e que viu a exe­cu­ção”, dis­se Ho­mem.

O jor­na­lis­ta en­tre­vis­tou es­se tra­fi­can­te que é iden­ti­fi­ca­do no li­vro co­mo Aluí­zio, um no­me fal­so. “Ele atu­al­men­te é um gran­de che­fe do trá­fi­co e re­a­fir­mou a ver­são con­ta­da pa­ra VP”.

De­fi­nin­do o re­la­to da no­va ver­são co­mo “a ce­re­ja do bo­lo do li­vro”, Ho­mem re­la­ta de­ta­lhes de co­mo te­ria si­do a mor­te do jor­na­lis­ta. “A tes­te­mu­nha diz que ele não se iden­ti­fi­cou co­mo re­pór­ter. Que te­ria re­ce­bi­do di­nhei­ro pa­ra fil­mar o bai­le funk. Ele te­ria si­do mor­to com ti­ros, sem tor­tu­ra”.

Na épo­ca, se­gun­do a po­lí­cia e os cri­mi­no­sos de­ti­dos, o tra­fi­can­te Eli­as Pe­rei­ra da Silva, o Eli­as Ma­lu­co, te­ria co­me­mo­ra­do a cap­tu­ra do jor­na­lis­ta e au­to­ri­za­do sua mor­te. Por ser man­dan­te da mor­te de Tim, Eli­as se en­con­tra pre­so.

Em uma das car­tas, Mar­ci­nho diz res­pei­tar a im­pren­sa e ter aju­da­do Tim em ma­té­ri­as, as­sim co­mo a ou­tros jor­na­lis­tas.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.