‘Já so­fri pre­con­cei­to por ser po­bre e nor­des­ti­no’

O Dia - - LEODIAS -

>SILVERO PE­REI­RA NAS­CEU EM MOMBAÇA, NO CE­A­RÁ.

O ator, que ho­je in­ter­pre­ta o No­na­to e a Elis Mi­ran­da em ‘A For­ça do Que­rer’, re­sol­veu sair de sua ci­da­de, ain­da ado­les­cen­te, atrás de seu gran­de so­nho: atu­ar. So­freu pre­con­cei­to por ser nor­des­ti­no, por ter vin­do de uma fa­mí­lia po­bre e ter es­tu­da­do em es­co­la pú­bli­ca. “O Bra­sil é um país que fin­ge de­mo­cra­cia, li­ber­da­de. So­mos um país vi­o­len­to, pre­con­cei­tu­o­so e ma­chis­ta”. Ape­sar das di­fi­cul­da­des, ele nun­ca pen­sou em de­sis­tir. Ho­je, ao re­tor­nar pa­ra a sua ci­da­de na­tal de­pois do su­ces­so na tra­ma de Gló­ria Pe­rez, Silvero é re­ce­bi­do com sta­tus de es­tre­la: ti­ra fotos, dá au­tó­gra­fos e po­sa pa­ra sel­fi­es. Con­fi­ra, a se­guir, a his­tó­ria des­te ator, que faz te­a­tro há 18 anos e só ago­ra se tor­nou co­nhe­ci­do do gran­de pú­bli­co.

Co­mo é estrear na TV nu­ma no­ve­la das no­ve em um pa­pel im­por­tan­te?

Tem si­do, além de um pri­vi­lé­gio e uma ex­tre­ma res­pon­sa­bi­li­da­de, um so­nho re­a­li­za­do. Não ima­gi­na­va que a per­so­na­gem ga­nhas­se tan­to es­pa­ço e acei­ta­ção. Não ti­nha ideia da pro­por­ção que uma no­ve­la no horário no­bre con­se­gue al­can­çar de vi­si­bi­li­da­de. Tu­do vem acon­te­cen­do de uma ma­nei­ra mui­to rá­pi­da e es­tou ten­tan­do com­pre­en­der to­do es­te mo­men­to.

O que vo­cê ou­ve nas ru­as?

É lin­do ver mu­lhe­res e, prin­ci­pal­men­te, cri­an­ças apon­tan­do e di­zen­do ‘olha, o No­na­to’, en­quan­to ou­tros di­zem ‘É a Elis Mi­ran­da!’. Dos ho­mens es­cu­to mui­to ‘po­de­mos ti­rar uma fo­to?’, ‘mi­nha mu­lher te ado­ra’ ou às ve­zes gri­tam de dentro do carro: ‘cui­da­do com Sr. Eu­ri­co’ (pa­pel de Hum­ber­to Mar­tins). Mas tu­do é com uma abor­da­gem mui­to afe­tu­o­sa, tor­cem pe­lo bem da per­so­na­gem.

No­na­to se de­fen­de mui­to bem. Vo­cê fez au­las de ar­tes mar­ci­ais pa­ra o per­so­na­gem?

Nas Ar­tes Cê­ni­cas, apren­di mui­to so­bre dan­ça e is­so facilita mui­to na ho­ra de re­a­li­zar ce­nas de lu­ta.

Vo­cê já foi agre­di­do nas ru­as?

Não fi­si­ca­men­te, mas no ca­so de agres­são verbal al­gu­mas ve­zes, e ela pode ser tão vi­o­len­ta qu­an­to a fí­si­ca. Não ma­ta, mas fra­gi­li­za a au­to­es­ti­ma e cons­tran­ge. Vi­o­lên­cia ze­ro ain­da é mui­to di­fí­cil na nos­sa sociedade que dis­cri­mi­na pe­la pe­le, sta­tus so­ci­al, es­co­la­ri­da­de, se­xu­a­li­da­de e tan­tas ou­tras for­mas.

As pessoas tor­cem pe­la per­so­na­gem?

No­na­to/Elis tem si­do re­ce­bi­da com mui­to ca­ri­nho. Exis­te uma tor­ci­da pe­lo seu su­ces­so na vi­da. O pú­bli­co re­co­nhe­ce as do­res que ela so­freu e es­pe­ram que exis­ta uma su­pe­ra­ção, que ela se­ja acei­ta e te­nha seus so­nhos re­a­li­za­dos.

Vo­cê faz te­a­tro há 18 anos, mas o gran­de pú­bli­co só te co­nhe­ceu ago­ra, com No­na­to. O que mu­dou na sua ro­ti­na?

Mu­dou mui­to. Ro­ti­na de te­le­vi­são va­ria mui­to, gra­va­mos de ma­nhã , tar­de e noi­te em ho­rá­ri­os mui­to va­ri­a­dos. No mo­men­to, mi­nha de­di­ca­ção é ex­clu­si­va pa­ra a no­ve­la, não es­tou con­se­guin­do con­ci­li­ar os tra­ba­lhos no te­a­tro. Fui edu­ca­do no tra­ba­lho a ser mui­to dis­ci­pli­na­do e de­di­ca­do e as­sim te­nho fei­to. Es­tou mui­to fe­liz com o apren­di­za­do na te­le­vi­são.

O per­so­na­gem do Eu­ri­co é ho­mo­fó­bi­co. Qual é a im­por­tân­cia de se abor­dar es­se te­ma nu­ma no­ve­la das no­ve?

O Bra­sil tem uma gran­de es­ta­tís­ti­ca de as­sas­si­na­to por LGBT­fo­bia. Pre­ci­sa­mos fa­lar so­bre is­so por uma ne­ces­si­da­de so­ci­al. É pre­ci­so des­cons­truir o pre­con­cei­to, cons­truir res­pei­to e afe­to en­tre to­dos nós.

Tu­do bem se o Eu­ri­co con­se­guir fa­zer com que No­na­to cor­te o ca­be­lão?

Meus ca­be­los es­tão em fun­ção da mi­nha ar­te. Já fui lou­ro, ca­re­ca, ca­che­a­do e ago­ra li­so e mo­re­no. Gos­to da mu­dan­ça e da dis­po­ni­bi­li­da­de de me trans­for­mar. Não creio que o Eu­ri­co se­rá ca­paz de uma ati­tu­de co­mo es­ta, per­ce­be-se um ca­ri­nho. Não sei o que vai acon­te­cer, mas te­nho cer­te­za de que Elis Mi­ran­da vai fa­zer Eu­ri­co re­pen­sar seus con­cei­tos.

Vo­cê pre­fe­re se ver de No­na­to ou de Elis?

Eu ado­ro as du­as fa­ce­tas. Es­tou mui­to fe­liz com as du­as at­mos­fe­ras cri­a­das. Pa­re­cem di­fe­ren­tes, mas pos­su­em a mes­ma es­sên­cia. Is­so é o mais im­por­tan­te, des­ro­tu­lar as pessoas e en­xer­gar mais a al­ma.

Vo­cê já se tra­ves­tiu? Ar­tis­ti­ca­men­te, sim. A Gló­ria Pe­rez me viu pe­la pri­mei­ra vez tra­ves­ti­do no es­pe­tá­cu­lo ‘Br-Trans’. Se tra­ves­tir no te­a­tro vi­rou uma ma­nei­ra que me fez pen­sar em co­mo mi­nha ar­te e meu tra­ba­lho po­di­am con­tri­buir com no­vas pers­pec­ti­vas so­ci­ais. A ar­te co­mo ins­tru­men­to de ques­ti­o­nar é trans­for­mar a sociedade.

Por que vo­cê mon­tou o gru­po de te­a­tro ‘As Tra­ves­ti­das’?

Por­que no ano 2000 pre­sen­ci­ei mui­ta dis­cri­mi­na­ção com ar­tis­tas trans­for­mis­tas que que­ri­am fa­zer te­a­tro. En­tre­tan­to, fo­ram re­jei­ta­das co­mo ar­tis­tas me­no­res. As­sim, as Tra­ves­ti­das veio co­mo re­sis­tên­cia, ato­res e atri­zes que qui­ses­sem se tra­ves­tir e fa­zer ar­te, que se re­co­nhe­ces­sem en­quan­to sua iden­ti­da­de de gê­ne­ro e ar­tís­ti­ca.

Vo­cê se con­si­de­ra um mi­li­tan­te da cau­sa gay?

Me con­si­de­ro al­guém que en­xer­gou a im­por­tân­cia da militância LGBTQA+ e de­ci­di no meu tra­ba­lho con­tri­buir e for­ta­le­cer es­ta lu­ta.

Vo­cê já vol­tou a Mombaça de­pois que es­tre­ou na TV? Co­mo foi a re­cep­ção?

Es­tou res­pon­den­do es­ta en­tre­vis­ta, nes­te exa­to mo­men­to, em Mombaça. Pe­la pri­mei­ra vez, re­tor­no des­de a es­treia da no­ve­la. En­tre fotos com os vi­zi­nhos e ti­e­ta­gem, con­se­gui res­pon­der tu­do em três ho­ras. Tem si­do di­ver­ti­do ver o fi­lho da ci­da­de re­co­nhe­ci­do co­mo as­tro ator.

Co­mo é a sua fa­mí­lia? Te­nho dois ir­mãos mais ve­lhos: a Cristiana e o Car­los. Sou o ter­cei­ro fi­lho e a Na­gi­la, mais no­va. Te­nho qua­tro so­bri­nhos (Den­nis, Dou­glas, Diogo e Da­vid), to­dos filhos da ir­mã mais ve­lha. Meu pai se cha­ma Jo­sé Al­ves e foi mes­tre de obra cons­truin­do boa parte das ca­sas da mi­nha ci­da­de e re­don­de­zas. Mi­nha mãe se cha­ma Ri­ta In­ven­ção, la­va­dei­ra apo­sen­ta­da.

Qu­an­do vo­cê saiu de Mombaça?

Mo­rei em Mombaça até meus 13 anos, num pe­río­do de ex­tre­ma po­bre­za, sem di­nhei­ro pa­ra com­prar co­mi­da e ten­do que an­dar mui­to pra con­se­guir água po­tá­vel. Co­me­cei a tra­ba­lhar com 10 anos em mer­ca­di­nhos da ci­da­de pra ajudar nas des­pe­sas de ca­sa. Aos 14 anos, me mu­dei pa­ra For­ta­le­za, on­de co­me­cei a es­tu­dar te­a­tro ama­dor e pro­fis­si­o­nal.

Seus pais te apoi­a­ram pa­ra se­guir a car­rei­ra ar­tís­ti­ca?

Des­de pe­que­no, meus pais fa­lam que sem­pre fui mui­to cheio de idei­as e sem­pre brin­quei de in­ter­pre­tar e imi­tar pro­gra­mas de en­tre­vis­ta. Na in­fân­cia, so­fri mui­to pre­con­cei­to por ser po­bre e es­tu­dan­te de es­co­la pú­bli­ca.

Na sua opi­nião, o Bra­sil é um país li­ber­tá­rio?

Não. O Bra­sil é um país que fin­ge de­mo­cra­cia, li­ber­da­de. So­mos um país vi­o­len­to, pre­con­cei­tu­o­so e ma­chis­ta.

Vo­cê já so­freu pre­con­cei­to no tra­ba­lho?

Sim. Já so­fri pre­con­cei­to por ser nor­des­ti­no, vir de fa­mí­lia po­bre, ter es­tu­da­do em es­co­la pú­bli­ca e por fa­zer per­so­na­gens fe­mi­ni­nos. Por in­crí­vel que pa­re­ça, ain­da se du­vi­da que pos­so fa­zer per­so­na­gens mas­cu­li­nos. Por is­so a Gló­ria Pe­rez e a equi­pe de ‘A For­ça do Que­rer’ têm si­do tão es­pe­ci­al, pois en­xer­gam o ator e meu potencial.

Que re­ca­do vo­cê quer dei­xar pa­ra os fãs de No­na­to/Elis Mi­ran­da?

Não de­sis­ta! Exis­tem bar­rei­ras de to­dos os ti­pos, mas com de­di­ca­ção, ho­nes­ti­da­de, res­pei­to e ami­za­de, é pos­sí­vel su­pe­rar.

DI­VUL­GA­ÇÃO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.