Cra­co­lân­dia em Ra­mos já faz parte do ce­ná­rio da via

O Dia - - ESPECIAL -

Ou­tro pro­ble­ma crô­ni­co da via ex­pres­sa é a pre­sen­ça cons­tan­te de usuá­ri­os de crack, prin­ci­pal­men­te na al­tu­ra da pas­sa­re­la 10, em Ra­mos. Bar­ra­cos e li­xo es­pa­lha­dos nas mar­gens e no meio da ave­ni­da, on­de de­ze­nas de de­pen­den­tes quí­mi­cos vi­vem e con­so­mem dro­gas, fa­zem parte do ce­ná­rio da re­gião há tem­pos. Al­guns apro­vei­tam os en­gar­ra­fa­men­tos pa­ra as­sal­tar e ven­der pro­du­tos rou­ba­dos.

A PM ale­ga que não con­se­gue re­a­li­zar ações efi­ca­zes por

Ncon­ta de um Ter­mo de Ajus­ta­men­to de Con­du­ta (TAC). “Qu­an­do em flagrante de­li­to, eles são con­du­zi­dos à de­le­ga­cia. Fo­ra is­so, não po­dem ser en­ca­mi­nha­dos pa­ra lu­gar ne­nhum, por for­ça do TAC”, ex­pli­cou a ma­jor Fa­bi­a­na.

Se­gun­do a Se­cre­ta­ria Mu­ni­ci­pal de As­sis­tên­cia So­ci­al e Di­rei­tos Hu­ma­nos, o ca­so é tra­ta­do em ações con­jun­tas com a po­lí­cia, Guar­da Mu­ni­ci­pal, su­pe­rin­ten­dên­cia do bair­ro e Com­lurb. “Vá­ri­as ações fo­ram fei­tas nes­se lo­cal só es­se ano, mas de­vi­do à pro­xi­mi­da­de da fa­ve­la, o aces­so às dro­gas é mais fá­cil. Por is­so, re­tor­nam aos mes­mo lo­cais”, ex­pli­cou a se­cre­ta­ria. Co­mo o aco­lhi­men­to não é com­pul­só­rio, as pessoas po­dem sair dos abri­gos.

O his­to­ri­a­dor Milton Teixeira lem­bra que o fim do ‘mi­la­gre econô­mi­co’, nos anos 70, fa­ci­li­tou a fa­ve­li­za­ção da Bra­sil, inau­gu­ra­da em 1946. “A ex­pan­são até San­ta Cruz, na dé­ca­da de 60, per­mi­tiu o cres­ci­men­to da ci­da­de. Mas de­pois veio a crise e con­tri­buiu bas­tan­te pa­ra ocu­pa­ção das mar­gens pe­las co­mu­ni­da­des”.

Usuá­ri­os de dro­gas mon­tam bar­ra­cas pró­xi­mo a vi­a­du­to. Mui­tos apro­vei­tam pa­ra rou­bar mo­to­ris­tas

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.