INSS só po­de­rá sus­pen­der au­xí­lio-do­en­ça após pe­rí­cia

Jus­ti­ça con­si­de­rou ile­gal o sis­te­ma de al­ta pro­gra­ma­da, que can­ce­la o pa­ga­men­to do be­ne­fí­cio au­to­ma­ti­ca­men­te, sem no­vo exa­me mé­di­co, com ba­se em uma pre­vi­são do pra­zo pa­ra re­tor­no do se­gu­ra­do ao tra­ba­lho.

O Dia - - FRONT PAGE -

OINSS não po­de sus­pen­der o au­xí­lio-do­en­ça do tra­ba­lha­dor que es­tá de li­cen­ça sem que ele fa­ça uma no­va pe­rí­cia mé­di­ca pa­ra cons­ta­tar as con­di­ções de vol­ta ou não às atividades. Em re­cen­te de­ci­são unâ­ni­me, a Pri­mei­ra Tur­ma do Su­pe­ri­or Tri­bu­nal de Jus­ti­ça (STJ) con­si­de­rou ser ile­gal a cha­ma­da al­ta pro­gra­ma­da im­ple­men­ta­da pelo ins­ti­tu­to. O me­ca­nis­mo per­mi­te que o mé­di­co pe­ri­to do INSS es­ti­pu­le pre­vi­a­men­te o pra­zo pa­ra o re­tor­no do se­gu­ra­do ao tra­ba­lho sem ter que pas­sar por no­vo exa­me. Os pa­ga­men­tos dos be­ne­fí­ci­os são sus­pen­sos, mes­mo sem os se­gu­ra­dos se­rem sub­me­ti­dos à no­va ava­li­a­ção mé­di­ca.

A de­ci­são do STJ re­for­ça uma sen­ten­ça do Tri­bu­nal Re­gi­o­nal Fe­de­ral (TRF) da 1ª Re­gião, que de­ter­mi­nou que an­tes de sus­pen­der o au­xí­li­o­do­en­ça, o INSS pre­ci­sa, obri­ga­to­ri­a­men­te, fa­zer no­va pe­rí­cia no se­gu­ra­do an­tes do pra­zo es­ta­be­le­ci­do pelo pe­ri­to co­mo su­fi­ci­en­te pa­ra a re­a­bi­li­ta­ção do tra­ba­lha­dor.

Mes­mo sen­do um ca­so es­pe­cí­fi­co re­fe­ren­te a man­da­do de se­gu­ran­ça im­pe­tra­do em 2006 por um se­gu­ra­do da Bahia e ain­da ca­ber re­cur­sos do INSS, a de­ci­são po­de abrir um pre­ce­den­te pa­ra si­tu­a­ções se­me­lhan­tes.

No en­tan­to, o INSS en­ten­de que “o mé­di­co pe­ri­to, ao re­a­li­zar a ava­li­a­ção do se­gu­ra­do, fi­xa o pe­río­do ne­ces­sá­rio à re­cu­pe­ra­ção da ca­pa­ci­da­de la­bo­ral com ba­se em co­nhe­ci­men­tos téc­ni­cos mé­di­cos”. O ins­ti­tu­to as­se­gu­ra que a posição do STJ não al­te­ra os pro­ce­di­men­tos ad­mi­nis­tra­ti­vos do ór­gão em re­la­ção aos de­mais se­gu­ra­dos.

O INSS ques­ti­o­nou no re­cur­so do STJ que o acór­dão do TRF 1 te­ria vi­o­la­do o Ar­ti- go 78, pa­rá­gra­fo 1º, do De­cre­to 3.048/99, que es­ta­be­le­ce que a au­tar­quia po­de­rá fi­xar, me­di­an­te ava­li­a­ção pe­ri­ci­al ou com ba­se na do­cu­men­ta­ção mé­di­ca do se­gu­ra­do, o pra­zo que en­ten­der su­fi­ci­en­te pa­ra a re­cu­pe­ra­ção da ca­pa­ci­da­de pa­ra o tra­ba­lho.

OFEN­SA À LEI

No jul­ga­men­to do STJ, en­tre­tan­to, o re­la­tor do ca­so, mi­nis­tro Sér­gio Ku­ki­na, vo­tou no sen­ti­do de ne­gar pro­vi­men­to ao re­cur­so. Se­gun­do ele, a al­ta pro­gra­ma­da cons­ti­tui ofen­sa ao Ar­ti­go 62 da Lei 8.213/91, que de­ter­mi­na que o be­ne­fí­cio de­ve ser man­ti­do até que o se­gu­ra­do se­ja con­si­de­ra­do re­a­bi­li­ta­do pa­ra vol­tar ao tra­ba­lho. E que a cons­ta­ta­ção do es­ta­do de saú­de do tra­ba­lha­dor, no en­ten­di­men­to do re­la­tor, exi­ge ava­li­a­ção mé­di­ca.

“A ces­sa­ção de be­ne­fí­cio pre­vi­den­ciá­rio por in­ca­pa­ci­da­de pres­su­põe pré­via ava­li­a­ção mé­di­ca, sen­do im­pres­cin­dí­vel, no ca­so con­cre­to, que o INSS re­a­li­ze no­va pe­rí­cia, em or­dem a que o se­gu­ra­do re­tor­ne às atividades ha­bi­tu­ais ape­nas quan­do efe­ti­va­men­te cons­ta­ta­da a res­tau­ra­ção de sua ca­pa­ci­da­de la­bo­ra­ti­va”, afir­mou o mi­nis­tro.

DI­VUL­GA­ÇãO

Pe­la al­ta pro­gra­ma­da, os se­gu­ra­dos não pre­ci­sam vol­tar ao pos­to do INSS pa­ra fa­zer um no­vo exa­me

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.