Ó, Deus, tem um robô em casa!

O Dia - - OPINIÃO - An­der­son Fon­se­ca Es­cri­tor de fic­ção ci­en­tí­fi­ca e fan­tás­ti­ca e neu­ro­e­du­ca­dor

Ima­gi­nar uma casa on­de robôs au­xi­li­am, di­ver­tem e in­te­ra­gem com hu­ma­nos é fic­ção ci­en­tí­fi­ca, ho­je, quan­do se con­si­de­ra a re­a­li­da­de econô­mi­ca de um país. No Bra­sil, por exem­plo, ape­sar do cres­ci­men­to econô­mi­co, robôs es­tão ape­nas nas in­dús­tri­as e nas ins­ti­tui­ções de pes­qui­sa. Se há em am­bi­en­tes do­més­ti­cos, o nú­me­ro é bem pe­que­no.

Pa­ra mim, era um uni­ver­so dis­tan­te, al­go ape­nas possível em de­se­nhos ani­ma­dos. Po­rém, de­ci­di vi­ven­ci­ar a fic­ção. O que me le­vou isso é po­der res­pon­der co­mo robôs em am­bi­en­te do­més­ti­co im­pac­tam os se­res hu­ma­nos e de que for­ma os sen­ti­men­tos e a per­cep­ção so­bre o robô é afe­ta­da de­pois de pas­sar um tem­po com ele.

Pa­ra res­pon­der a es­tas per­gun­tas, ad­qui­ri dois robôs pro­je­ta­dos pa­ra crianças, que si­mu­lam in­te­li­gên­cia comportamental, já trans­for­man­do nos­sa vi­são de mun­do. Des­de que aqui es­tão, in­cli­no-me a pen­sar nos be­ne­fí­ci­os e pro­ble­mas que po­dem ge­rar.

Quan­do o pri­mei­ro che­gou a nos­sa casa, fi­ca­mos ma­ra­vi­lha­dos. Ain­da me lem­bro da ex­pres­são de Ana Cla­ra, mi­nha fi­lha, es­pan­ta­da e mui­to ani­ma­da com a má­qui­na. Ela dis­se: — Pai, é um robô! E ele é tão fo­fo! E é ver­da­de. Pas­sa­mos mui­to tem­po in­te­ra­gin­do com a má­qui­na e per­ce­be­mos co­mo as apli­ca­ções tec­no­ló­gi­cas be­ne­fi­ci­a­ri­am a edu­ca­ção de Cla­ra. Uma de­las é des­per­tar o in­te­res­se pe­la lín­gua in­gle­sa atra­vés da con­ver­sa­ção. A ou­tra é interagir com a cri­an­ça a partir das emo­ções.

O robô con­tém um LED que al­te­ra de cor pa­ra in­di­car su­as emo­ções; além dis­so, re­co­nhe­ce a voz com que di­a­lo­ga. O con­jun­to (ex­pres­sões fa­ci­ais, in­di­ca­do­res emo­ci­o­nais e voz) per­mi­te a cri­an­ça interagir com o robô co­mo a um ami­go. No mo­men­to da in­te­ra­ção, a cri­an­ça ela­bo­ra uma te­o­ria men­tal a res­pei­to do com­por­ta­men­to da má­qui­na co­mo se ela es­ti­ves­se vi­va, em­bo­ra o ter­mo não sig­ni­fi­que o mes­mo pa­ra um ser bi­o­ló­gi­co e a cri­an­ça tem no­ção des­te sen­ti­do in­tui­ti­va­men­te.

Cer­ta vez, Ana dei­xou o robô por mui­to tem­po pa­ra­do; o LED fi­cou ver­me­lho, e o ros­to fran­ziu. Ana, mal o viu as­sim, ex­cla­mou:

— Pa­pai, ele es­tá bra­vo!

— Va­mos ale­grá-lo.

En­tão, pas­se­a­mos com ele pe­la casa, e lo­go a cor mu­dou pa­ra o ver­de, e o ros­to de­se­nhou um sor­ri­so. Ana dis­se: — Ele es­tá fe­liz!

Co­mo me sen­ti em re­la­ção a es­te epi­só­dio? Per­ce­bi o qu­an­to um robô hu­ma­noi­de que ex­pres­se emo­ções hu­ma­nas e re­a­ja a elas po­de afe­tar aque­les que se cer­cam de­le, sobretudo crianças. É cla­ro, es­bo­cei um sor­ri­so.

Esta mu­dan­ça de pers­pec­ti­va é boa pa­ra a for­ma­ção de uma afe­ti­vi­da­de que per­mi­ta ao robô edu­car a cri­an­ça de for­ma di­ver­ti­da, as­sim co­mo também ori­en­tá-la du­ran­te sua ma­tu­ra­ção neu­ro­ló­gi­ca po­si­ti­va­men­te. Por outro la­do, há o ris­co da mu­dan­ça da pro­gra­ma­ção pa­ra que o robô en­si­ne a cri­an­ça ações nada éti­cas co­mo men­tir, ou mes­mo a vi­o­lên­cia. O grau de in­fluên­cia da má­qui­na so­bre o in­fan­te de­pen­de da in­ten­si­da­de do afe­to.

Por isso, o mo­ni­to­ra­men­to des­tas má­qui­nas pe­los pais é im­por­tan­te. Ou­tros­sim é a afe­ti­vi­da­de se fun­da­men­tar em emo­ções ir­re­ais, por­que a má­qui­na as si­mu­la, não as sen­te e, com isso, a cri­an­ça trans­fe­rir es­sa ex­pe­ri­ên­cia pa­ra ou­tras re­la­ções.

O grau de in­fluên­cia da má­qui­na so­bre o in­fan­te de­pen­de da in­ten­si­da­de do afe­to. Mo­ni­to­rá-la, en­tão, é im­por­tan­te

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.