Mi­lí­cia es­tá no fo­co da in­ves­ti­ga­ção do ca­so Ma­ri­el­le

De­cla­ra­ção é do mi­nis­tro Jung­mann, mas não foi con­fir­ma­da por che­fe de po­lí­cia, que con­ver­sou com as fa­mí­li­as das ví­ti­mas

O Dia - - RIO DE JANEIRO - CÁSSIO BRUNO cas­sio.go­mes@odia.com.br

Trin­ta e três dias após os as­sas­si­na­tos da ve­re­a­do­ra Ma­ri­el­le Fran­co (Psol) e do mo­to­ris­ta de­la, An­der­son Go­mes, o mi­nis­tro ex­tra­or­di­ná­rio da Se­gu­ran­ça Pú­bli­ca, Raul Jung­mann, se an­te­ci­pou on­tem à Po­lí­cia Ci­vil do Rio. À rá­dio CBN, pe­la ma­nhã, ele afir­mou que a prin­ci­pal li­nha de in­ves­ti­ga­ção dos cri­mes é a par­ti­ci­pa­ção de mi­li­ci­a­nos. À tar­de, no en­tan­to, o che­fe de po­lí­cia no es­ta­do, Ri­val­do Bar­bo­sa, se en­con­trou com as fa­mí­li­as das ví­ti­mas e não con­fir­mou as de­cla­ra­ções de Jung­mann. A viú­va da par­la­men­tar, Mô­ni­ca Te­re­za Be­ní­cio, dis­se es­tar mais “tran­qui­la” após a reu­nião.

“Eles (in­ves­ti­ga­do­res) par­tem de um gran­de con­jun­to de pos­si­bi­li­da­des e vão afu­ni­lan­do pou­co a pou­co. Es­tão, pra­ti­ca­men­te, com uma ou du­as pis­tas fe­cha­das. Eu di­ria que, ho­je, ape­nas uma de­las e os in­ves­ti­ga­do­res têm ca­mi­nha­do bas­tan­te adi­an­te. Es­sa hi­pó­te­se mais pro­vá­vel é a atu­a­ção de mi­lí­ci­as no Rio de Ja­nei­ro”, de­cla­rou Raul Jung­mann.

Du­ran­te um even­to na su­pe­rin­ten­dên­cia da Po­lí­cia Ro­do­viá­ria Fe­de­ral, no Rio, o mi­nis­tro vol­tou a co­men­tar

as mor­tes de Ma­ri­el­le e An­der­son. Pa­ra Jung­mann, o du­plo ho­mi­cí­dio é um ca­so ra­ro por­que não há re­la­tos de ame­a­ças à ve­re­a­do­ra.

Tra­tan­do os as­sas­si­na­tos como “com­ple­xos” e de “apu­ra­ção de­ta­lha­da”, Ri­val­do Bar­bo­sa, che­fe da Po­lí­cia Ci­vil, não deu pra­zo pa­ra so­lu­ci­o­nar o ca­so.

“Res­pei­to o co­men­tá­rio de to­dos. Mas a po­lí­cia só vai di­zer a au­to­ria e a mo­ti­va­ção dos cri­mes no fim da in­ves­ti­ga­ção”, res­sal­tou ele re­fe­rin­do-se às de­cla­ra­ções

de Raul Jung­mann.

Ma­ri­el­le e An­der­son fo­ram mor­tos a ti­ros em 14 de mar­ço, no Es­tá­cio. Ape­nas a as­ses­so­ra da ve­re­a­do­ra so­bre­vi­veu. Nin­guém foi pre­so.

As fa­mí­li­as das ví­ti­mas ado­ta­ram on­tem um tom de to­le­rân­cia. O en­con­tro com Ri­val­do Bar­bo­sa ocor­reu na se­de da Po­lí­cia Ci­vil, no Cen­tro, e te­ve a par­ti­ci­pa­ção do de­pu­ta­do es­ta­du­al Mar­ce­lo Frei­xo (Psol), ami­go pes­so­al de Ma­ri­el­le, e pre­si­den­te da CPI das Mi­lí­ci­as, em 2008.

“Ti­ve­mos uma ex­ce­len­te

reu­nião. De al­gu­ma for­ma, nos tran­qui­li­za. En­ten­de­mos que to­dos nós es­ta­mos afli­tos por uma res­pos­ta, mas não há nin­guém mais afli­to que as fa­mí­li­as. Pe­di­mos que a im­pren­sa res­pei­te. Há dois mo­men­tos: da an­gús­tia e das in­ves­ti­ga­ções. Não é um ca­so fá­cil. Mas es­ta­mos di­an­te de uma equi­pe téc­ni­ca al­ta­men­te qua­li­fi­ca­da que nos ga­ran­tiu que o re­sul­ta­do cor­re­to se­rá nos da­do. Aguar­da­re­mos o tem­po ne­ces­sá­rio pa­ra sa­ber a ver­da­de”, dis­se a viú­va Mô­ni­ca Be­ní­cio.

FOTO: DANI­EL CAS­TE­LO BRANCO

Frei­xo acom­pa­nhou Mô­ni­ca Be­ní­cio (C) e Luya­ra, viú­va e fi­lha de Ma­ri­el­le, na reu­nião com o che­fe de Po­lí­cia

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.