Fan­tas­mas da mi­nha in­fân­cia

O Dia - - OPINIÃO - Luiz Pi­men­tel Jor­na­lis­ta

Pa­ro­di­an­do a len­da amazô­ni­ca do bo­to en­can­ta­dor, que à noi­te saía das águas do rio pa­ra en­gra­vi­dar as don­ze­las, na ci­da­de on­de pas­sei a in­fân­cia ti­nha um fan­tas­ma com es­sa ma­nia.

In­va­dia as ca­sas (es­pe­ci­al­men­te os quar­tos) nas ma­dru­ga­das, se apro­vei­tan­do das mo­ci­nhas do lu­gar, que só qu­an­do o dia ama­nhe­cia per­ce­bi­am o es­tra­go (?) fei­to. To­da gra­vi­dez inex­pli­cá­vel ti­nha uma ex­pli­ca­ção: “Foi o fan­tas­ma ta­ra­do.” Du­zi­nha, a vi­zi­nha mais fei­nha, um dia de­sa­ba­fou com as ami­gas: “Dur­mo pe­la­da, com a ja­ne­la es­can­ca­ra­da, e es­se tras­te des­se fan­tas­ma ja­mais deu uma apro­vei­ta­da­zi­nha se­quer de mim. Ou ele é ve­a­do ou te­nho al­go de er­ra­do.

To­nhão, o ir­mão gros­sei­rão, não per­do­ou: “Ô, ma­na, não per­ce­beu ain­da que o ma­lan­dro só ata­ca mo­ça bo­ni­ta?! Ele é fan­tas­ma, mas não é bo­bo.

Ta­deu be­bia mui­to.

Com a pro­gres­são do al­co­o­lis­mo, co­me­çou a ver um fan­tas­ma to­da vez que to­ma­va uma car­ras­pa­na. Um su­jei­to en­cren­quei­ro e de­sa­gra­dá­vel (sem­pre ves­ti­do de branco, cla­ro), que fi­ca­va zo­an­do nos ou­vi­dos do meu ami­go, di­zen­do que ele era ado­ta­do, que a na­mo­ra­da es­ta­va sain­do com ou­tro, que o Bahia ja­mais se­ria cam­peão, es­sas as­som­bra­ções. Um dia eu che­guei com a so­lu­ção: “To­ma um chá de bol­do bem for­te, um ca­fé bem amar­go, Ta­deu, que es­se fan­tas­ma so­me na ho­ra.”

Ta­deu fi­cou meu ini­mi­go por um bom tem­po.

***

Seu Al­fre­do era vi­ci­a­do em jo­go do bi­cho e acor­da­va to­das as ma­nhãs “Dur­mo pe­la­da, com a ja­ne­la es­can­ca­ra­da, e es­se tras­te des­se fan­tas­ma ja­mais deu uma apro­vei­ta­da­zi­nha” com um pal­pi­te. Di­zia re­ce­ber a vi­si­ta de um fan­tas­ma, du­ran­te o so­no, que can­ta­va as de­ze­nas no seu ou­vi­do. Mal le­van­ta­va da ca­ma, en­go­lia um ca­fé e cor­ria pa­ra o pon­to on­de fa­zia sua fe­zi­nha.

Até que um dia, de tan­to in­sis­tir e jo­gar di­nhei­ro fo­ra, acer­tou um mi­lhar na ca­be­ça e co­lo­cou a mão em boa bo­la­da.

Na ma­dru­ga­da se­guin­te a mu­lher, Dur­va­li­na, foi acor­da­da pe­los gri­tos do ma­ri­do:

“Nem pen­sar! Coi­sa ne­nhu­ma! Nem um tos­tão!”

Quis sa­ber o que es­ta­va acon­te­cen­do e Seu Al­fre­do, bas­tan­te ner­vo­so, ex­pli­cou:

“O sa­fa­do do fan­tas­ma, ima­gi­na só, es­tá exi­gin­do me­ta­de do que ga­nhei...”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.