A vi­si­ta de Re­na­ta

O Dia - - OPINIÃO - Ga­bri­el Cha­li­ta Pro­fes­sor e es­cri­tor

Re­na­ta foi à ca­sa de Ma­ri­na. São ami­gas. Co­nhe­ce­ram-se há mui­to tem­po e, há mui­to tem­po, têm o há­bi­to de se vi­si­ta­rem.

Ma­ri­na é pro­fes­so­ra de yo­ga. Gos­ta das prá­ti­cas de me­di­ta­ção. Gos­ta da dan­ça. Gos­ta de re­ce­ber pes­so­as em sua ca­sa pa­ra se ali­men­ta­rem de pro­sa.

Re­na­ta é viú­va. Vi­ve do que o ma­ri­do dei­xou. Vez ou ou­tra, vi­si­ta os fi­lhos e os aju­da com os ne­tos.

Ma­ri­na pre­pa­rou um foun­due pa­ra re­ce­ber a ami­ga. Re­na­ta che­gou e quis sa­ber lo­go o que te­ri­am pa­ra jan­tar. Ma­ri­na en­cheu o sor­ri­so de sa­tis­fa­ção e dis­se, no jei­to que sa­bia, “Fou­due”. Re­na­ta a cor­ri­giu. Ex­pli­cou qual era a pro­nún­cia cor­re­ta. Quis sa­ber se ha­via al­go mais. Ma­ri­na fa­lou que ha­via pre­pa­ra­do uma be­la mai­o­ne­se. Re­na­ta me­ne­ou a ca­be­ça e dis­se que não com­bi­na­va. E, de sua con­tra­ri­e­da­de com a tal mai­o­ne­se, fo­ram nas­cen­do ou­tras ob­ser­va­ções.

“Não gos­to mui­to de bos­sa no­va, vo­cê po­de­ria co­lo­car ou­tra mú­si­ca?”, pe­diu Re­na­ta. E Ma­ri­na foi lo­go mu­dan­do. “Po­de ser mú­si­ca fran­ce­sa, vo­cê gos­ta de Pi­af ?” Re­na­ta não dis­se na­da, mas aqui­es­ceu com a ca­be­ça.

“É es­se quei­jo que vo­cê vai usar no fon­due?” Ma­ri­na não en­ten­deu a con­tra­ri­e­da­de e per­gun­tou: “Qual quei­jo eu de­ve­ria usar?” Re­na­ta fez uma ex­pres­são de tan­to faz e não deu sequên­cia ao as­sun­to.

“Es­sa água é mi­ne­ral?”, per­gun­tou Re­na­ta. “É do fil­tro de ca­sa, ué, vo­cê já to­mou vá­ri­as ve­zes”. Re­na­ta pros­se­gue: “Tem co­ca ze­ro?” Ma­ri­na, pron­ta­men­te, res­pon­de: “Tem, sim, vou pe­gar pa­ra vo­cê”. “Pre­fi­ro gua­ra­ná”. “Uhm, gua­ra­ná, eu não te­nho”. “Ah, não. En- tão dei­xa. Eu não es­tou com se­de. De­pois to­mo em ca­sa”.

“Vo­cê não tem ar con­di­ci­o­na­do na sa­la, né?”

“Não te­nho. O pé di­rei­to é al­to. E es­tá frio. Por que vo­cê quer ar con­di­ci­o­na­do?”

Re­na­ta olha pa­ra o na­da. “Tem so­bre­me­sa?”

Ma­ri­na se ani­ma, “Eu fiz o pu­dim de lei­te que vo­cê ado­ra”. “Pu­dim não com­bi­na com fon­due, tem al­gu­ma fru­ta?” “Tem, Re­na­ta, tem mo­ran­go, tem la­ran­ja, tem pe­ra, uva”. “Gos­to mui­to de ma­mão, mas não fa­ço ques­tão”.

Ma­ri­na foi bus­can­do al­gu­ma pa­ci­ên­cia so­bre­vi­ven­te.

“Can­sei des­sa mú­si­ca fran­ce­sa”. Quan­do ou­viu, Ma­ri­na quis de­vol­ver com um “E eu can­sei de vo­cê”. Mas não dis­se na­da.O jan­tar es­ta­va por ter­mi­nar. Era me­lhor res­pi­rar e ou­vir a bos­sa no­va que si­len­ci­a­va as cha­te­a­ções, “Tris­te­za, por fa­vor, vai em­bo­ra, mi­nha al­ma que cho­ra, es­tá ven­do o meu fim”.

“Pre­ci­so ir em­bo­ra”, dis­se Re­na­ta se le­van­tan­do. E pros­se­guiu, “Vai cho­ver”.

Pe­la ja­ne­la, Ma­ri­na viu o céu es­tre­la­do e uma lua que­ren­do cres­cer. “Vai cho­ver, sim”, con­cor­dou Ma­ri­na já se des­pe­din­do.

Quan­do Re­na­ta se foi, ela olhou pa­ra o céu e agra­de­ceu es­tar so­zi­nha. A mú­si­ca pros­se­guia. O pu­dim es­ta­va de­li­ci­o­so. A água fil­tra­da fil­tra­va ex­pe­ri­ên­ci­as ruins e da­va re­fres­co à noi­te fria.

Al­gu­mas ami­za­des tei­mam em des­res­pei­tar as de­li­ca­de­zas dos en­con­tros. Ou­tras tei­mam em acei­tar. Por en­quan­to.

“Qu­e­ro vol­tar àque­la vi­da de ale­gria, qu­e­ro de no­vo can­tar”.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.