Fim dos li­xões no Rio em até dois anos

Pro­mes­sa do Inea é pa­ra fechamento de dez uni­da­des ir­re­gu­la­res de re­sí­du­os no in­te­ri­or do es­ta­do

O Dia - - VIDA E MEIO AMBIENTE - Do es­ta­giá­rio Ga­bri­el Tho­maz, sob su­per­vi­são de An­gé­li­ca Fer­nan­des (an­ge­li­ca.fer­nan­des@odia.com.br)

Uma re­a­li­da­de do sé­cu­lo re­tra­sa­do. Ca­pa­zes de afe­tar o so­lo, a água e con­se­quen­te­men­te a saú­de de pes­so­as que vi­vem em seu en­tor­no, dez li­xões — lo­ca­li­za­dos em Bom Je­sus do Ita­ba­po­a­na, Cam­bu­ci, Ital­va, Ita­pe­ru­na, Man­ga­ra­ti­ba, Na­ti­vi­da­de, Por­ciún­cu­la, Re­sen­de, São Fi­dé­lis e Te­re­só­po­lis —já têm da­ta pa­ra aca­bar: 2020. A pro­mes­sa de fechamento des­sas ins­ta­la­ções foi fei­ta pe­lo pre­si­den­te do Inea, Marcus de Al­mei­da Li­ma, em au­di­ên­cia nes­ta se­ma­na, na Co­mis­são de De­fe­sa do Meio Am­bi­en­te, na Alerj.

“Não de­pen­de só do Inea. Tem li­xão que a gen­te já in­ter­di­tou, mas a Jus­ti­ça man­dou abrir. Exis­tem mu­ni­cí­pi­os que re­cor­rem, mos­tran­do que não têm ou­tra al­ter­na­ti­va de des­car­te e que pre­ci­sam de tem­po pa­ra li­ci­tar. Mas mes­mo as­sim a gen­te ten­ta e pre­ten­de re­sol­ver a cur­to pra­zo”, ex­pli­cou Marcus de Al­mei­da Li­ma.

De res­pon­sa­bi­li­da­de do mu­ni­cí­pio, a ges­tão ina­de­qua­da do li­xo é o prin­ci­pal mo­ti­vo pa­ra o sur­gi­men­to de li­xões. “Já po­día­mos ter su­pe­ra­do os li­xões no Bra­sil há pe­lo me­nos cem anos se a des­ti­na­ção de re­sí­du­os só­li­dos fos­se fei­ta de ma­nei­ra cor­re­ta. Uma ques­tão pou­co co­lo­ca­da é que, pa­ra a re­cu­pe­ra­ção des­sas áre­as, é ne­ces­sá­rio al­to in­ves­ti­men­to fi­nan­cei­ro”, es­cla­re­ceu Jor­ge Pe­ron, ge­ren­te de Sus­ten­ta­bi­li­da­de da Fir­jan.

LI­XÃO X ATERRO

Se­gun­do es­pe­ci­a­lis­tas, a prin­ci­pal di­fe­ren­ça en­tre um li­xão e um aterro con­tro­la­do é a dre­na­gem de cho­ru­me e o tra­ta­men­to dos re­sí­du­os.

“O cho­ru­me é um lí­qui­do pro­ve­ni­en­te da de­com­po­si­ção que pre­ci­sa ser co­le­ta­do pe­la sua al­ta ca­pa­ci­da­de de con­ta­mi­na­ção. O so­lo do lo­cal on­de o li­xo foi de­po­si­ta­do é in­fec­ta­do por es­se flui­do. Ou­tro pre­juí­zo pa­ra pes­so­as que vi­vem pró­xi­mas a li­xões é a ca­pa­ci­da­de que o cho­ru­me tem de con­ta­mi­nar a água e até os ri­os de de­ter­mi­na­da lo­ca­li­da­de”, aler­tou Jor­ge Pe­ron.

A co­mis­são da Alerj vai cri­ar um gru­po de tra­ba­lho pa­ra que to­dos os re­pre­sen­tan­tes que es­ti­ve­ram na au­di­ên­cia tra­gam su­as con­tri­bui­ções com ob­je­ti­vo de concretizar o fechamento dos li­xões. Ao to­do, 74 mu­ni­cí­pi­os do Rio cum­prem com a Lei que ins­ti­tuiu a Po­lí­ti­ca Na­ci­o­nal de Re­sí­du­os Só­li­dos, cri­a­da em 2010, e des­pe­jam os re­sí­du­os em ater­ros. Di­a­ri­a­men­te eles re­ce­bem 18 mil to­ne­la­das de li­xo.

Exis­tem mu­ni­cí­pi­os que re­cor­rem, mos­tran­do que não têm ou­tra al­ter­na­ti­va de des­car­te e que pre­ci­sam de tem­po pa­ra li­ci­tar

MARCUS DE AL­MEI­DA, Inea

WIL­SON DI­AS/AGÊN­CIA BRA­SIL

Os dez li­xões, al­vos de fechamento, es­tão na Re­gião Ser­ra­na, Cos­ta Ver­de, Nor­te e Sul Flu­mi­nen­se

LEOPOLDO SIL­VA/AGÊN­CIA SE­NA­DO/FO­TOS PÚ­BLI­CAS

Es­pe­ci­a­lis­tas di­zem que, pa­ra re­cu­pe­rar áre­as, é pre­ci­so in­ves­ti­men­to

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.