INSS não po­de des­con­tar va­lo­res re­ce­bi­dos na Jus­ti­ça

Ins­ti­tu­to es­tá im­pe­di­do de co­brar por be­ne­fí­ci­os con­quis­ta­dos em de­ci­sões ju­di­ci­ais, co­mo a de­sa­po­sen­ta­ção.

O Dia - - FRONT PAGE - MARTHA IMENES martha.imenes@odia.com.br

OINSS não po­de co­brar ad­mi­nis­tra­ti­va­men­te, nem des­con­tar do pa­ga­men­to, o que foi re­ce­bi­do de boa-fé pe­los apo­sen­ta­dos que con­se­gui­ram na Jus­ti­ça be­ne­fí­ci­os pre­vi­den­ciá­ri­os e as­sis­ten­ci­ais, tu­te­la an­te­ci­pa­da e sen­ten­ça, além de apo­sen­ta­do­ri­as re­for­ma­das por de­ci­são ju­di­ci­al. In­clu­si­ve os ca­sos de de­sa­po­sen­ta­ção, quan­do o aposentado que con­ti­nu­a­va a tra­ba­lhar com car­tei­ra as­si­na­da in­cluía no be­ne­fí­cio os va­lo­res re­co­lhi­dos à Pre­vi­dên­cia, não po­dem ser des­con­ta­dos.

A Jus­ti­ça aca­tou o pe­di­do fei­to em Ação Ci­vil Pú­bli­ca mo­vi­da pe­lo Sin­di­ca­to Na­ci­o­nal dos Apo­sen­ta­dos e Ido­sos (Sind­na­pi), li­ga­do à For­ça Sin­di­cal pa­ra que os des­con­tos ad­mi­nis­tra­ti­vos fos­sem sus­pen­sos. Após a de­ci­são, o INSS di­vul­gou me­mo­ran­do in­ter­no, o qual O DIA te­ve aces­so, on­de de­ter­mi­na que o ins­ti­tu­to fi­que “em âm­bi­to na­ci­o­nal, obri­ga­do a abs­ter-se de co­brar, ad­mi­nis­tra­ti­va­men­te, va­lo­res ati­nen­tes aos be­ne­fí­ci­os pre­vi­den­ciá­ri­os e as­sis­ten­ci­ais con­ce­di­dos por meio de de­ci­são li­mi­nar, tu­te­la an­te­ci­pa­da e sen­ten­ça”. A sen­ten­ça de­ter­mi­na, in­clu­si­ve, que co­bran­ças ad­mi­nis­tra­ti­vas que es­te­jam em cur­so se­jam in­ter­rom­pi­das e re­me­ti­das à Pro­cu­ra­do­ria-Ge­ral de Fa­zen­da (PGF).

“O INSS es­ta­va co­bran­do es­se di­nhei­ro de for­ma ad­mi­nis­tra­ti­va, quan­do na ver­da­de de­ve­ria fa­zer es­se pe­di­do de for­ma ju­di­ci­al”, cri­ti­ca João Ba­da­ri, do es­cri­tó­rio Aith, Ba­da­ri e Lu­chin Ad­vo­ga­dos.

RE­TO­MA­DA

Des­de maio de 2016 o INSS tem re­vi­sa­do apo­sen­ta­do­ri­as e to­ma­do de vol­ta até 30% do va­lor de quem te­ve in­cluí­das con­tri­bui­ções pos­te­ri­o­res à con­ces­são do be­ne­fí­cio por or­dem ju­di­ci­al. Até mes­mo nos ca­sos de ações de re­vi­sões on­de fo­ram con­ce­di­das tu­te­las an­te­ci­pa­das e que fo­ram pos­te­ri­or­men­te can­ce­la­das pe­la Jus­ti­ça, os apo­sen­ta­dos re­ce­bi­am uma car­ta do ins­ti­tu­to in­for­man­do so­bre o dé­bi­to e a co­bran­ça do va­lor. “Ori­en­tar as agên­ci­as e pos­tos que não de­vem fa­zer os des­con­tos foi uma de­ci­são acer­ta­da do INSS”, ava­lia Ba­da­ri.

Um pon­to im­por­tan­te a des­ta­car, se­gun­do o es­pe­ci­a­lis­ta, é que de­pois da de­ci­são do Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral (STF), que bar­rou a de­sa­po­sen­ta­ção em 2016, a cor­te de­ve­ria de­ta­lhar se o des­con­to do que foi re­ce­bi­do co­mo tu­te­la an­te­ci­pa­da se­ria fei­to pe­lo ins­ti­tu­to e, ca­so de­ci­dis­se so­bre a de­vo­lu­ção do di­nhei­ro, co­mo se da­ria es­se des­con­to. “Ain­da não há de­ci­são de co­mo es­se di­nhei­ro se­rá de­vol­vi­do, aguar­da­mos a mo­du­la­ção da sen­ten­ça”, diz Ba­da­ri.

Co­mo jus­ti­fi­ca­ti­va pa­ra co­bran­ça, o INSS uti­li­za­va uma de­ci­são do Su­pe­ri­or Tri­bu­nal de Jus­ti­ça (STJ) - que de­ter­mi­na a de­vo­lu­ção do va­lor re­ce­bi­do co­mo tu­te­la an­te­ci­pa­da aos co­fres do INSS - pa­ra fa­zer os des­con­tos. “O ins­ti­tu­to de­ve es­pe­rar a de­ci­são fi­nal do Su­pre­mo e não usar uma sen­ten­ça do STJ. Há, no mí­ni­mo, um con­fron­to de de­ci­sões de dois tri­bu­nais su­pe­ri­o­res”, ad­ver­te Ba­da­ri.

E os des­con­tos não se li­mi­ta­vam a quem ain­da es­ta­va com ação em an­da­men­to no Su­pre­mo. Os se­gu­ra­dos que ti­ve­ram seus pro­ces­sos fi­na­li­za­dos tam­bém eram al­vo do INSS. Quem te­ve seu be­ne­fí­cio re­a­jus­ta­do por con­ta da de­sa­po­sen­ta­ção tam­bém so­freu re­du­ção na pen­são via ação res­ci­só­ria por par­te do ins­ti­tu­to.

DI­VUL­GA­ÇÃO

João Ba­da­ri: ‘O INSS não po­de fa­zer as co­bran­ças ad­mi­nis­tra­ti­va­men­te, so­men­te ju­di­ci­al­men­te’

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.