Mi­nis­tro pe­de para PGR re­ver inquérito que in­ves­ti­ga Aé­cio

Após abrir pro­ce­di­men­to so­bre sus­pei­tas en­vol­ven­do o tu­ca­no num es­que­ma de pro­pi­na em Fur­nas, re­la­tor aca­ta de­fe­sa e para di­li­gên­ci­as

O Estado de São Paulo - - Política - Isa­do­ra Pe­ron Gus­ta­vo Aguiar

Me­nos de 24 ho­ras de­pois de au­to­ri­zar a aber­tu­ra de um inquérito con­tra o pre­si­den­te do PSDB, se­na­dor Aé­cio Neves (MG), o mi­nis­tro do Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral Gil­mar Men­des sus­pen­deu o an­da­men­to das in­ves­ti­ga­ções so­bre sus­pei­ta de en­vol­vi­men­to do tu­ca­no em um es- que­ma de pro­pi­na na es­ta­tal Fur­nas Cen­trais Elé­tri­cas.

Ele tam­bém pe­diu que o pro­cu­ra­dor-ge­ral da Re­pú­bli­ca, Ro­dri­go Ja­not, ava­lie se há re­al­men­te a ne­ces­si­da­de do pro­ce­di­men­to con­tra o se­na­dor.

O mi­nis­tro aca­tou ar­gu­men­ta­ção da de­fe­sa de Aé­cio de que não há ele­men­tos no­vos que jus­ti­fi­cam a ins­tau­ra­ção de um inquérito, já que os de­ta­lhes que cons­tam na de­la­ção do se­na­dor cas­sa­do Del­cí­dio Ama­ral (sem par­ti­do-MS) já eram de co­nhe­ci­men­to da Pro­cu­ra­do­ria-Ge­ral da Re­pú­bli­ca.

“A pe­ti­ção do par­la­men­tar po­de de­mons­trar que a re­to­ma­da das in­ves­ti­ga­ções ocor­reu sem que ha­ja no­vas pro­vas. Além dis­so, é pos­sí­vel que a ma­ni­fes­ta­ção sa­tis­fa­ça as di­li­gên­ci­as pro­ba­tó­ri­as pos­tu­la­das pe­lo pro­cu­ra­dor-ge­ral da Re­pú­bli­ca, pos­si­bi­li­tan­do a ime­dia- ta for­ma­ção de juí­zo acer­ca do des­ti­no da in­ves­ti­ga­ção, afir­mou o mi­nis­tro.

O su­pos­to en­vol­vi­men­to de Aé­cio no es­que­ma de Fur­nas ha­via si­do men­ci­o­na­do an­te­ri­or­men­te pe­lo do­lei­ro Al­ber­to Yous­sef em de­la­ção pre­mi­a­da. Mas, na época, a men­ção ao tu­ca­no foi ar­qui­va­da a pe­di­do de Ja­not, que con­si­de­rou na oca­sião que as in­for­ma­ções do de­la­tor eram in­su­fi­ci­en­tes.

Se­gun­do o Es­ta­do apu­rou, a de­ci­são de Gil­mar pe­gou in­te­gran­tes da equi­pe de Ja­not de sur­pre­sa e foi con­si­de­ra­da "inu­si­ta­da". Eles ar­gu­men­tam que se o pro­cu­ra­dor-ge­ral não achas­se que a de­la­ção de Del­cí­dio trou­xe ele­men­tos no­vos so­bre o ca­so de Aé­cio, ele não ha­ve­ria pe­di­do a in­ves­ti­ga­ção.

Aé­cio é in­ves­ti­ga­do por su­pos­to re­ce­bi­men­to de pro­pi­na de em­pre­sas ter­cei­ri­za­das que man­ti­nham con­tra­to com Fur­nas. A van­ta­gens in­de­vi­das se­ri­am pa­gas pe­las em­pre­sas ao ex-diretor da com­pa­nhia, Di­mas To­le­do, que as re­pas­sa­va para o tu­ca­no. Na ma­ni­fes­ta­ção de de­fe­sa en­vi­a­da por Aé­cio a Gil­mar, o se­na­dor afir­ma que o Tri­bu­nal de Con­tas da União re­a­li­zou au­di­to­ria nos con­tra­tos de ter­cei­ri­za­ção da com­pa­nhia e não cons­ta­tou in­dí­ci­os de des­vio. O tu­ca­no tam­bém es­cla­re­ceu que seu avô e o avô de Di­mas To­le­do eram cor­re­li­gi­o­ná­ri­os po­lí­ti­cos, o que ex­pli­ca a ami­za­de das fa­mí­li­as.

Con­ta. Em ou­tra li­nha da in­ves­ti­ga­ção, es­tá a sus­pei­ta de que re­cur­sos ilí­ci­tos oriun­dos do es­que­ma fos­sem la­va­dos no ex­te­ri­or por meio de uma em­pre­sa li­ga­da à ir­mã de Aé­cio, bem co­mo pe­lo en­vio de va­lo­res a con­ta em Li­ch­tens­tein, uti­li­zan­do o ser­vi­ço de do­lei­ros.

A de­fe­sa de Aé­cio ale­ga que es­sa em­pre­sa foi aber­ta em 1993 e en­cer­rou su­as ati­vi­da­des em 1999, e não em 2010, o que faz com que a em­pre­sa es­ti­ves­se fo­ra de ati­vi­da­de na época em que

DA­NI­EL TEI­XEI­RA/ESTADÃO

Equi­pe. Se­na­dor tu­ca­no Aé­cio Neves (MG) du­ran­te a ce­rimô­nia de pos­se dos mi­nis­tros do pre­si­den­te em exer­cí­cio, Mi­chel Te­mer, no Pa­lá­cio do Pla­nal­to

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.