Ca­das­tro po­si­ti­vo en­fren­ta re­sis­tên­cia de ban­cos

O Estado de S. Paulo - - Economia -

A pre­o­cu­pa­ção do go­ver­no é que as me­di­das mi­cro­e­conô­mi­cas não te­nham um ca­rá­ter in­ter­ven­ci­o­nis­ta, de cu­nho vo­lun­ta­ris­ta, mas sim efei­to de fa­to. O go­ver­no quer evi­tar o acon­te­ceu com o ca­das­tro po­si­ti­vo, que não fun­ci­o­nou na prá­ti­ca de­pois que a re­gu­la­men­ta­ção foi lan­ça­da há al­guns anos. “Em vá­ri­os paí­ses do mun­do, o ca­das­tro fun­ci­o­na, mas no Bra­sil ele so­freu re­sis­tên­ci­as por­que os ban­cos não que­rem com­par­ti­lhar in­for­ma­ção da sua ba­se de cli­en­tes. Is­so por­que es­se com­par­ti­lha­men­to au­men­ta a con­cor­rên­cia e eles per­dem po­der de mer­ca­do”, dis­se uma fon­te en­vol­vi­da nas ne­go­ci­a­ções.

A me­lho­ria das ga­ran­ti­as é ou­tro pon­to cen­tral pa­ra a re­du­ção do cus­to e da ina­dim­plên­cia, um dos itens que pe­sam pa­ra a ele­va­ção da spre­ad ban­cá­rio, além da car­ga tri­bu­tá­ria.

Pa­ra o ex-pre­si­den­te do BC Ar­mí­nio Fra­ga, a me­lho­ria do ca­das­tro po­si­ti­vo é mui­to im­por­tan­te nes­sa agen­da. Ele lem­brou que Ilan Gold­fajn, quan­do in­te­grou a sua equi­pe no BC, tra­ba­lhou nu­ma agen­da de re­du­ção do spre­ad. Pa­ra ele, a re­to- ma­da des­sa es­tra­té­gia vem em boa ho­ra e de­ve in­cluir me­di­das pa­ra di­mi­nuir a con­cen­tra­ção ban­cá­ria e a en­tra­da de no­vos con­cor­ren­tes.

Se­gun­do fon­tes, “que­ren­do ou não os gran­des ban­cos”, há que se en­fren­tar a ques­tão da al­ta con­cen­tra­ção ban­cá­ria. “Não é uma ba­la de pra­ta, mas tam­bém não po­de ser ig­no­ra­da”, afir­mou uma fon­te. A es­tra­té­gia é afas­tar as bar­rei­ras de en­tra­da pa­ra os ban­cos es­tran­gei­ros no mer­ca­do, iden­ti­fi­can­do as ra­zões pe­las quais eles não con­se­guem se man­ter ren­tá­veis no Bra­sil, co­mo Ci­ti­bank, BBVA e tan­tas ou­tras ins­ti­tui­ções que che­ga­ram no pas­sa­do ao mer­ca­do bra­si­lei­ro.

Pa­ra o ex-di­re­tor do BC Carlos Tha­deu de Frei­tas, a re­du­ção do spre­ad não vai acon­te­cer de uma ho­ra pa­ra ou­tra, prin­ci­pal­men­te por­que ho­je os ban­cos não que­rem em­pres­tar. Se­gun­do ele, se­rá pre­ci­so a re­du­ção da car­ga tri­bu­tá­ria. “Não faz sen­ti­do ter IOF so­bre a in­ter­me­di­a­ção fi­nan­cei­ra.” Ele diz que o BC tam­bém pre­ci­sa ti­rar os ban- cos da zo­na de con­for­to pro­por­ci­o­na­da pe­las ope­ra­ções over­night de mer­ca­do aber­to, que ad­mi­nis­tram a li­qui­dez do mer­ca­do. Na sua ava­li­a­ção, é ne­ces­sá­rio que os ban­cos te­nham mais ris­cos nes­sas ope­ra­ções diá­ri­as pa­ra que se­jam es­ti­mu­la­dos a em­pres­tar mais.

Pro­cu­ra­da, a Fe­bra­ban não quis co­lo­car um por­ta-voz pa­ra fa­lar so­bre a agen­da. Dis­se ape­nas que apoia as ini­ci­a­ti­vas e es­tá tra­ba­lhan­do jun­to com o BC pa­ra a me­lho­ria do am­bi­en­te de cré­di­to.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.