Con­gres­so vê bre­cha pa­ra di­fi­cul­tar de­la­ções

Le­gis­la­ti­vo. Pro­pos­tas se­rão dis­cu­ti­das em CPMI e em co­mis­são es­pe­ci­al da Câ­ma­ra; res­ci­são de acor­do da J&F abre bre­cha pa­ra re­vi­sar le­gis­la­ção que tra­ta de co­la­bo­ra­ções

O Estado de S. Paulo - - Primeira Página - Thiago Fa­ria Re­nan Truf­fi Isa­do­ra Pe­ron / BRA­SÍ­LIA

A res­ci­são do acor­do da J&F abriu bre­cha pa­ra ado­ção de re­gras mais rí­gi­das pa­ra de­la­ções. A in­ten­ção é usar a CPMI da JBS pa­ra de­ba­ter me­di­das que di­fi­cul­tem no­vas co­la­bo­ra­ções.

A res­ci­são do acor­do fir­ma­do com exe­cu­ti­vos do Gru­po J&F abriu bre­cha pa­ra que par­la­men­ta­res vol­tem a dis­cu­tir re­gras mais rí­gi­das pa­ra que Mi­nis­té­rio Pú­bli­co Fe­de­ral e Po­lí­cia Fe­de­ral ne­go­ci­em de­la­ções pre­mi­a­das. A in­ten­ção é usar a re­cém-cri­a­da CPMI da JBS pa­ra de­ba­ter me­di­das que, na prá­ti­ca, di­fi­cul­tem e pos­sam até in­vi­a­bi­li­zar no­vas co­la­bo­ra­ções.

En­tre as re­gras pre­vis­tas es­tão itens co­mo es­ta­be­le­cer na lei be­ne­fí­ci­os pre­de­fi­ni­dos a de­la­to­res de acor­do com o grau de co­la­bo­ra­ção, li­mi­tan­do a van­ta­gem à me­ta­de da pe­na má­xi­ma pre­vis­ta pa­ra o cri­me ad­mi­ti­do. As­sim, um de­la­tor que con­fes­sar ter cor­rom­pi­do um po­lí­ti­co, por exem­plo, te­ria de cum­prir no mí­ni­mo seis anos de pri­são, uma vez que a pe­na má­xi­ma pa­ra es­te cri­me é de 12 anos.

Ca­sos co­mo o dos ir­mãos Jo­es­ley e Wes­ley Ba­tis­ta, da JBS, que ne­go­ci­a­ram imu­ni­da­de pe­nal em tro­ca de pro­vas que in­cri­mi­nas­sem o pre­si­den­te Mi­chel Te­mer, se­ri­am proi­bi­dos.

Ou­tra pro­pos­ta em dis­cus­são é a de fi­xar um pra­zo pa­ra que can­di­da­tos a de­la­to­res que es­te­jam pre­sos pro­vi­so­ri­a­men­te ne­go­ci­em um acor­do de co­la­bo­ra­ção. “Se pas­sar um de­ter­mi­na­do tem­po que o ci­da­dão es­tá en­car­ce­ra­do, não é pos­sí­vel mais de­la­tar”, afir­mou Car­los Ma­run (PMDB-MS), re­la­tor da CPMI e um dos en­tu­si­as­tas da re­vi­são da lei que tra­ta das co­la­bo­ra­ções pre­mi­a­das.

A es­co­lha de Ma­run pa­ra re­la­tar a CPMI pro­vo­cou re­be­lião no co­le­gi­a­do na se­ma­na pas­sa­da. Ao me­nos qua­tro par­la­men­ta­res dei­xa­ram a co­mis­são após ele as­su­mir a fun­ção.

O pe­e­me­de­bis­ta é um dos prin­ci­pais no­mes da cha­ma­da tro­pa de cho­que de Te­mer no Con­gres­so e o re­ceio é, jus­ta­men­te, que o go­ver­no use a co­mis­são pa­ra ou­tros fins, que não se­ja o de in­ves­ti­gar ir­re­gu­la­ri­da­des en­vol­ven­do a em­pre­sa de pro­ces­sa­men­to de car­nes.

De­la­ções. O uso das de­la­ções pre­mi­a­das co­mo for­ma de ob­ten­ção de pro­vas em in­ves­ti­ga­ções es­tá pre­vis­ta na Lei das Or­ga­ni­za­ções Cri­mi­no­sas, san­ci­o­na­da pe­la pre­si­den­te cas­sa­da Dil­ma Rous­seff em 2013. Al­guns pon­tos, po­rém, ain­da es­tão em dis­cus­são no Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral (STF), co­mo a per­mis­são pa­ra que a PF as­si­ne acor­dos por con­ta pró­pria.

O mai­or en­vol­vi­men­to da PF nas ne­go­ci­a­ções é jus­ta­men­te um dos pon­tos que de­vem ser de­ba­ti­dos na CPMI. Su­bre­la­tor da co­mis­são, o de­pu­ta­do De­le­ga­do Fran­cis­chi­ni (SD-PR) de­fen­de o aval da ins­ti­tui­ção an­tes de qual­quer acor­do ser as­si­na­do. “Se­ria uma es­pé­cie de fa­se pré­via do acor­do, que te­ria de pas­sar por ave­ri­gua­ção da PF”, dis­se Fran­cis­chi­ni, que é de­le­ga­do da PF.

An­tes mes­mo da CPMI, as mu­dan­ças nas re­gras das de­la­ções já eram dis­cu­ti­das na co­mis­são es­pe­ci­al da Câ­ma­ra que tra­ta da re­for­mu­la­ção do Có­di­go de Pro­ces­so Pe­nal, mas o re­la­tor, de­pu­ta­do João Cam­pos (PRB-GO), re­sis­te em in­cluir o

te­ma em seu re­la­tó­rio.

Pa­ra o pre­si­den­te da co­mis­são es­pe­ci­al, de­pu­ta­do Da­ni­lo For­te (PSB-PE), no en­tan­to, es­se en­ten­di­men­to ga­nhou for­ça após os pro­ble­mas apre­sen­ta­dos no acor­do da J&F. “Ho­je há um po­der ex­ces­si­vo con­cen­tra­do na mão dos pro­cu­ra­do­res”, afir­mou For­te.

O pre­si­den­te da CPMI, se­na­dor Ataí­des Oli­vei­ra (PSDBTO), dis­se que os de­poi­men­tos de en­vol­vi­dos na de­la­ção da J&F po­dem con­tri­buir pa­ra o de­ba­te. Ques­ti­o­na­do se apoia uma re­vi­são da lei, dis­se que sim, em­bo­ra a le­gis­la­ção atu­al o agra­de. “Se for pa­ra me­lho­rar a lei a bem do nos­so País, sim (apoia a re­vi­são), mas, no mo­men­to, a lei da de­la­ção mui­tís­si­mo me agra­da.”

A pre­vi­são tan­to na co­mis­são par­la­men­tar de inqué­ri­to quan­to na co­mis­são es­pe­ci­al é ter uma pro­pos­ta con­cre­ta até o fim do ano.

La­va Ja­to. O pro­cu­ra­dor re­gi­o­nal da Re­pú­bli­ca Car­los Fer­nan­do dos San­tos Li­ma, in­te­gran­te da for­ça-ta­re­fa da La­va Ja­to em Cu­ri­ti­ba, cri­ti­cou as pro­pos­tas em dis­cus­são no Con­gres­so e apon­tou mu­dan­ças que po­dem in­vi­a­bi­li­zar de­la­ções. “Te­mos que lem­brar que um co­la­bo­ra­dor po­de es­tar sen­do in­ves­ti­ga­do ou acu­sa­do por um ou ou­tro cri­me, mas te­rá de tra­zer pro­va de mui­tos ou­tros, até en­tão des­co­nhe­ci­dos das au­to­ri­da­des. Qual se­rá o in­cen­ti­vo pa­ra es­se com­por­ta­men­to se, ao fi­nal, re­ce­be­rá pe­na por es­ses ou­tros cri­mes?”, ques­ti­o­nou Li­ma, em re­fe­rên­cia à pro­pos­ta de li­mi­tar be­ne­fí­ci­os.

Pa­ra o pro­cu­ra­dor, a res­ci­são do acor­do de exe­cu­ti­vos da J&F, em vez de en­fra­que­cer, for­ta­le­ce o ins­ti­tu­to da de­la­ção. “O que acon­te­ceu com a JBS pro­va mui­to mais a for­ça do ins­ti­tu­to do que sua fra­que­za, pois Jo­es­ley es­tá na ca­deia e as pro­vas es­tão aí, vá­li­das. E é bom que se res­cin­dam al­guns acor­dos, pois is­so tra­rá pa­ra os co­la­bo­ra­do­res a cer­te­za de que não se es­tá brincando com o ins­ti­tu­to.”

ANDRE DUSEK/ESTADAO-30/8/2017

Ofen­si­va. Par­la­men­ta­res que­rem ter uma pro­pos­ta con­cre­ta pa­ra vo­tar até o fim do ano

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.