LI­VRO REÚ­NE RE­POR­TA­GENS

‘A Re­cons­tru­ção do Bra­sil’, pu­bli­ca­da en­tre se­tem­bro de 2016 e ja­nei­ro des­te ano, pós-im­pe­a­ch­ment, já es­tá à ven­da em li­vra­ri­as e ban­cas de jor­nal; obra do ‘Es­ta­do’ apre­sen­ta so­lu­ções pa­ra País sair da cri­se

O Estado de S. Paulo - - Primeira Página -

Sé­rie A Re­cons­tru­ção do Bra­sil, do jor­na­lis­ta do Es­ta­do Jo­sé Fucs, se­rá lan­ça­da em li­vro na pró­xi­ma ter­ça-fei­ra, em São Pau­lo.

Asé­rie es­pe­ci­al de re­por­ta­gens so­bre os de­sa­fi­os do Bra­sil pa­ra al­can­çar o de­sen­vol­vi­men­to sus­ten­tá­vel, a es­ta­bi­li­da­de po­lí­ti­ca e o bem-es­tar so­ci­al, pó­sim­pe­a­ch­ment, vi­rou li­vro. A Re­cons­tru­ção do Bra­sil se­rá lan­ça­da pe­lo Es­ta­do na ter­ça-fei­ra, dia 19 – o e-bo­ok es­ta­rá dis­po­ní­vel a par­tir de ou­tu­bro. A obra reú­ne as 15 re­por­ta­gens pro­du­zi­das pe­lo jor­na­lis­ta Jo­sé Fucs, re­pór­ter es­pe­ci­al do jor­nal, e os dez edi­to­ri­ais cor­re­la­tos pu­bli­ca­dos en­tre se­tem­bro de 2016 e ja­nei­ro des­te ano.

Ca­da te­ma apre­sen­ta­do ao lei­tor ao lon­go da sé­rie, co­mo re­for­ma da Pre­vi­dên­cia, ajus­te fis­cal, cer­co à cor­rup­ção, de­ses­ta­ti­za­ção e no­vo pac­to fe­de­ra­ti­vo, traz so­lu­ções pro­pos­tas por es­pe­ci­a­lis­tas da área – Fucs fez mais de 50 en­tre­vis­tas. A lis­ta reú­ne no­mes de pe­so, co­mo o ex-pre­si­den­te Fer­nan­do Hen­ri­que Car­do­so – au­tor do pre­fá­cio –; o eco­no­mis­ta An­to­nio Del­fim Net­to, ex-mi­nis­tro da Fa­zen­da, do Pla­ne­ja­men­to e da Agri­cul­tu­ra; os ju­ris­tas Cé­lio Bor­ja e Nelson Jo­bim, am­bos ex-mi­nis­tros do Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral (STF); e o ci­en­tis­ta po­lí­ti­co Luiz Felipe d’Avi­la, pre­si­den­te do Cen­tro de Li­de­ran­ça Po­lí­ti­ca.

Se­guin­do a mes­ma or­dem das pu­bli­ca­ções no jor­nal, a obra exi­be no pri­mei­ro ca­pí­tu­lo a apre­sen­ta­ção ge­ral da sé­rie. Ho­ra de Mu­dar ser­ve co­mo uma es­pé­cie de re­su­mo dos prin­ci­pais de­sa­fi­os a se­rem en­fren­ta­dos pe­lo País e pe­lo man­da­to de Mi­chel Te­mer, na tra­ves­sia até 2019. Da re­a­li­za­ção da re­for­ma po­lí­ti­ca à ado­ção de um no­vo pac­to fe­de­ra­ti­vo e do equi­lí­brio das con­tas pú­bli­cas e das re­for­mas tri­bu­tá­ria e tra­ba­lhis­ta à me­lho­ria do am­bi­en­te de ne­gó­ci­os, a sé­rie, e con­se­quen­te­men­te o li­vro, en­glo­ba as prin­ci­pais ques­tões que tra­vam o de­sen­vol­vi­men­to do País na vi­são de es­pe­ci­a­lis­tas e do Es­ta­do. O jor­nal vol­ta a pu­bli­car um li­vro após no­ve anos – a úl­ti­ma obra que re­ce­beu o se­lo do jor­nal foi Mor­da­ça no Estadão, de Jo­sé Ma­ria May­rink.

Já na pá­gi­na 13, Fucs tra­duz a si­tu­a­ção em maio de 2016, qu­an­do te­ve iní­cio o go­ver­no Te­mer: “Na es­sên­cia, o que es­tá em jo­go é a es­co­lha en­tre dois Bra­sis. Um, que ga­nhou uma for­ça des­co­mu­nal nos úl­ti­mos anos e ago­ra es­tá na ber­lin­da, é o Bra­sil da ilha de fan­ta­si­as de Bra­sí­lia, do Es­ta­do obe­so e per­du­lá­rio, que dre­na a pro­du­ção e o tra­ba­lho dos bra­si­lei­ros pa­ra sus­ten­tar seu ape­ti­te in­sa­ciá­vel. É o Bra­sil dos pe­que­nos e gran­des pri­vi­lé­gi­os ob­ti­dos com di­nhei­ro dos pa­ga­do­res de im­pos­tos; dos bu­ro­cra­tas que cri­am di­fi­cul­da­des pa­ra ven­der fa­ci­li­da­des; e dos fun­ci­o­ná­ri­os pú­bli­cos, que não pre­ci­sam se pre­o­cu­par com a cri­se, por­que têm es­ta­bi­li­da­de no em­pre­go”.

E con­ti­nua: “O ou­tro Bra­sil, mas­sa­cra­do pe­lo pe­so da car­ru­a­gem que tem de pu­xar, é o Bra­sil re­al, o Bra­sil dos mor­tais, que pa­ga im­pos­tos de pri­mei­ro mun­do e re­ce­be ser­vi­ços de ter­cei­ro mun­do. É o Bra­sil dos bra­si­lei­ros que têm de tra­ba­lhar du­ro pa­ra pa­gar su­as con­tas em dia e ga­ran­tir o mí­ni­mo de qua­li­da­de de vi­da pa­ra si mes­mos e pa­ra su­as fa­mí­li­as; dos que so­frem com a re­ces­são pro­lon­ga­da e com o de­sem­pre­go. É o Bra­sil que va­lo­ri­za a me­ri­to­cra­cia, o es­for­ço in­di­vi­du­al e o su­ces­so al­can­ça­do sem pi­xu­le­cos nem fa­vo­res ofi­ci­ais”.

Ho­je, se­gun­do Fucs, es­sa es­co­lha ain­da se faz ne­ces­sá­ria, de olho já em 2018, qu­an­do a po­pu­la­ção se­rá con­vo­ca­da pa­ra es­co­lher um no­vo pre­si­den­te, ape­sar de al­guns te­mas te­rem avan­ça­do, co­mo a re­for­ma tra­ba­lhis­ta e a PEC do Te­to de Gas­tos. “Mas a agen­da das re­for­mas se man­tém oi­to me­ses após o fim da sé­rie. E cer­ta­men­te vai per­me­ar to­do o de­ba­te po­lí­ti­co e elei­to­ral do ano que vem. Me sin­to con­for­tá­vel em afir­mar que o li­vro dá uma con­tri­bui­ção con­si­de­rá­vel pa­ra es­sa dis­cus­são, não ape­nas apon­tan­do os pro­ble­mas a se­rem en­fren­ta­dos, mas apre­sen­tan­do pro­pos­tas pa­ra so­lu­ci­o­ná-los”, dis­se. “É um pon­to de par­ti­da.”

De­ta­lhes do fun­ci­o­na­men­to da má­qui­na pú­bli­ca são re­ve­la­dos ao lei­tor ao lon­go de 150 pá­gi­nas. Ne­las, in­for­ma­ções atu­a­li­za­das e re­ve­la­do­ras com­pro­vam a ne­ces­si­da­de de mo­der­ni­za­ção do Es­ta­do, cor­te de gas­tos pú­bli­cos e mu­dan­ça no atu­al sis­te­ma elei­to­ral, em bus­ca de uma mai­or re­pre­sen­ta­ti­vi­da­de e me­nor dis­tan­ci­a­men­to en­tre o elei­to e o elei­tor. Na pá­gi­na 27, Fucs ci­ta uma pes­qui­sa re­a­li­za­da pe­lo Ins­ti­tu­to Ip­sos, so­bre as ins­ti­tui­ções no País, pa­ra mos­trar que o en­vol­vi­men­to de de­ze­nas de par­la­men­ta­res e go­ver­nan­tes em es­cân­da­los de cor­rup­ção co­lo­cou a clas­se po­lí­ti­ca em úl­ti­mo lu­gar no ran­king da cre­di­bi­li­da­de na­ci­o­nal. Dos en­tre­vis­ta­dos, 78% afir­ma­ram não con­fi­ar nos po­lí­ti­cos e 19% dis­se­ram con­fi­ar pou­co.

Ou­tros da­dos pin­ce­la­dos em to­do o li­vro aju­dam a ex­pli­car par­te do nos­so atra­so e da ur­gen­te ne­ces­si­da­de de re­for­mas com­ple­xas pa­ra um me­lhor fun­ci­o­na­men­to do País. No ca­pí­tu­lo 5, in­ti­tu­la­do A Ba­ta­lha con­tra os Pri­vi­lé­gi­os, o lei­tor é in­for­ma­do de que no pe­río­do de 2001 a 2014 o to­tal de fun­ci­o­ná­ri­os pú­bli­cos na ati­va nos três ní­veis de go­ver­no (fe­de­ral, es­ta­du­al e mu­ni­ci­pal) pas­sou de 5,8 mi­lhões pa­ra qua­se 9 mi­lhões. “O rom­bo exis­ten­te ho­je nos or­ça­men­tos do go­ver­no fe­de­ral e de vá­ri­os Es­ta­dos e mu­ni­cí­pi­os é de­cor­ren­te, em boa me­di­da, do in­cha­ço da fo­lha de pa­ga­men­to.” Des­de 2001, as des­pe­sas com pes­so­al ti­ve­ram um cres­ci­men­to de 127% – são R$ 218,6 mi­lhões a mais, o su­fi­ci­en­te pa­ra pa­gar o Bol­sa Fa­mí­lia a 13 mi­lhões de bra­si­lei­ros por se­te anos.

“Em­bo­ra a ex­pres­são ‘cho­que de ges­tão’ es­te­ja meio des­gas­ta­da ho­je em dia, ela re­fle­te com per­fei­ção a pro­fun­da re­for­ma pe­la qual o Es­ta­do bra­si­lei­ro tem de pas­sar, com a ado­ção de fer­ra­men­tas de ad­mi­nis­tra­ção da ini­ci­a­ti­va pri­va­da, pa­ra dei­xar de su­gar re­cur­sos ca­da vez mai­o­res da so­ci­e­da­de e en­tre­gar ser­vi­ços ca­da vez me­lho­res aos ci­da­dãos e às em­pre­sas. A ideia, cul­ti­va­da des­de sem­pre no País, de que, pa­ra me­lho­rar a si­tu­a­ção do go­ver­no e os ser­vi­ços pú­bli­cos, é só gas­tar mais te­rá de ce­der es­pa­ço, en­fim, à bus­ca por mais efi­ci­ên­cia, à oti­mi­za­ção das des­pe­sas e às par­ce­ri­as com o se­tor pri­va­do e as or­ga­ni­za­ções so­ci­ais. Ao fi­nal des­se pro­ces­so, quem sa­be, tal­vez pos­sa emer­gir um Es­ta­do mais en­xu­to, mais ágil e com me­nos cor­rup­ção”, re­su­miu Fucs, que se de­di­cou por se­te me­ses à pro­du­ção da sé­rie.

A re­per­cus­são po­si­ti­va do tra­ba­lho se re­fle­tiu tam­bém nos edi­to­ri­ais do Es­ta­do. Du­ran­te a pu­bli­ca­ção da sé­rie, o jor­nal pu­bli­cou dez edi­to­ri­ais com ba­se nos te­mas abor­da­dos em A Re­cons­tru­ção do Bra­sil – to­dos es­ses tex­tos tam­bém com­põem o li­vro tan­to na ver­são im­pres­sa co­mo na di­gi­tal. “Pa­ra mim, par­ti­ci­par des­se pro­je­to foi um pri­vi­lé­gio. Co­me­ça­mos lo­go de­pois do im­pe­a­ch­ment. O Bra­sil, na­que­la épo­ca, es­ta­va de­to­na­do. A ideia foi mes­mo ten­tar mos­trar ca­mi­nhos pa­ra vol­tar­mos aos tri­lhos e nu­ma épo­ca em que o jor­na­lis­mo do dia a dia nos dei­xa pou­ca mar­gem pa­ra dis­cu­tir idei­as, apro­fun­dar o de­ba­te. E sem fi­car em ci­ma do mu­ro.”

DA­NI­EL TEI­XEI­RA / ESTADÃO

Au­tor. Re­pór­ter es­pe­ci­al do ‘Es­ta­do’, o jor­na­lis­ta Jo­sé Fucs ou­viu mais de 50 pes­so­as pa­ra pro­du­zir o li­vro, ao lon­go de se­te me­ses

» 11/9/2016 - A RE­FOR­MA

DAS RE­FOR­MAS. Pri­mei­ra re­por­ta­gem apon­ta ne­ces­si­da­de de mu­dar a Cons­ti­tui­ção de 1988

» 16/10/2016 - UMA RE­FOR­MA PA­RA

GA­RAN­TIR O FU­TU­RO. As mu­dan­ças ne­ces­sá­ri­as na Pre­vi­dên­cia pa­ra tor­nar o sis­te­ma sus­ten­tá­vel

» 6/11/2016 - A LU­TA CON­TRA

A BUROCRACIA. Rein­ven­tar as re­la­ções de tra­ba­lho no se­tor pú­bli­co pa­ra al­can­çar qua­li­da­de

» 30/10/2016 - A FLEXIBILIZAÇÃO

DO TRA­BA­LHO. País pre­ci­sa mo­der­ni­zar le­gis­la­ção pa­ra au­men­tar pro­du­ti­vi­da­de

25/9/2016 - O DE­SA­FIO DE COR­TAR NA CAR­NE. Re­for­ma po­lí­ti­ca é te­ma prin­ci­pal de dis­cus­são so­bre re­pre­sen­ta­ti­vi­da­de

2/10/2016 - A SAÍ­DA É APER­TAR O CIN­TO. Com o or­ça­men­to no ver­me­lho, es­ta­bi­li­za­ção de con­tas de­pen­de de cor­te de gas­tos

9/10/2016 - A BA­TA­LHA CON­TRA OS PRI­VI­LÉ­GI­OS. Os de­sa­fi­os pa­ra bai­xar cus­tos com pes­so­al e pro­fis­si­o­na­li­zar a ad­mi­nis­tra­ção

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.