Ba­ta­ta quen­te

O Estado de S. Paulo - - Primeira Página - •✱ Eli­a­ne Can­ta­nhê­de

Aé­cio Ne­ves vi­rou uma ba­ta­ta quen­te para o Ju­di­ciá­rio e o Le­gis­la­ti­vo. Por ora, dei­xou de ser um pro­ble­ma ime­di­a­to do Su­pre­mo para ser o prin­ci­pal pro­ble­ma do pró­prio Se­na­do.

Ose­na­dor Aé­cio Ne­ves, pre­si­den­te li­cen­ci­a­do do PSDB, vi­rou uma ba­ta­ta quen­te para o Ju­di­ciá­rio e o Le­gis­la­ti­vo. Por ora, dei­xou de ser um pro­ble­ma ime­di­a­to do Su­pre­mo para ser o prin­ci­pal pro­ble­ma do pró­prio Se­na­do, que, ao di­zer “não” ao seu afas­ta­men­to e à Pri­mei­ra Tur­ma do STF, na pró­xi­ma ter­ça-fei­ra, es­ta­rá obri­ga­do a ter sua pró­pria so­lu­ção para Aé­cio. No Con­se­lho de Éti­ca? O his­tó­ri­co das de­ci­sões ali é cla­ra­men­te cor­po­ra­ti­vo.

A ma­no­bra para trans­for­mar a vo­ta­ção no ple­ná­rio do Se­na­do nem pa­re­ce uma ten­ta­ti­va de­ses­pe­ra­da de mu­dar o re­sul­ta­do, mas ape­nas para “pro­te­ger” os se­na­do­res dos seus pró­pri­os vo­tos. Vão deixar as evi­dên­ci­as con­tra Aé­cio por is­so mes­mo? Eles se acer­tam en­tre eles e não que­rem que seus elei­to­res fi­quem sa­ben­do co­mo vo­tam?

Ape­sar dis­so, a ro­da continua gi­ran­do: Aé­cio so­bre­vi­ve ago­ra, mas tem um en­con­tro ine­xo­rá­vel com a Justiça; o Se­na­do es­tá li­vre da acu­sa­ção de con­fron­tar o Su­pre­mo, mas é jus­ta­men­te a ca­sa dos três cam­peões de inqué­ri­tos com fo­ro pri­vi­le­gi­a­do; e o Su­pre­mo ra­chou ao meio para re­sol­ver o im­pas­se com o Se­na­do, mas, mais ce­do ou mais tar­de, vai ter de jul­gar não só Re­nan Ca­lhei­ros, Ro­me­ro Ju­cá e Aé­cio Ne­ves, mas os de­mais par­la­men­ta­res in­ves­ti­ga­dos.

O que es­te­ve, e es­tá, em dis­cus­são no Su­pre­mo é se os fins jus­ti­fi­cam os mei­os. Há mi­nis­tros que, co­mo a so­ci­e­da­de em ge­ral, can­sa­ram da con­fu­são en­tre imu­ni­da­de par­la­men­tar e im­pu­ni­da­de – co­mo dis­se o re­la­tor da La­va Ja­to, Edson Fa­chin – e da ve­lha tra­di­ção bra­si­lei­ra de “pren­der os miú­dos e pro­te­ger os graú­dos” – co­mo acres­cen­tou, em bom e cla­ro por­tu­guês, o mi­nis- tro Luís Ro­ber­to Bar­ro­so. De cer­ta for­ma, ten­tam um ata­lho rá­pi­do para pu­nir qu­em eles jul­gam que de­va ser pu­ni­do. No ca­so de Aé­cio, o ata­lho é o ar­ti­go 319 do Có­di­go de Processo Pe­nal.

Do ou­tro la­do, há mi­nis­tros “ga­ran­tis­tas”, co­mo o no­va­to Ale­xan­dre de Mo­ra­es, de­fen­den­do que as leis se sub­me­tem à Cons­ti­tui­ção, não o con­trá­rio. Ela, a Car­ta Mag­na, só pre­vê pri­são de par­la­men­ta­res em ca­so de fla­gran­te de­li­to ina­fi­an­çá­vel, co­mo o Su­pre­mo jul­gou e o Se­na­do aca­tou quan­do o se­na­dor Del­cí­dio Amaral foi gra­va­do acer­tan­do di­nhei­ro e al­ter­na­ti­vas de fu­ga para po­ten­ci­ais de­la­to­res. Para es­ses mi­nis­tros, a or­dem ju­rí­di­ca es­tá aci­ma de tu­do. Não há ata­lhos, há o ca­mi­nho cons­ti­tu­ci­o­nal.

É uma dis­cus­são im­por­tan­te, num País que efe­ti­va­men­te vi­ve um eter­no “pac­to oli­gár­qui­co” (ou­tra ex­pres­são de Bar­ro­so) que se ra­mi­fi­ca por to­das as re­giões, Es­ta­dos, ci­da­des e se­to­res e es­tá na men­te de ca­da um. Aos po­de­ro­sos, tu­do; aos po­bres e des­va­li­dos, a lei – e as pri­sões fé­ti­das, as hu­mi­lha­ções, as con­di­ções vis, a ren­da pre­cá­ria, a pi­or edu­ca­ção, a pi­or saú­de.

A La­va Ja­to, po­rém, já tem que­bra­do es­se pac­to, ao des­ven­dar a corrupção e in­ves­ti­gar pre­si­den­tes da Re­pú­bli­ca, lí­de­res dos prin­ci­pais par­ti­dos, ban­quei- ros, do­nos das mai­o­res em­prei­tei­ras e pro­du­to­ras de car­ne, al­tos exe­cu­ti­vos de es­ta­tais e em­pre­sas pri­va­das. É um avan­ço, uma he­ran­ça e tan­to para as fu­tu­ras ge­ra­ções, des­de que não se use o bom pre­tex­to de aca­bar com a im­pu­ni­da­de dos po­de­ro­sos para “dar um jei­ti­nho” na Cons­ti­tui­ção e nas leis, “quan­do ne­ces­sá­rio”.

Mal com­pa­ran­do, quan­do se acha que “um pou­qui­nho de in­fla­ção não faz mal a nin­guém”, a in­fla­ção dis­pa­ra, im­plo­de os in­di­ca­do­res ma­cro­e­conô­mi­cos e qu­em aca­ba pa­gan­do o mai­or pre­ço é o mais fra­co. Achar que ata­lhos ju­rí­di­cos fa­zem bem à so­ci­e­da­de e mal aos cor­rup­tos po­de ter um efei­to opos­to: fa­vo­re­cer os cor­rup­tos e pre­ju­di­car a so­ci­e­da­de, com efei­to da­no­so so­bre todo o fan­tás­ti­co tra­ba­lho da La­va Ja­to. Aé­cio não é san­to, mas pre­ci­sa ser in­ves­ti­ga­do e jul­ga­do à luz da Cons­ti­tui­ção. Os fins, por mais no­bres que se­jam, não jus­ti­fi­cam os mei­os.

Aé­cio não es­tá li­vre, Se­na­do não re­sol­veu pro­ble­ma, e Su­pre­mo tem mui­to o que jul­gar

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.