Tem­pos obs­cu­ros

Em Frank­furt, Sal­man Rush­die fa­la de Trump.

O Estado de S. Paulo - - Primeira Página - Ubi­ra­tan Bra­sil /

O es­cri­tor Sal­man Rush­die nas­ceu na Índia, vi­veu anos na In­gla­ter­ra on­de se tor­nou bri­tâ­ni­co e ho­je mo­ra nos Es­ta­dos Uni­dos. “É mui­to in­te­res­san­te nas­cer em um país mui­to an­ti­go, ter vi­vi­do em ou­tro ra­zo­a­vel­men­te ve­lho e ago­ra es­tar em ou­tra na­ção bem mais jo­vem”, dis­se ele que, nes­ta quin­ta-fei­ra, 12, par­ti­ci­pou de dois even­tos na Fei­ra do Li­vro de Frank­furt, a mai­or do mer­ca­do edi­to­ri­al do pla­ne­ta. Am­bos en­con­tros eram para fa­lar de seu mais re­cen­te ro­man­ce, Gol­den Hou­se (Ca­sa Dou­ra­da, em tradução li­vre), mas, nos dois mo­men­tos, Rush­die foi obri­ga­do a fa­lar do pre­si­den­te Do­nald Trump.

O mo­ti­vo es­tá nas pró­pri­as pá­gi­nas do li­vro, ain­da sem pre­vi­são de tradução no Bra­sil. Con­ta a his­tó­ria de uma fa­mí­lia de in­di­a­nos, li­de­ra­da por Ne­ro Gol­den, que che­ga fu­gi­da aos Es­ta­dos Uni­dos. O no­me do pa­tri­ar­ca é fal­so, as­sim co­mo de seus três fi­lhos. Eles se ins­ta­lam no ter­ri­tó­rio ame­ri­ca­no lo­go que Ba­rack Oba­ma as­su­me o pri­mei­ro man­da­to e a tra­ma os acom­pa­nha até a elei­ção do no­vo pre­si­den­te, iden­ti­fi­ca­do co­mo Jo­ker – que tan­to po­de ser tra­du­zi­do co­mo a car­ta de ba­ra­lho cu­rin­ga quan­to co­mo “pi­a­dis­ta”. “Não es­cre­vi o li­vro pen­san­do em Do­nald Trump”, aler­tou Rush­die, cu­jos 70 anos não di­mi­nuí­ram o há­bi­to de olhar en­vi­e­sa­do e o de bus­car, com um sor­ri­so ras­cu­nha­do nos lá­bi­os, a re­a­ção da pla­teia so­bre seus co­men­tá­ri­os.

“A úni­ca se­me­lhan­ça que meu per­so­na­gem tem com Trump é que ele tam­bém tra­ba­lhou no ra­mo imo­bi­liá­rio e é ca­sa­do com uma mu­lher do Les­te Eu­ro­peu, que os­ten­ta co­mo um tro­féu. De resto, são to­tal­men­te di­fe­ren­tes.” Po­de pa­re­cer a pu­ra ver­da­de, ain­da que o tal sor­ri­si­nho ou não pas­sa de um ti­que ner­vo­so ou re­ve­la co­mo Rush­die gos­ta de pre­gar pe­ças em seus lei­to­res. Em todo ca­so, o es­cri­tor ofe­re­ceu uma in­te­res­san­te ex­pli­ca­ção so­bre a ig­no­rân­cia que o pró­prio au­tor tem so­bre seu tra­ba­lho. “A mai­o­ria dos cri­a­do­res con­cor­da co­mi­go quan­do di­go que nos­sas obras são mais in­te­li­gen­tes e pers­pi­ca­zes que nós mes­mos. Mui­tas ve­zes, pre­co­ni­zam o fu­tu­ro, mes­mo que a gen­te não per­ce­ba. Até o dia da elei­ção ame­ri­ca­na, eu apos­ta­va na vi­tó­ria de Hil­lary Clin­ton, mas meu li­vro já di­zia que is­so não acon­te­ce­ria.”

Rush­die lem­brou de um en­con­tro que te­ve com o es­cri­tor bri­tâ­ni­co Ian McEwan. Du­ran­te o jan­tar, eles se di­ver­ti­ram ao con­cor­dar que, se an­tes ten­tas­sem pu­bli­car uma his­tó­ria so­bre tu­do o que ocor­re ho­je, se­ri­am im­pe­di­dos por seus edi­to­res, cren­tes de uma in­ve­ros­si­mi­lhan­ça. “A vi­tó­ria de Oba­ma trou­xe um ar li­be­ral para a Amé­ri­ca e to­dos pen­sa­mos que is­so não ia mu­dar. Só não con­tá­va­mos com a for­ça da re­a­ção da ala con­ser­va­do­ra”, dis­se o es­cri­tor, que clas­si­fi­cou a vi­tó­ria de Trump co­mo uma “per­fei­ta tem­pes­ta­de”. “Não es­pe­rá­va­mos pe­la re­a­ção do ódio tam­pou­co a enor­me ex­plo­são de ra­cis­mo. Os elei­to­res bran­cos, te­men­do se trans­for­mar em mi­no­ria, co­man­da­ram a mu­dan­ça, es­pe­ci­al­men­te as mu­lhe­res (55% dos vo­tos de Trump fo­ram fe­mi­ni­nos) e aque­les que se sen­ti­am à mar­gem das de­ci­sões po­lí­ti­cas do país.”

Sal­man Rush­die fa­lou pri­mei­ro no sim­pá­ti­co pro­gra­ma pro­du­zi­do pe­lo ca­nal 2DF, Das

Blaue So­fa, on­de foi en­tre­vis­ta­do du­ran­te meia ho­ra, no meio da tar­de. Em se­gui­da, emen­dou uma mi­ni ses­são de au­tó­gra­fos pois, uma ho­ra de­pois, já es­ta­va no es­tan­de da re­vis­ta Der Spie

gel que, nes­te ano, co­me­mo­ra 70 anos. Co­mo o tem­po era cur­to, não con­se­guiu tro­car de ter­no, co­mo pre­ten­dia, mas tam­bém não pre­ci­sou re­fa­zer a ma­qui­a­gem – o pes­so­al do 2DF ca­pri­chou no pó de ar­roz para a sua ca­re­qui­nha não bri­lhar de­bai­xo dos re­fle­to­res.

Sen­tiu-se em­be­ve­ci­do quan­do seu li­vro foi com­pa­ra­do às obras de Ma­rio Pu­zo ( O Po­de­ro

so Che­fão) e F. Scott Fitz­ge­rald ( O Gran­de Gatsby). “Co­mo eles, bus­quei ins­pi­ra­ção no mo­men­to pre­sen­te, para deixar a obra mais pul­san­te e tam­bém fle­xí­vel – foi o que me per­mi­tiu fa­zer al­gu­mas al­te­ra­ções de­pois da elei­ção de Trump”, dis­se ele, que acres­cen­tou ain­da ou­tro li­vro co­mo com­pa­ra­ção,

A Fo­guei­ra das Vai­da­des, de Tom Wol­fe. “Ele cap­tou o mo­men­to ame­ri­ca­no dos anos 1990, co­mo fiz ago­ra, com os tem­pos atu­ais, em Gol­den Hou-

É um ris­co fa­zer is­so, pois não ti­ve o dis­tan­ci­a­men­to his­tó­ri­co, mas é mais ex­ci­tan­te.”

O li­vro, aliás, tem tra­ços po­li­ci­a­les­cos, que não con­vêm di­vul­gar sob ris­co de spoi­ler. Rush­die con­tou sua ado­ra­ção por des­cre­ver iden­ti­da­des e, co­mo bem fa­zi­am a es­cri­to­ra Agatha Ch­ris­tie e o ci­ne­as­ta Al­fred Hit­ch­cock, so­be­ra­nos em his­tó­ri­as de sus­pen­se, ele se di­ver­tiu com o po­der que de­te­ve em mãos. “So­men­te nós, cri­a­do­res, sa­be­mos do se­gre­do que vai mu­dar a tra­ma e de­ci­di­mos quan­do is­so tem de ser re­ve­la­do.”

No­va­men­te, es­bo­ça o sor­ri­si­nho, que já vai se tor­nan­do tri­vi­al. É quan­do des­cre­den­cia Trump co­mo bom per­so­na­gem. “É um ho­mem com enor­me po­der, mas, mes­mo as­sim, uma pes­soa de­sin­te­res­san­te. Te­nho a im­pres­são de que não po­de­mos mais di­zer as coi­sas co­mo an­tes. Vi­ve­mos tem­pos obs­cu­ros.” Por fim, ao ser in­for­ma­do da dis­po­si­ção do pre­si­den­te ame­ri­ca­no em sair da Unes­co, foi ta­xa­ti­vo: “Ele é mes­tre em que­brar pac­tos, ali­an­ças, acor­dos. Cum­pre as pro­mes­sas de cam­pa­nha. Trump es­ta­ci­o­nou na es­qui­na da His­tó­ria”.

FRANK MAY/AP

Au­tor. Ele au­to­gra­fa ‘Gol­den Hou­se’, que es­cre­veu an­tes de Trump

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.