Sal­ve-se qu­em pu­der

O Estado de S. Paulo - - Primeira Página -

OSu­pre­mo, prin­ci­pal res­pon­sá­vel pe­la guar­da cons­ti­tu­ci­o­nal, con­ver­teu-se de­fi­ni­ti­va­men­te em fa­tor de gran­de in­se­gu­ran­ça ju­rí­di­ca.

O con­fu­so vo­to da pre­si­den­te do Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral (STF), Cár­men Lú­cia, no jul­ga­men­to so­bre a ne­ces­si­da­de de aval do Le­gis­la­ti­vo para a im­po­si­ção de me­di­das cau­te­la­res con­tra par­la­men­ta­res por par­te do STF re­fle­te, an­tes de mais na­da, o ab­sur­do des­se de­ba­te na mais al­ta Cor­te do País. O que ha­via co­me­ça­do co­mo uma ina­cre­di­tá­vel afron­ta à Cons­ti­tui­ção só po­dia ter­mi­nar, no vo­to de­ci­si­vo, em me­lan­có­li­co tar­ta­mu­de­ar de te­ses ex­cên­tri­cas, que igual­men­te não en­con­tram am­pa­ro em lu­gar ne­nhum do tex­to cons­ti­tu­ci­o­nal. Vai mal a na­ção cu­ja Su­pre­ma Cor­te, a pro­pó­si­to de lim­par o país dos cor­rup­tos, se per­mi­te co­gi­tar, com ar pom­po­so, o atro­pe­lo do Es­ta­do De­mo­crá­ti­co de Di­rei­to e das prer­ro­ga­ti­vas ex­clu­si­vas de ou­tro Po­der, sem na­da a sus­ten­tar tal con­du­ta se­não o vo­lun­ta­ris­mo mi­li­tan­te de mi­nis­tros que se jul­gam com o po­der de aca­bar com todo o mal da po­lí­ti­ca.

O vo­to de Cár­men Lú­cia de­ci­diu a vo­ta­ção de uma Ação Di­re­ta de In­cons­ti­tu­ci­o­na­li­da­de (Adin) que, na prá­ti­ca, te­rá efei­to di­re­to so­bre o ca­so do se­na­dor Aé­cio Ne­ves (PSDBMG). Co­mo se sa­be, o Su­pre­mo ha­via or­de­na­do o afas­ta­men­to do se­na­dor mi­nei­ro de seu man­da­to e ain­da lhe impôs res­tri­ções de mo­vi­men­to, co­mo o re­co­lhi­men­to do­mi­ci­li­ar no­tur­no, e de di­rei­tos po­lí­ti­cos, em ra­zão de sus­pei­tas de corrupção e de obs­tru­ção de Justiça. Es­sa de­ci­são cau­sou na­tu­ral re­a­ção do Se­na­do, que jul­gou, com ra­zão, que su­as prer­ro­ga­ti­vas ha­vi­am si­do sub­traí­das pe­lo Su­pre­mo – afi­nal, co­mo re­za cla­ra­men­te a Cons­ti­tui­ção, ne­nhu­ma me­di­da le­gal po­de ser to­ma­da con­tra par­la­men­ta­res sem o aval do Le­gis­la­ti­vo.

Es­sa imu­ni­da­de não é gra­tui­ta ou in­de­se­ja­da. Tra­ta-se de uma pro­te­ção da von­ta­de do po­vo ex­pres­sa pe­lo vo­to que ele­ge seus re­pre­sen­tan­tes. Por es­sa ra­zão, a Cons­ti­tui­ção é cris­ta­li­na ao fran­que­ar so­men­te ao Le­gis­la­ti­vo, for­ma­do por re­pre­sen­tan­tes elei­tos pe­lo vo­to di­re­to, o po­der de au­to­ri­zar pro­ces­sos con­tra par­la­men­ta­res. Es­se po­der é tão am­plo que per­mi­te ao Le­gis­la­ti­vo sus­pen­der pro­ces­sos e até mes­mo re­ver­ter pri­são em fla­gran­te por cri­me ina­fi­an­çá­vel. Is­so na­da tem a ver com im­pu­ni­da­de. É, an­tes, ga­ran­tia de­mo­crá­ti­ca con­tra o ar­bí­trio.

Es­sa abran­gên­cia das prer­ro­ga­ti­vas atri­buí­das pe­lo cons­ti­tuin­te ao Le­gis­la­ti­vo é que tor­na ain­da mais es­ta­pa­fúr­dia a de­ci­são do Su­pre­mo de es­ta­be­le­cer, co­mo “al­ter­na­ti­vas à pri­são”, as tais me­di­das cau­te­la­res con­tra Aé­cio e pre­ten­der que es­sa de­ci­são não pre­ci­sa­ria pas­sar pe­lo cri­vo do Se­na­do. Ora, é evi­den­te que, se ca­be ao Se­na­do de­ci­dir até so­bre pri­são em fla­gran­te, por que não ca­be­ria no ca­so de uma me­di­da cau­te­lar?

Pa­re­ce, con­tu­do, que o tex­to cons­ti­tu­ci­o­nal é, para al­guns mi­nis­tros do Su­pre­mo, uma es­pé­cie de obra aberta, a ser emen­da­da con­for­me cren­ças sub­je­ti­vas, ide­o­lo­gi­as abs­tru­sas e pe­cu­li­a­res pro­gra­mas po­lí­ti­cos. Aque­la Cor­te, nes­ses tem­pos es­qui­si­tos, che­ga a se con­fun­dir com uma as­sem­bleia cons­ti­tuin­te, sem ter um úni­co vo­to po­pu­lar a sus­ten­tar es­sa pre­ten­são.

Nes­tes tem­pos em que o ala­ri­do das re­des so­ci­ais con­tra a corrupção pa­re­ce se so­bre­por à ra­zão e à lei­tu­ra se­re­na da lei, ga­nham pontos com a tor­ci­da aque­les que se mos­tram mais dis­pos­tos a en­fren­tar, mes­mo ao pre­ço da sus­pen­são de ga­ran­ti­as fun­da­men­tais, o “pac­to oli­gár­qui­co que se for­mou, no Bra­sil, de sa­que ao Es­ta­do”, co­mo ex­pli­cou o mi­nis- tro Luís Ro­ber­to Bar­ro­so ao sus­ten­tar seu vo­to a fa­vor do afas­ta­men­to de Aé­cio Ne­ves. É em no­me des­sa guer­ra que a Pro­cu­ra­do­ria-Ge­ral da Re­pú­bli­ca ofe­re­ce de­nún­ci­as ba­se­a­das ape­nas em de­la­ções e em fla­gran­tes ar­ma­dos e o Su­pre­mo se per­mi­te tra­tar co­mo cri­mi­no­so já con­de­na­do um par­la­men­tar que ain­da nem foi for­mal­men­te acu­sa­do. Me­lhor nem pen­sar até on­de po­de ir ta­ma­nho des­va­rio.

Na vo­ta­ção de an­te­on­tem no Su­pre­mo, pre­va­le­ceu a in­ten­ção de co­lo­car pa­nos quen­tes na re­la­ção com o Se­na­do, evi­tan­do um con­fron­to que po­de­ria adi­ci­o­nar ten­são en­tre os Po­de­res. Re­sul­ta­do: o Su­pre­mo, prin­ci­pal res­pon­sá­vel pe­la guar­da cons­ti­tu­ci­o­nal, con­ver­teu-se de­fi­ni­ti­va­men­te em fa­tor de gran­de in­se­gu­ran­ça ju­rí­di­ca. Afi­nal, se o que es­tá es­cri­to na Cons­ti­tui­ção não va­le para vá­ri­os mi­nis­tros da­que­la Cor­te, sal­ve-se qu­em pu­der.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.