Agên­cia de ris­co faz aler­ta so­bre Pre­vi­dên­cia

Ava­li­a­ção in­ter­na­ci­o­nal. De­cla­ra­ção de ana­lis­ta da agên­cia de clas­si­fi­ca­ção de ris­co vem na sequên­cia de aler­tas fei­tos por Fit­ch e Mo­ody’s es­ta se­ma­na so­bre im­por­tân­cia da apro­va­ção da re­for­ma ain­da es­te ano; ne­go­ci­a­ções es­tão pa­ra­das no Con­gres­so

O Estado de S. Paulo - - Primeira Página - Idi­a­na To­ma­zel­li / BRA­SÍ­LIA Ca­mi­la Tur­tel­li

Em meio às ne­go­ci­a­ções de par­la­men­ta­res go­ver­nis­tas para apro­var ao me­nos uma ver­são mais “en­xu­ta” da re­for­ma da Pre­vi­dên­cia, a agên­cia de clas­si­fi­ca­ção de ris­co Stan­dard & Po­or’s emi­tiu um aler­ta de que a no­ta so­be­ra­na do Bra­sil po­de ser re­bai­xa­da ca­so a mu­dan­ça nas re­gras de apo­sen­ta­do­ria e pen­são não acon­te­çam em tem­po há­bil de “dar al­gum res­pi­ro” ao pró­xi­mo go­ver­no. Na área econô­mi­ca do go­ver­no, a ad­ver­tên­cia da S&P foi re­ce­bi­da co­mo um re­for­ço à men­sa­gem de que a apro­va­ção da pro­pos­ta é es­sen­ci­al.

O mer­ca­do usa es­se in­di­ca­dor co­mo uma me­di­da da ca­pa­ci­da­de de os paí­ses hon­ra­rem seus com­pro­mis­sos ex­ter­nos. A S&P foi a pri­mei­ra a ti­rar o se­lo de bom pa­ga­dor do Bra­sil em se­tem­bro de 2015 – o cha­ma­do “grau de in­ves­ti­men­to”, con­quis­ta­do pe­la pri­mei­ra vez em 2008. Em agos­to, a agên­cia re­a­fir­mou a no­ta de cré­di­to do País em BB, dois pa­ta­ma­res abai­xo do grau de in­ves­ti­men­to e man­te­ve a pers­pec­ti­va ne­ga­ti­va.

Um no­vo re­bai­xa­men­to po­de­ria deixar in­ves­ti­do­res mais des­con­fi­a­dos so­bre a ca­pa­ci­da­de do go­ver­no bra­si­lei­ro de hon­rar du­as dí­vi­das, pas­san­do a exi­gir ju­ros mai­o­res para comprar pa­péis da dí­vi­da bra­si­lei­ra.

“Nos­so ob­je­ti­vo é ver se es­se go­ver­no con­se­gue apro­var al­gum ti­po de re­for­ma na Pre­vi­dên­cia que dê ao pró­xi­mo go­ver­no, que vi­rá de­pois das elei­ções de 2018, um res­pi­ro”, dis­se Joy­de­ep Mukher­ji, ana­lis­ta da S&P Glo­bal Ra­tings. “Se sen­tir­mos que exis­ten­te um es­for­ço con­si­de­rá­vel na di­re­ção da Pre­vi­dên­cia, o ra­ting po­de se es­ta­bi­li­zar. Se não acon­te­cer des­sa for­ma, ou se fi­car a im­pres­são de que não vai ha­ver re­for­ma al­gu­ma, a no­ta po­de ser re­bai­xa­da.”

A de­cla­ra­ção de on­tem do ana­lis­ta da S&P foi ain­da mais du­ra do que os re­la­tó­ri­os di­vul­ga­dos nes­ta se­ma­na por ou­tras du­as gran­des agên­ci­as in­ter­na­ci­o­nais, a Fit­ch e a Mo­ody’s. Am­bas res­sal­ta­ram a im­por­tân­cia da apro­va­ção da re­for­ma pre­vi­den­ciá­ria para que o País re­to­me a con­fi­an­ça dos in­ves­ti­do­res. O che­fe de aná­li­se de ris­co so­be­ra­no da Mo­ody’s para a Amé­ri­ca La­ti­na, Mau­ro Le­os, afir­mou que o adi­a­men­to da apro­va­ção da re­for­ma da Pre­vi­dên­cia po­de fa­zer a agên­cia es­ten­der a pers­pec­ti­va ne­ga­ti­va da no­ta do Bra­sil. “Es­ta­mos fi­can­do sem da­tas para a re­for­ma da Pre­vi­dên­cia”, dis­se no iní­cio da se­ma­na.

Já a di­re­to­ra da Fit­ch res­pon­sá­vel por Bra­sil, Shelly Shetty, dis­se, em re­la­tó­rio di­vul­ga­do no dia 11, que, em­bo­ra se­ja es­sen­ci­al, a pers­pec­ti­va para a apro­va­ção da re­for­ma per­ma­ne­ce in­cer­ta. “As elei­ções pre­si­den­ci­ais de 2018 tam­bém podem co­me­çar a dis­trair da agenda de re­for­mas”, afir­mou.

Em meio à tra­mi­ta­ção da se­gun­da de­nún­cia con­tra o pre­si­den­te Mi­chel Te­mer, as ne­go­ci­a­ções com os par­la­men­ta­res para a apro­va­ção da pro­pos­ta es­tão pa­ra­li­sa­das, mas o go­ver­no pre­ten­de re­to­má-las lo­go de­pois, “de for­ma bem in­ten­sa”, dis­se uma fon­te da equi­pe econô­mi­ca.

Com a pro­xi­mi­da­de do ca­len- dá­rio elei­to­ral, de­pu­ta­dos e se­na­do­res têm avi­sa­do o go­ver­no so­bre a im­pos­si­bi­li­da­de de apro­var a re­for­ma con­for­me apro­va­da na co­mis­são es­pe­ci­al da Câ­ma­ra dos De­pu­ta­dos. É por is­so que in­te­gran­tes da ba­se têm se ar­ti­cu­la­do para ten­tar em­pla­car ao me­nos uma par­te das mu­dan­ças, co­mo a ins­ti­tui­ção de ida­de mí­ni­ma, re­gra de tran­si­ção e au­men­to do tem­po mí­ni­mo de con­tri­bui­ção, co­mo mos­trou o Es­ta- dão/Bro­ad­cast.

Mas a pró­pria equi­pe econô­mi­ca tem aler­ta­do que só a ida­de mí­ni­ma é in­su­fi­ci­en­te para ga­ran­tir o equi­lí­brio nas con­tas bra­si­lei­ras. Se­gun­do a fon­te ou­vi­da pe­la re­por­ta­gem, o go­ver­no vai tra­ba­lhar “até o fim” para apro­var a ver­são mais com­ple­ta. Se a pro­pos­ta for de­si­dra­ta­da, a equi­pe con­si­de­ra ine­vi­tá­vel uma no­va re­for­ma no pró­xi­mo go­ver­no.

DIDA SAMPAIO/ES­TA­DÃO–6/10/2017

Con­fi­an­ça. “Eu acho que é uma questão de bom sen­so para o Pais apro­var ago­ra a re­for­ma da Pre­vi­dên­cia”, diz Mei­rel­les

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.