Com car­vão, mis­ter Trump?

O Estado de S. Paulo - - Espaço Aberto - JORNALISTA. E-MAIL: WLRNOVAES@UOL.COM.BR

Éi­na­cre­di­tá­vel: o pró­prio di­re­tor da Agên­cia de Pro­te­ção Am­bi­en­tal dos Es­ta­dos Uni­dos, Scott Pruitt, anun­ci­ou no úl­ti­mo dia 9 ( Agên­cia Es­ta­do) que iria as­si­nar uma pro­pos­ta “para aca­bar com o Pla­no de Ener­gia Lim­pa da ad­mi­nis­tra­ção pas­sa­da (a de Ba­rack Oba­ma), que im­põe re­du­ção nas emis­sões de dió­xi­do de car­bo­no das cen­trais tér­mi­cas do país” – me­nos 32% (até 2030), cal­cu­la­dos so­bre as emis­sões de 2005. Na ver­da­de, se aque­le pla­no es­ti­ves­se em vi­gor, já te­ria pro­vo­ca­do o fe­cha­men­to de mui­tas usi­nas a car­vão mais an­ti­gas e mais po­lu­en­tes; mas is­so es­tá proi­bi­do pe­la Justiça, a pe­di­do de cer­ca de 30 Es­ta­dos nor­te­a­me­ri­ca­nos, em­bo­ra os Es­ta­dos Uni­dos se­jam o se­gun­do mai­or emis­sor de ga­ses do “efei­to es­tu­fa”.

Na ver­da­de, o pre­si­den­te Do­nald Trump já es­tá co­me­çan­do a des­man­te­lar as re­gras es­ta­be­le­ci­das pe­lo pre­si­den­te Oba­ma para re­du­zir as emis­sões de ga­ses po­lu­en­tes em usi­nas de ele­tri­ci­da­de do país ( Es­ta­do, 10/10). Se­gun­do Pruitt, “a guer­ra con­tra o car­vão che­gou ao fim”. Por is­so já es­tá sub­si­di­an­do usi­nas des­se ti­po em vá­ri­os Es­ta­dos pro­du­to­res de car­vão e até res­pon­sa­bi­li­za Oba­ma pe­lo fe­cha­men­to de mi­nas e usi­nas; seus par­ti­dá­ri­os con­se­gui­ram na Su­pre­ma Cor­te a re­a­ber­tu­ra. No ano pas­sa­do o gás na­tu­ral su­pe­rou o car­vão na ma­triz ener­gé­ti­ca, ao mes­mo que caía o pre­ço de equi­pa­men­tos de ge­ra­ção de ener­gia re­no­vá­vel Mes­mo com o fim do Pla­no de Ener­gia Elé­tri­ca, en­tre­tan­to, as emis­sões de usi­nas elé­tri­cas de­ve­rão cair en­tre 27% e 35% até 2025, en­tre ou­tras ra­zões, por cau­sa da de­ci­são de se­te gran­des ban­cos in­ter­na­ci­o­nais de não fi­nan­ci­ar no­vas usi­nas a car­vão e no­vas ter­mo­e­lé­tri­cas des­se ti­po (Eco­fi­nan­ças, 16/12/16).

Um pro­ble­ma adi­ci­o­nal para os for­ne­ce­do­res de car­vão es­tá no cres­ci­men­to con­tí­nuo de no­vos em­pre­en­di­men­tos na área de ener­gi­as al­ter­na­ti­vas. A no­ru­e­gue­sa Sta­toil, por exem­plo, es­co­lheu o Bra­sil para a ge­ra­ção de ener­gia so­lar, em par­ce­ria com a tam­bém no­ru­e­gue­sa Sca­tec So­lar – um pro­je­to de gran­de es­ca­la, 162 me­gawatts, com in­ves­ti­men­to ini­ci­al de US$ 215 milhões, no Ce­a­rá, ca­paz de abas­te­cer 160 mil re­si­dên­ci­as. A Sta­toil já tem ou­tros em­pre­en­di­men­tos de ener­gia eó­li­ca offsho­re em ou­tros paí­ses, ca­pa­zes de abas­te­cer 1 mi­lhão de ca­sas. Ao todo, seus in­ves­ti­men­tos so­mam US$ 2,5 bi­lhões, prin­ci­pal­men­te no se­tor eó­li­co.

A pre­vi­são do go­ver­no bra­si­lei­ro, en­tre­tan­to, é de que a ge­ra­ção de ener­gia so­lar che­gue a 10% da ma­triz elé­tri­ca na­ci­o­nal. Re­fe­rên­cia no mun­do é a China. No fi­nal de 2015 es­se país já ti­nha po­tên­cia so­lar ins­ta­la­da de 43 gi­gawatts, to­man­do o lu­gar da Ale­ma­nha co­mo lí­der mun­di­al. No ano pas­sa­do, com apoio de seu go­ver­no, oi­to dos dez mai­o­res fa­bri­can­tes de pai­néis so­lar fo­to­vol­tai- cos já eram chi­ne­ses (Diá­lo­go Chi­no-Bra­sil, 4/7).

Des­de 2014 o go­ver­no chi­nês de­fi­niu po­lí­ti­cas de ener­gia so­lar. Ape­sar da con­ten­ção de pre­ços, o se­tor cres­ceu, com as em­pre­sas se an­te­ci­pan­do a no­vas po­lí­ti­cas. E com tu­do is­so, no pri­mei­ro se­mes­tre de 2016 a ca­pa­ci­da­de ins­ta­la­da de ge­ra­ção so­lar ali, que já era a mai­or no mun­do, au­men­tou na­da me­nos que 22,5 me­gawatts. No Bra­sil, a ca­pa­ci­da­de lí­qui­da de ener­gia so­lar ins­ta­la­da qua­dru­pli­cou en­tre 2014 e 2015. E o go­ver­no fe­de­ral, no Pla­no Na­ci­o­nal de Ex­pan­são de Ener­gia (PDE 2024), pre­vê que a ca­pa­ci­da­de ins­ta­la­da de ener­gia so­lar vai al­can­çar 3,3% da ca­pa­ci­da­de to­tal de ge­ra­ção de ener­gia.

Mas ain­da há mui­tos pro­ble­mas à fren­te. En­tre os prin­ci­pais, os pre­ços al­tos dos pro­du­tos e pro­ble­mas nas po­lí­ti­cas. Um de­les é a co­bran­ça de im­pos­tos so­bre o ex­ce­den­te de ener­gia ge­ra­da pe­los pro­du­to­res, além dos que pa­ga no con­su­mo pró­prio.

Atu­al­men­te o País tem cer­ca de 11 mil pai­néis so­la­res ins­ta­la­dos nos te­lha­dos de re­si­dên­ci­as, edi­fí­ci­os co­mer­ci­ais e pú­bli­cos. Em­pre­sas pri­va­das de­têm 60% da ge­ra­ção de ener­gia no País; 39%, da trans­mis­são (que in­ter­li­ga o sis­te­ma); e 71%, da dis­tri­bui­ção, que en­tre­ga a ener­gia ao con­su­mi­dor fi­nal.

Pri­va­ti­za­da a par­tir de 1997, com for­te re­sis­tên­cia na área po­lí­ti­ca e en­tre ser­vi­do­res, a área de ener­gia ter­mi­nou não in­cluin­do o se­tor de ge­ra­ção. Mas a ex­pan­são da ge­ra­ção aca­bou sen­do feita com lei­lões para a ini­ci­a­ti­va pri­va­da, nos quais se des­ta­ca­ram em­prei­tei­ras co­mo Ode­bre­cht e Ca­mar­go Cor­rêa. Dos 40% ain­da con­tro­la­dos por em­pre­sas pú­bli­cas na­ci­o­nais, 35% são da Ele­tro­brás. Mas téc­ni­cos do sis­te­ma acham que é cres­cen­te a ten­dên­cia de au­men­tar a fa­tia dos es­tran­gei­ros, se per­sis­tir a in­ten­ção de am­pliá-la.

Pa­re­ce cla­ra a ten­dên­cia de au­men­to na pri­va­ti­za­ção no se­tor, prin­ci­pal­men­te com o cres­ci­men­to das ener­gi­as lim­pas – até em fun­ção de pro­je­ções, na área ci­en­tí­fi­ca, do agra­va­men­to da si­tu­a­ção pla­ne­tá­ria, com mu­dan­ças es­ti­mu­la­das por pro­ble­mas de po­lui­ção; e nes­se ca­so se­rá ur­gen­te es­ti­mu­lar a ge­ra­ção de ener­gia sem re­cor­rer aos po­lu­en­tes com­bus­tí­veis fós­seis.

Um dos exem­plos de in­ves­ti­men­to mais cla­ro nes­sa di­re­ção é um me­ga­pro­je­to eó­li­co em Oklaho­ma, que pre­vê a apli­ca­ção pe­la Ame­ri­can Elec­tric Power de US$ 4,5 bi­lhões, na ins­ta­la­ção de 800 tur­bi­nas co­nec­ta­das a cen­tros po­pu­la­ci­o­nais por uma li­nha de al­ta ten­são de 350 mi­lhas. De­ve­rá es­tar pron­to em 2020.

Se­te pro­je­tos gi­gan­tes, com cus­tos en­tre US$ 600 milhões e US$ 4,5 bi­lhões, es­pa­lha­dos en­tre EUA, Mé­xi­co, Ale­ma­nha, Rei­no Uni­dos, China e Aus­trá­lia, le­va­ram os cál­cu­los para in­ves­ti­men­to glo­bal em ener­gia lim­pa sal­tar 40% no ter­cei­ro tri­mes­tre des­te ano (Blo­om­berg News), com US$ 66,9 bi­lhões, an­te US$ 64,9 bi­lhões no se­gun­do tri­mes­tre de 2017. O to­tal anu­al des­te ano ter­mi­na­rá aci­ma do de 2016, que fi­cou em US$ 287,5 bi­lhões. O Rei­no Uni­do es­tá cons­truin­do dois par­ques eó­li­cos, um de US$ 2,1 bi­lhões, de 552 me­gawatts; a China cons­trói dois, um no va­lor de US$ 2,1 bi­lhões, no Mé­xi­co e um par­que eó­li­co es­ti­ma­do de US$ 3 bi­lhões até aqui.

Va­mos ver co­mo sai­re­mos por aqui des­se im­bró­glio.

No Bra­sil, ca­pa­ci­da­de lí­qui­da de ener­gia so­lar ins­ta­la­da qua­dru­pli­cou en­tre 2014 e 2015

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.