Su­pre­mo as­so­cia cau­te­la­res a ‘pri­são’

Para es­pe­ci­a­lis­tas, mi­nis­tros am­pli­am al­can­ce de ar­ti­go da Cons­ti­tui­ção ao de­ter­mi­nar que Con­gres­so dê aval para me­di­das con­tra par­la­men­ta­res

O Estado de S. Paulo - - Política - Ale­xan­dra Mar­tins Ví­tor Mar­ques

A de­ci­são do Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral (STF), an­te­on­tem, de con­fe­rir ao Con­gres­so Na­ci­o­nal aval para afas­tar de­pu­ta­dos e se­na­do­res de seus man­da­tos am­pli­ou o al­can­ce do pa­rá­gra­fo se­gun­do do ar­ti­go 53 da Cons­ti­tui­ção que tra­ta de pri­são. No jul­ga­men­to, ven­ceu a te­se de que o Ju­di­ciá­rio tem prer­ro­ga­ti­va para apli­car me­di­das cau­te­la­res, es­ta­be­le­ci­das pe­lo Có­di­go de Processo Pe­nal, mais bran­das do que a pri­são, mas Se­na­do ou Câ­ma­ra pre­ci­sa ava­li­zá-las.

O ar­ti­go cons­ti­tu­ci­o­nal que sus­ten­tou os vo­tos ven­ce­do­res na Cor­te de­ter­mi­na que os mem­bros das du­as Ca­sas Le­gis­la­ti­vas só podem ser pre­sos, sal­vo em fla­gran­te de cri­me ina­fi­an­çá­vel, após au­to­ri­za­ção do Par­la­men­to. No en­ten­di­men­to dos seis mi­nis­tros que de­fi­ni­ram o re­sul­ta­do da ses­são do STF, as cau­te­la­res fo­ram in­ter­pre­ta­das co­mo pu­ni­ção res­tri­ti­va de li­ber­da­de da prá­ti­ca par­la­men­tar.

“O ar­ti­go 53 foi alar­ga­do. Para os mi­nis­tros, as me­di­das cau­te­la­res, pre­vis­tas no Có­di­go de Processo Pe­nal, não podem ser apli­ca­das por­que par­la­men­ta­res go­zam de imu­ni­da­de par­la­men­tar. Já o 53 re­ce­beu uma in­ter­pre­ta­ção mais am­pla, co­mo se me­di­da al­ter­na­ti­va fos­se pri­são”, afir­mou Ve­ra Che­mim, ad­vo­ga­da cons­ti­tu­ci­o­na­lis­ta.

Para o ex-mi­nis­tro do STF Carlos Ay­res Brit­to, a Cons­ti­tui­ção é cla­ra quan­do tra­ta de pri­são. “A pri­são de que tra­ta a Cons­ti­tui­ção é a pri­são de en­car­ce­ra­men­to. Não é re­co­lhi­men­to do­mi­ci­li­ar. A Cons­ti­tui­ção só fa­la em pri­são, tran­ca­fi­a­men­to, no sen­ti­do de pri­va­ção de li­ber­da­de de lo­co­mo­ção”, afir­mou.

Ape­nas as me­di­das cau­te­la­res que não in­ter­fi­ram no exer­cí­cio do man­da­to é que não vão ne­ces­si­tar da pa­la­vra fi­nal do Con­gres­so Na­ci­o­nal. “A vi­são ven­ce­do­ra é ba­se­a­da na in­ter­pre­ta­ção que o STF deu ao vo­cá­bu­lo pri­são. Por pri­são de­ve ser en­ten­di­da todo ti­po de me­di­da que, de al­gu­ma for­ma, in­ter­fi­ra na es­fe­ra de li­ber­da­de do par­la­men­tar ao exer­cí­cio do man­da­to”, dis­se Ra­fa­el Ma­fei, pro­fes­sor da Fa­cul­da­de de Di­rei­to da Uni­ver­si­da­de de São Pau­lo (USP).

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.