Ve­ne­zu­e­la

De­la­tor da Ode­bre­cht diz ter do­a­do a Ma­du­ro US$ 35 milhões.

O Estado de S. Paulo - - Internacional - Ja­mil Cha­de CORRESPONDENTE / GE­NE­BRA Ju­an Fran­cis­co Alon­so ES­PE­CI­AL PARA O ES­TA­DO / CARACAS

A pro­cu­ra­do­ra-ge­ral des­ti­tuí­da após rom­per com o cha­vis­mo, Lui­sa Or­te­ga Díaz, di­fun­diu on­tem um ví­deo com uma de­la­ção do en­tão pre­si­den­te da Ode­bre­cht na Ve­ne­zu­e­la, o bra­si­lei­ro Eu­ze­nan­do Aze­ve­do. Na gra­va­ção, ele diz ter re­ce­bi­do um pe­di­do de US$ 50 milhões por par­te do pre­si­den­te ve­ne­zu­e­la­no, Ni­co­lás Ma­du­ro, mas fe­cha­do a con­tri­bui­ção em US$ 35 milhões. A con­tri­bui­ção se­ria para fi­nan­ci­ar a cam­pa­nha pre­si­den­ci­al de 2013.

O ví­deo faz par­te da de­la­ção do exe­cu­ti­vo e foi co­lo­ca­do on­tem no Twitter pe­la pro­cu­ra­do­ra-ge­ral afas­ta­da. O tre­cho se re­fe­re às de­cla­ra­ções que o exe­cu­ti­vo bra­si­lei­ro pres­tou na se­de do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co Fe­de­ral, no Es­ta­do de Ser­gi­pe, no dia 15 de de­zem­bro de 2016.

No iní­cio do ano, a pro­cu­ra­do­ria ve­ne­zu­e­la­na, en­tão che­fi­a­da por Or­te­ga, ten­tou pren­der o bra­si­lei­ro, que dis­se ter ha­vi­do pa­ga­men­to tam­bém a um dos prin­ci­pais lí­de­res opo­si­to­res, Hen­ri­que Ca­pri­les, der­ro­ta­do por Ma­du­ro em 2013. So­bre o con­ta­to com o go­ver­no cha­vis­ta, ele afir­mou:

“Fui pro­cu­ra­do por um dos re­pre­sen­tan­tes do sr. Ni­co­lás Ma­du­ro, um sr. cha­ma­do Amé­ri­co Ma­ta”, dis­se Aze­ve­do. Se­gun­do o exe­cu­ti­vo, Ma­ta ha­via si­do o pre­si­den­te do Ins­ti­tu­to do De­sen­vol­vi­men­to Ru­ral Ve­ne­zu­e­la­no. “Eu já o co­nhe­cia por­que cir- cu­la­va no go­ver­no e quan­do o pre­si­den­te Chá­vez es­ta­va do­en­te, o vi­ce-pre­si­den­te (Ma­du­ro) ia vi­si­tar nos­sas obras e sem­pre ia acom­pa­nha­do do sr. Ma­ta”, dis­se o bra­si­lei­ro.

“En­tão es­se sr. Amé­ri­co Ma­ta me pro­cu­rou e fe­chou um en­con­tro co­mi­go”, ex­pli­cou. Se­gun­do ele, fo­ram vá­ri­as as reu­niões. “Ele me pe­diu uma con­tri­bui­ção. Ele sa­bia de nos­so ne­gó­cio e do ta­ma­nho de nos­sas ope­ra­ções”, dis­se. “Ele me pe­diu a con­tri­bui­ção para a aju­da para a cam­pa­nha do pre­si­den­te Ma­du­ro”, in­sis­tiu. “Tí­nha­mos uma operação mui­to gran­de na Ve­ne­zu­e­la”, afir­mou. O bra­si­lei­ro in­di­ca que Ma­ta che­gou a pe­dir US$ 50 milhões. “Eu acei­tei dar US$ 35 milhões”, afir­mou. Aze­ve­do tam­bém ex­pli­cou o que pe­diu em tro­ca do fi­nan­ci­a­men­to. “Pe­di a ele que o can­di­da­to, se ga­nhas­se, man­ti­ves­se nos­sas obras co­mo pri­o­ri­tá­ri­as do go­ver­no de­le, já que as obras eram do go­ver­no Chá­vez”, dis­se. “Ele (Ma­du­ro) era a con­ti­nui­da­de. Mas po­de­ria ter ou­tro ti­po de in­te­res­se”, sus­ten­tou.

“Amé­ri­co me ga­ran­tiu que, se o pre­si­den­te Ma­du­ro ga­nhas­se, con­ti­nu­a­ria co­lo­can­do as obras da Ode­bre­cht co­mo pri­o­ri­tá­ri­as, até para dar ima­gem de con­ti­nui­da­de de Chá­vez”, dis­se. “Nós ne­go­ci­a­mos e eu acei­tei pa­gar. Fo­ram li­be­ra­dos es­ses re­cur­sos para ele, du­ran­te a cam­pa­nha”, com­ple­tou.

O ví­deo foi publicado por Or­te­ga mi­nu­tos de­pois de o atu­al pro­cu­ra­dor-ge­ral da Ve­ne­zu­e­la, Ta­rek Wil­li­am Sa­ab, emi­tir um co­mu­ni­ca­do no qual in­for­ma que di­fun­diu um aler­ta ver­me­lho na In­ter­pol con­tra Aze­ve­do. Sa­ab tam­bém ati­vou ou­tro aler­ta na In­ter­pol con­tra Or­te­ga. A pro­cu­ra­do­ra des­ti­tuí­da, po­rém, es­tá em Ge­ne­bra e ama­nhã te­rá en­con­tros na ONU.

Res­pos­ta. O Es­ta­do con­tac­tou por te­le­fo­ne o mi­nis­tro de Co­mu­ni­ca­ção e In­for­ma­ção ve­ne­zu­e­la­na, Er­nes­to Vil­le­gas, para co­men­tar a di­vul­ga­ção do ví­deo por Or­te­ga. Ele pre­fe­riu não dar de­cla­ra­ções. Tam­bém con­tac­ta­do, o pro­cu­ra­dor-ge­ral que a subs­ti­tuiu pre­fe­riu não fa­zer co­men­tá­ri­os. Fon­tes pró­xi­mas a Or­te­ga di­zem que ela de­ve am­pli­ar a di­vul­ga­ção de ví­de­os que com­pro­me­te­ri­am ou­tros fun­ci­o­ná­ri­os cha­vis­tas.

Li­ga­da ao ex-pre­si­den­te Hu­go Chá­vez, Or­te­ga rom­peu com Ma­du­ro es­te ano, quan­do o Ju­di­ciá­rio, con­tro­la­do pe­lo cha­vis­mo, re­ti­rou po­de­res do Le­gis­la­ti­vo. Ela afir­mou que an­tes de deixar Caracas e se re­fu­gi­ar em Bo­go­tá com o ma­ri­do, o de­pu­ta­do Ger­mán Fer­rer, fez có­pi­as au­ten­ti­ca­das de de­nún­ci­as con­tra au­to­ri­da­des ve­ne­zu­e­la­nas. Ela pro­me­teu re­pas­sar as pro­vas aos paí­ses que in­ves­ti­gam o ca­so.

Cri­ti­ca­da pe­lo cha­vis­mo por ter guar­da­do as de­nún­ci­as du­ran­te os 10 anos em que ocu­pou o car­go, a ex-pro­cu­ra­do­ra dis­se que se opôs ao go­ver­no Ma­du­ro quan­do fi­ca­ram cla­ras as vi­o­la­ções aos di­rei­tos hu­ma­nos.

KIMBERLY WHITE/REUTERS - 7/2/2000

De­nún­ci­as. Eu­ze­nan­do Aze­ve­do, em as­si­na­tu­ra de con­tra­to com Hu­go Chá­vez, em 2000

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.