Justiça co­lom­bi­a­na blin­da acor­do de paz com Farc por 12 anos

Cor­te Cons­ti­tu­ci­o­nal cria ju­ris­di­ção es­pe­ci­al e de­ci­de que pac­to fi­ca imu­tá­vel pe­los pró­xi­mos 3 man­da­tos pre­si­den­ci­ais

O Estado de S. Paulo - - Internacional - BO­GO­TÁ

A Cor­te Cons­ti­tu­ci­o­nal co­lom­bi­a­na de­ci­diu que o acor­do de paz com a ex-guer­ri­lha For­ças Ar­ma­das Re­vo­lu­ci­o­ná­ri­as da Colôm­bia (Farc) – ago­ra con­ver­ti­da em par­ti­do po­lí­ti­co – de­ve per­ma­ne­cer co­mo es­tá por 12 anos. Ou se­ja, du­ran­te 3 man­da­tos pre­si­den­ci­ais ne­nhu­ma al­te­ra­ção po­de ser re­a­li­za­da.

A de­ci­são da Justiça foi uma res­pos­ta a atos le­gis­la­ti­vos apre­sen­ta­dos pe­lo go­ver­no do pre­si­den­te Ju­an Ma­nu­el San­tos. O acor­do, fe­cha­do em no­vem­bro de 2016 após qua­tro anos de ne­go­ci­a­ção, já é te­ma das pré-cam­pa­nhas po­lí­ti­cas vi­san­do a elei­ção pre­si­den­ci­al do ano que vem.

A mais al­ta cor­te co­lom­bi­a­na con­si­de­rou, na noi­te de quar­ta­fei­ra, cons­ti­tu­ci­o­nal acres­cen- tar um ar­ti­go tran­si­tó­rio à Cons­ti­tui­ção, co­mo pre­vis­to no pro­je­to apre­sen­ta­do em ju­lho, “com o ob­je­ti­vo de dar es­ta­bi­li­da­de e se­gu­ran­ça ju­rí­di­ca ao pac­to”. A sen­ten­ça en­tra em vi­gor após ser pro­mul­ga­da, por­tan­to de­ve co­me­çar a va­ler com o subs­ti­tu­to de San­tos, que dei­xa o po­der em agos­to de 2018.

O pre­si­den­te e o ago­ra par­ti­do Farc (For­ça Re­vo­lu­ci­o­ná­ria Al­ter­na­ti­va do Co­mum) ce­le­bra­ram a de­ci­são. “Por una­ni­mi­da­de, a Cor­te Cons­ti­tu­ci­o­nal dis­se que o acor­do de paz é a pa­la­vra em­pe­nha­da do Es­ta­do, de­ve­mos tra­ba­lhar de boa fé e cum­pri-lo”, tui­tou o pre­si­den­te co­lom­bi­a­no.

O ex-lí­der guer­ri­lhei­ro Ro­dri- go Lon­doño, co­nhe­ci­do co­mo Ti­mo­chen­ko, tam­bém co­me­mo­rou, mas sem deixar de la­do as crí­ti­cas que as Farc vêm fa­zen­do à de­mo­ra na im­ple­men­ta­ção de al­guns pontos do pac­to.

“Em meio ao atra­so na im­ple­men­ta­ção e in­ten­ções de mo­di­fi­car o acor­da­do, a blin­da­gem ao acor­do fi­nal é um res­pal­do à paz”, es­cre­veu Ti­mo­chen­ko, re­fe­rin­do-se aos anún­ci­os da opo­si­ção li­de­ra­da pe­lo ex-pre­si­den­te Ál­va­ro Uri­be, que du­ran­te dis­cur­sos no Con­gres­so e en­tre­vis­tas afir­mou que mo­di­fi­ca­ria o pac­to ca­so vol­tas­se à pre­si­dên­cia.

Po­lí­ti­cos opo­si­to­res, en­tre eles Uri­be, afir­ma­ram que a de­ci­são da Cor­te ig­no­ra a von­ta­de do po­vo co­lom­bi­a­no, que há cer­ca de um ano re­jei­tou o acor­do fi­nal de paz em um re­fe­ren­do. De­pois des­sa vo­ta­ção, pontos do do­cu­men­to fo­ram mo­di­fi­ca­dos, mas não hou­ve uma no­va con­sul­ta po­pu­lar.

O mi­nis­tro do In­te­ri­or co­lom­bi­a­no, Guil­ler­mo Ri­ve­ra, ex­pli­cou que den­tro da sen­ten­ça ex­pe­di­da es­tá a cri­a­ção da Ju­ris­di­ção Es­pe­ci­al para a Paz (JEP), que per­mi­te a rein­cor­po­ra­ção po­lí­ti­ca das Farc.

Es­se é um dos pontos do acor­dos que o par­ti­do de Uri­be, o Cen­tro De­mo­crá­ti­co, ten­ta mo­di­fi­car por meio da con­vo­ca­ção de um re­fe­ren­do. O uri­bis­mo con­si­de­ra que a JEP é uma for­ma de ga­ran­tir im­pu­ni­da­de aos guer­ri­lhei­ros.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.