Crí­ti­ca ao ‘pu­ni­ti­vis­mo’

Pro­cu­ra­dor cri­ti­ca jul­ga­men­to do STF; para pre­si­den­te de en­ti­da­de, de­ci­são é ‘equi­vo­ca­da’

O Estado de S. Paulo - - Primeira Página - Faus­to Ma­ce­do Ju­lia Af­fon­so Bre­no Pires / BRA­SÍ­LIA

Para Marco Au­ré­lio Mel­lo e Gil­mar Men­des, ain­da que o STF te­nha de­ci­di­do que são apli­cá­veis me­di­das cau­te­la­res con­tra par­la­men­ta­res, a Cor­te de­ve­rá fi­car ini­bi­da de im­por me­di­das que in­ter­fi­ram no man­da­to.

O re­sul­ta­do do jul­ga­men­to do Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral (STF) que de­ci­diu que me- di­das cau­te­la­res im­pos­tas a de­pu­ta­dos e se­na­do­res te­rão de pas­sar pe­lo cri­vo do Le­gis­la­ti­vo te­ve re­per­cus­são ne­ga­ti­va en­tre pro­cu­ra­do­res.

O co­or­de­na­dor da for­ça-ta­re­fa da Operação La­va Ja­to no Pa- ra­ná, Del­tan Dal­lag­nol, es­cre­veu on­tem em sua pá­gi­na no Fa­ce­bo­ok que os po­lí­ti­cos, ago­ra, es­tão sob “pro­te­ção su­pre­ma”.

“Não sur­pre­en­de que anos de­pois da La­va Ja­to os par­la­men­ta­res con­ti­nu­em pra­ti­can­do cri­mes: es­tão sob su­pre­ma pro­te­ção”, iro­ni­zou o pro­cu­ra­dor da Re­pú­bli­ca. “Par­la­men­ta­res têm fo­ro pri­vi­le­gi­a­do, imu­ni­da­des con­tra pri­são e ago­ra uma no­va pro­te­ção: um es­cu­do con­tra de­ci­sões do STF, da­do pe­lo pró­prio STF.”

O pro­cu­ra­dor res­sal­vou a atu­a­ção de al­guns mi­nis­tros da Cor­te, co­mo Edson Fa­chin e Luís Ro­ber­to Bar­ro­so, ven­ci­dos na vo­ta­ção, que te­ve um pla­car de 6 a 5, de­sem­pa­ta­do pe­la pre­si­den­te do STF, mi­nis­tra Cár­men Lú­cia. “Fi­ca o re­co­nhe­ci­men­to à mi­no­ria ( no Su­pre­mo) que vem ado­tan­do pos­tu­ras con­sis- ten­tes e co­e­ren­tes con­tra a corrupção, es­pe­ci­al­men­te os mi­nis­tros Fa­chin e Bar­ro­so.”

‘Equi­vo­ca­da’. Para o pre­si­den­te da As­so­ci­a­ção Na­ci­o­nal dos Pro­cu­ra­do­res da Re­pú­bli­ca (ANPR), Jo­sé Ro­ba­li­nho Ca­val­can­ti, a de­ci­são da Cor­te foi “equi­vo­ca­da do pon­to de vis­ta ju­rí­di­co e po­lí­ti­co”.

“Não ve­jo pro­ble­ma de di­zer que se­ja uma Cor­te po­lí­ti­ca. A Cor­te do Su­pre­mo não po­de ser mi­cro­po­lí­ti­ca. Uma ju­ris­pru­dên­cia que é mu­da­da de acor­do com a pes­soa que é jul­ga­da não faz bem ao di­rei­to e não faz bem ao País”, afir­mou Ro­ba­li­nho ao Es­ta­do.

Na ava­li­a­ção do pre­si­den­te da en­ti­da­de dos pro­cu­ra­do­res da Re­pú­bli­ca, o jul­ga­men­to foi “ruim para a ima­gem do Ju­di­ciá­rio”. “Se exis­tiu al­go de bom, é o STF afir­mar que as cau­te­la­res são pos­sí­veis para qual­quer ci­da­dão e que a úl­ti­ma pa­la­vra na in­ter­pre­ta­ção do di­rei­to é do STF, e is­so es­tá cor­re­to. Do pon­to de vis­ta de mé­ri­to, não foi a de­ci­são mais fe­liz pos­sí­vel, e do pon­to de vis­ta po­lí­ti­co pa­re­ceu que o STF ce­de não à ma­cro­po­lí­ti­ca, mas à mi­cro­po­lí­ti­ca.”

Ro­ba­li­nho con­si­de­rou que a de­ci­são não de­ve in­flu­en­ci­ar na apli­ca­ção de no­vas me­di­das cau­te­la­res con­tra par­la­men­ta­res, opi­nião que di­ver­ge da po­si­ção dos mi­nis­tros do STF Marco Au­ré­lio Mel­lo e Gil­mar Men­des ( mais in­for­ma­ções nes­ta pá­gi­na). “Do pon­to de vis­ta do Ju­di­ciá­rio e do MP ( Mi­nis­té­rio Pú­bli­co), não vai ini­bir, não. Nós va­mos con­ti­nu­ar a nos­sa fun­ção de in­ves­ti­ga­ção. E o Ju­di­ciá­rio não tem de pe­dir li­cen­ça para de­ter­mi­nar. Ca­be­rá à Ca­sa po­lí­ti­ca o ônus de ana­li­sar po­li­ti­ca­men­te”, dis­se.

FABIO MOTTA/ES­TA­DÃO–30/6/2017

Fa­ce­bo­ok. Dal­lag­nol fez post so­bre STF

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.