EUA sa­em da Unes­co

Washing­ton jus­ti­fi­ca de­ci­são acu­san­do or­ga­ni­za­ção de ser pró-Pa­les­ti­na e an­ti-Is­ra­el; go­ver­no is­ra­e­len­se saú­da me­di­da e se­gue exem­plo

O Estado de S. Paulo - - Primeira Página - An­drei Net­to CORRESPONDENTE / PA­RIS

Do­nald Trump anun­ci­ou a re­ti­ra­da do país da Or­ga­ni­za­ção das Na­ções Uni­das para a Edu­ca­ção, a Ci­ên­cia e a Cul­tu­ra sob a jus­ti­fi­ca­ti­va de que a ins­ti­tui­ção é mui­to “an­ti-Is­ra­el” e “pró-Pa­les­ti­na”.

O pre­si­den­te dos EUA, Do­nald Trump, anun­ci­ou on­tem a re­ti­ra­da do país da Or­ga­ni­za­ção das Na­ções Uni­das para a Edu­ca­ção, a Ci­ên­cia e a Cul­tu­ra (Unes­co), com se­de em Pa­ris. A de­ci­são uni­la­te­ral foi to­ma­da sob a jus­ti­fi­ca­ti­va de a ins­ti­tui­ção ser mui­to “an­ti-Is­ra­el” e “pró-Pa­les­ti­na” – des­de 2011, o ter­ri­tó­rio pa­les­ti­no é re­co­nhe­ci­do co­mo um Es­ta­do com sta­tus de mem­bro ple­no e per­ma­nen­te.

A ini­ci­a­ti­va con­fir­ma a re­ti­ra­da de 22% do or­ça­men­to da en­ti­da­de, cus­te­a­do por Washing- ton, e foi acom­pa­nha­da pe­lo go­ver­no de Is­ra­el.

A Unes­co foi cri­a­da em 1945, após a 2.ª Guer­ra, jus­ta­men­te por ini­ci­a­ti­va dos EUA, que vi­am na or­ga­ni­za­ção um pa­tro­ci­na­dor da de­mo­cra­cia, dos di­rei­tos hu­ma­nos e da edu­ca­ção. Mas a ten­são en­tre lí­de­res po­lí­ti­cos re­pu­bli­ca­nos e a Unes­co é histórica. Em 1984, o ex-pre­si­den­te Ro­nald Re­a­gan já ha­via re­ti­ra­do o país da ins­ti­tui­ção. Em 2002, o re­pu­bli­ca­no Ge­or­ge W. Bush de­ci­diu pe­lo re­tor­no da re­pre­sen­ta­ção ame­ri­ca­na.

Em 2011, a en­ti­da­de re­co­nhe­ceu o ter­ri­tó­rio pa­les­ti­no co­mo mem­bro. Em cli­ma de ten­são, o ex-pre­si­den­te de­mo­cra­ta Ba-

rack Oba­ma anun­ci­ou o em­bar­go na con­tri­bui­ção ame­ri­ca­na a to­da ins­ti­tui­ção que re­co­nhe­ces­se o ter­ri­tó­rio pa­les­ti­no co­mo Es­ta­do.

Com a me­di­da, a Unes­co per­deu 22% de seu or­ça­men­to, um to­tal de US$ 70 milhões por ano, e te­ve de re­du­zir in­ves­ti­men­tos, en­fren­tan­do uma cri­se fi­nan­cei­ra per­ma­nen­te. Em ra­zão do afas­ta­men­to, a dí­vi­da dos EUA com a en­ti­da­de che­ga a US$ 500 milhões. Washing­ton per­deu em 2013 seu di­rei­to a vo­to na As­sem­bleia-Ge­ral, em­bo­ra per­ma­ne­ça mem­bro do Con­se­lho Exe­cu­ti­vo.

Ou­tro mo­men­to de ten­são en­tre a Unes­co e os in­te­res­ses da Ca­sa Bran­ca foi a re­jei­ção da in­clu­são de Ko­so­vo, cu­ja in­de­pen­dên­cia da Sér­via foi pro­mo­vi­da por EUA e União Eu­ro­peia. Na en­ti­da­de não exis­te o di­rei­to de ve­to – co­mo na ONU – o que per­mi­te que os te­mas se­jam de­ci­di­dos por mai­o­ria sim­ples pe­la co­mu­ni­da­de in­ter­na­ci­o­nal.

Anun­ci­a­da pe­lo se­cre­tá­rio de Es­ta­do ame­ri­ca­no, Rex Til­ler­son, a de­ci­são de on­tem se­rá vá­li­da a par­tir de 31 de de­zem­bro de 2018, quan­do os EUA pas­sa­rão a ocu­par o pa­pel de ob­ser­va­dor na ins­ti­tui­ção. Até a noi­te de on­tem, ape­nas um país emi­tiu no­ta em fa­vor da ini­ci­a­ti­va: Is­ra­el, que se­guiu o exem­plo. Se­gun­do o por­ta-voz de Til­ler­son, He­ather Nau­ert, a Unes­co “ne­ces­si­ta de uma re­for­ma” para su­pe­rar o seu “con­tí­nuo viés an­ti-is­ra­e­len­se”. Em co­mu­ni­ca­do, o em­bai­xa­dor de Is­ra­el na ONU, Danny Da­non, sau­dou a “no­va era” nas or­ga­ni­za­ções in­ter­na­ci­o­nais. “Quan­do se pra­ti­ca a dis­cri­mi­na­ção con­tra Is­ra­el, é pre­ci­so pa­gar um pre­ço”, afir­mou.

Se­gun­do Pas­cal Bo­ni­fa­ce, di­re­tor do Ins­ti­tu­to de Re­la­ções In­ter­na­ci­o­nais e Es­tra­té­gi­cas de Pa­ris, a de­ci­são de on­tem am­plia o iso­la­ci­o­nis­mo ame­ri­ca­no. “Trump faz um ges­to que nem mes­mo Ge­or­ge W. Bush fez. Ele é mui­to mais iso­la­ci­o­nis­ta e uni­la­te­ra­lis­ta”, en­ten­de o ex­pert. “Os EUA se re­ti­ram de uma or­ga­ni­za­ção que, em ter­mos de edu­ca­ção de mu­lhe­res e jo­vens, tem pa­pel im­por­tan­te.”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.