É ho­ra de a Oi ar­car com as con­sequên­ci­as de seu des­ca­la­bro ad­mi­nis­tra­ti­vo.

O Estado de S. Paulo - - Primeira Página -

Ocon­se­lho de ad­mi­nis­tra­ção da Oi apro­vou, há di­as, os ter­mos de uma no­va pro­pos­ta de pla­no de re­cu­pe­ra­ção ju­di­ci­al da em­pre­sa, que ape­nas co­ma União tem uma dí­vi­da ati­va es­ti­ma­da em R $7 bi­lhões. O pon­to cen­trald ano­va prop os taéa ex­ten­são do pra­zo para qui­ta­ção dos dé­bi­tos, ho­je li­mi­ta­do por leia 60 me­ses.

O pre­si­den­te Mi­chel Te­mer de­sig­nou a ad­vo­ga­da-ge­ral da União, Gra­ce Men­don­ça, para co­or­de­nar as ações de go­ver­no no sen­ti­do de en­con­trar uma saí­da para o im­bró­glio que man­te­nha a Oi em ati­vi­da­de. “Es­se es­for­ço tem co­mo fun­da­men­to prin­ci­pal a ma­nu­ten­ção da pres­ta­ção de ser­vi­ço e a ca­pi­la­ri­da­de da Oi, que al­can­ça mu­ni­cí­pi­os dis­tan­tes. To­dos nós sa­be­mos da im­por­tân­cia da ma­nu­ten­ção dos em­pre­gos num ce­ná­rio co­mo es­te”, dis­se Gra­ce Men­don­ça após reu­nião com re­pre­sen­tan­tes do Mi­nis­té­rio da Ci­ên­cia, Tec­no­lo­gia, Ino­va­ções e Co­mu­ni­ca­ções (MCTIC), do BNDES, do Ban­co do Bra­sil e da Cai­xa Econô­mi­ca Fe­de­ral, gran­des cre­do­res da Oi.

No pa­co­te de bon­da­des em es­tu­do pe­lo go­ver­no cons­tam a in­clu­são da Oi no âm­bi­to pro­te­ti­vo da Me­di­da Pro­vi­só­ria (MP) 780, que per­mi­ti­rá, ca­so se­ja san­ci­o­na­da pe­lo pre­si­den­te Mi­chel Te­mer, o par­ce­la­men­to de dí­vi­das não tri­bu­tá­ri­as em até 84 ve­zes, con­di­ci­o­na­do ao pa­ga­men­to de uma en­tra­da de 20% do va­lor da dí­vi­da, ou até mes­mo a des­ca­bi­da edi­ção de uma no­va MP que am­plie o par­ce­la­men­to para 120 me­ses e re­ti­re a exi­gên­cia do pa­ga­men­to de en­tra­da, além de per­mi­tir a con­ver­são dos va­lo­res de­vi­dos em in­ves­ti­men­tos a se­rem re­a­li­za­dos pe­los de­ve­do­res.

Não há qual­quer ca­bi­men­to nes­sas pro­pos­tas. Co­mo uma em­pre­sa co­mo a Oi, que não tem con­di­ções de qui­tar os seus dé­bi­tos, te­rá ca­pa­ci­da­de, ou in­ten­ção, de in­ves­tir? Ain­da que a em­pre­sa de­ci­da in­ves­tir, se­ria um des­pau­té­rio tor­nar o con­tri­buin­te fi­nan­ci­a­dor des­ses in­ves­ti­men­tos. A so­lu­ção “sal­va­do­ra” que a em­pre­sa de­se­ja é sim­ples­men­te uma in­de­cen­te trans­fe­rên­cia de ren­da da po­pu­la­ção tra­ba­lha­do­ra para os aci­o­nis­tas da em­pre­sa mal ad­mi­nis­tra­da.

Des­de o seu tris­te co­me­ço, a Oi vem des­cum­prin­do os ter­mos do con­tra­to de con­ces­são que per­mi­te a sua operação no mer­ca­do. Aliás, uma operação al­vo de cons­tan­tes crí­ti­cas por par­te dos usuá­ri­os, que pa­gam al­tas ta­ri­fas em tro­ca de um ser­vi­ço de pés­si­ma qua­li­da­de.

A even­tu­al cas­sa­ção da ou­tor­ga à Oi em vir­tu­de de sua com­ple­xa si­tu­a­ção fi­nan­cei­ra não im­pli­ca­rá, ne­ces­sa­ri­a­men­te, pre­juí­zo aos usuá­ri­os, co­mo re­ceia o go­ver­no. Es­tes po­de­rão ser aten­di­dos por ou­tras ope­ra­do­ras de te­le­fo­nia, mó­vel e fi­xa, em si­tu­a­ção re­gu­lar no mer­ca­do. A Lei Ge­ral de Te­le­co­mu­ni­ca­ções (LGT) e as nor­mas da Agên­cia Na­ci­o­nal de Te­le­co­mu­ni­ca­ções (Ana­tel) são cla­ras quan­to à ma­nu­ten­ção da pres- ta­ção de ser­vi­ços.

Aliás, em agos­to, a mes­ma Ana­tel deu o pri­mei­ro pas­so para cas­sar a ou­tor­ga da Ser­com­tel, em­pre­sa vin­cu­la­da à pre­fei­tu­ra de Lon­dri­na, ao au­to­ri­zar a aber­tu­ra de processo para a “apu­ra­ção, em ca­rá­ter de­fi­ni­ti­vo, da ca­pa­ci­da­de econô­mi­co-fi­nan­cei­ra de a Ser­com­tel cum­prir sua obri­ga­ção co­mo con­ces­si­o­ná­ria”. Por que o mes­mo cri­té­rio não há de ser apli­ca­do à Oi?

A der­ro­ca­da da Oi une-se à que­da do cha­ma­do “Im­pé­rio X”, con­glo­me­ra­do em­pre­sa­ri­al do no­tó­rio Ei­ke Ba­tis­ta, e ao ma­nan­ci­al de ili­ci­tu­des que per­meia a atu­a­ção dos con­tro­la­do­res da hol­ding J&F, os ir­mãos Jo­es­ley e Wes­ley Ba­tis­ta, am­bos pre­sos, ca­sos lu­mi­na­res do de­sas­tre que foi para o País a fa­tí­di­ca “po­lí­ti­ca das cam­peãs na­ci­o­nais” en­gen­dra­da pe­lo sr. Lu­la da Sil­va, abrin­do os co­fres do BNDES para fo­men­tar os ne­gó­ci­os de al­gu­mas em­pre­sas es­co­lhi­das a de­do e, as­sim, ob­ter de­las as con­tra­par­ti­das es­can­ca­ra­das pe­la Operação La­va Ja­to.

No mo­men­to em que o go­ver­no em­pre­en­de um enor­me es­for­ço para re­e­qui­li­brar as con­tas do País, após a pi­or re­ces­são de nos­sa His­tó­ria, se­ria no mí­ni­mo con­tra­di­tó­rio, di­an­te de uma si­tu­a­ção de de­se­qui­lí­brio fis­cal, mo­ver re­cur­sos para sal­var uma em­pre­sa que nun­ca apren­deu a an­dar com as pró­pri­as per­nas, já nas­ceu de­pen­den­te. É ho­ra de a Oi ar­car com as con­sequên­ci­as de seu des­ca­la­bro ad­mi­nis­tra­ti­vo.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.