Es­co­lha do di­re­tor da PF en­fra­que­ce mi­nis­tro

Em­pre­sá­rio con­fir­ma em de­poi­men­to a Sér­gio Mo­ro o pa­ga­men­to de R$ 3 mi ao ex-pre­si­den­te do ban­co e da Pe­tro­brás

O Estado de S. Paulo - - Primeira Página - / L.V.

A ida de Fer­nan­do Se­gó­via pa­ra o co­man­do da Po­lí­cia Fe­de­ral en­fra­que­ceu o mi­nis­tro da Jus­ti­ça, Tor­qua­to Jar­dim, que que­ria em­pla­car Ro­gé­rio Gal­lo­ro no car­go. Ele aca­bou fi­can­do com a Se­cre­ta­ria Na­ci­o­nal de Jus­ti­ça. Nos bas­ti­do­res, o PMDB fez pres­são pa­ra que o su­ces­sor de Le­an­dro Dai­el­lo fos­se li­ga­do ao par­ti­do.

O em­pre­sá­rio Mar­ce­lo Ode­bre­cht dis­se on­tem, em de­poi­men­to ao juiz Sér­gio Mo­ro, em Cu­ri­ti­ba, que foi ví­ti­ma de “acha­que” do ex-pre­si­den­te do Ban­co do Bra­sil e da Pe­tro­brás Al­de­mir Ben­di­ne. Mar­ce­lo ha­via afir­ma­do, em de­la­ção, ter re­pas­sa­do R$ 3 mi­lhões a Ben­di­ne. Na au­di­ên­cia de on­tem, em ação pe­nal na qu­al é acu­sa­do de cor­rup­ção ati­va, con­fir­mou o pa­ga­men­to.

Ben­di­ne é réu acu­sa­do de co­brar R$ 17 mi­lhões em pro­pi­na da Ode­bre­cht em 2014, qu­an­do ain­da era pre­si­den­te do BB. On­tem, Mar­ce­lo con­fir­mou o pe­di­do. Se­gun­do a in­ves­ti­ga­ção, Ben­di­ne aca­bou re­ce­ben­do R$ 3 mi­lhões, em três par­ce­las, en­tre ju­nho e ju­lho de 2015, qu­an­do já ocu­pa­va o co­man­do da Pe­tro­brás.

“Se fos­se uma con­sul­to­ria téc­ni­ca (pres­ta­da pe­lo ope­ra­dor de Al­de­mir Ben­di­ne), le­gí­ti­ma, não se­ria pa­ga via equi­pe de Ope­ra­ções Es­tru­tu­ra­das

(co­mo era cha­ma­do o ‘de­par­ta­men­to de propinas’ da em­prei­tei­ra).”

Mar­ce­lo Ode­bre­cht EX-PRE­SI­DEN­TE DA ODE­BRE­CHT

Em tro­ca, te­ria atu­a­do em fa­vor da em­prei­tei­ra. Ben­di­ne es­tá pre­so des­de ju­lho, al­vo da 42.ª fa­se da La­va Ja­to.

A Mo­ro, Mar­ce­lo afir­mou que as pri­mei­ras so­li­ci­ta­ções de pro­pi­na de Ben­di­ne ocor­re­ram por meio do “ope­ra­dor” André Gustavo Vieira da Sil­va. “O André pro­cu­rou o Fer­nan­do (Reis, exe­xe­cu­ti­vo da Ode­bre­cht) e dis­se: ‘O pre­si­den­te do Ban­co do Bra­sil tá pe­din­do 1% des­sa re­es­tru­tu­ra­ção’”, afir­mou. À épo­ca, a Ode­bre­cht ti­nha pen­dên­cia com o BB re­la­ti­va a uma dí­vi­da da em­prei­tei­ra. “Eu não dei mui­ta bo­la pa­ra es­se acha­que.”

Se­gun­do ele, no en­tan­to, qu­an­do Ben­di­ne as­su­miu a Pe­tro­brás, “a coi­sa mu­dou de fi­gu­ra”. “Por­que ele ti­nha uma po­si­ção que de fa­to po­de­ria atra­pa­lhar a gen­te. Tí­nha­mos vá­ri­os te­mas crí­ti­cos na Pe­tro­brás no mo­men­to e eu pro­cu­rei me cer­car de evi­dên­ci­as ir­re­fu­tá­veis pa­ra ter cer­te­za de que ha­via es­se pe­di­do, es­se acha­que.”

De acor­do com o em­prei­tei­ro, o pa­ga­men­to dos R$ 3 mi­lhões foi en­tão acer­ta­do. “Eu saí (de uma reu­nião) fa­lan­do: ‘Eu não acho que va­mos pre­ci­sar dar os R$ 17 mi­lhões, mas va­mos co­me­çar a pa­gar al­gu­ma coi­sa. Is­so acon­te­ceu. Três pa­ga­men­tos de R$ 1 mi­lhão ca­da.”

O cri­mi­na­lis­ta Al­ber­to Za­cha­ri­as To­ron, ad­vo­ga­do de Ben­di­ne, afir­mou que o de­poi­men­to de Mar­ce­lo Ode­bre­cht “não pas­sa de ila­ção”. A de­fe­sa de André Gustavo Vieira da Sil­va não foi lo­ca­li­za­da pe­lo Es­ta­do.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.