Ci­rur­gia ba­riá­tri­ca po­de ser efi­caz pa­ra tra­tar di­a­be­te e hi­per­ten­são.

Saú­de. Con­se­lho Fe­de­ral de Me­di­ci­na vo­ta­rá re­so­lu­ção que tor­na mais fá­cil a re­du­ção de estô­ma­go no ca­so de pes­so­as com di­a­be­te ti­po 2. Já um estudo do Hospital do Co­ra­ção (HCor), de São Pau­lo, li­ga o pro­ce­di­men­to à efi­cá­cia no con­tro­le da pres­são de obe­so

O Estado de S. Paulo - - Primeira Página - Lí­gia For­men­ti / BRA­SÍ­LIA Pau­la Fe­lix Por­tal. Ve­ja mais no­tí­ci­as de saú­de e bem-es­tar.

A re­co­men­da­ção de uso de ci­rur­gia ba­riá­tri­ca, an­tes res­tri­ta, vem avan­çan­do no País e po­de ago­ra fa­vo­re­cer di­a­bé­ti­cos e hi­per­ten­sos. O Con­se­lho Fe­de­ral de Me­di­ci­na (CFM) vo­ta até o pró­xi­mo mês re­so­lu­ção que tor­na mais fá­cil a re­du­ção de estô­ma­go no ca­so de pes­so­as com di­a­be­te ti­po 2. Já um estudo do Hospital do Co­ra­ção (HCor), de São Pau­lo, li­ga o pro­ce­di­men­to à efi­cá­cia no con­tro­le da pres­são de obe­sos.

O tex­to que de­ve re­ce­ber aval do CFM pre­vê que pa­ci­en­tes com di­a­be­te pos­sam fa­zer a ci­rur­gia com um Ín­di­ce de Mas­sa Cor­po­ral (IMC) en­tre 30 e 34 qui­los por metro ao qua­dra­do. Atu­al­men­te, o IMC mí­ni­mo exi­gi­do pa­ra per­mi­tir o pro­ce­di­men­to é de 35. A mu­dan­ça aten­de a pa­drões já ado­ta­dos nos Es­ta­dos Uni­dos e em vá­ri­os paí­ses da Eu­ro­pa e tem co­mo prin­ci­pal ob­je­ti­vo não a re­du­ção do pe­so, mas o con­tro­le da di­a­be­te.

Jus­ta­men­te por is­so, mé­di­cos se re­fe­rem ago­ra à ci­rur­gia não co­mo ba­riá­tri­ca, mas me­ta­bó­li­ca. “A ex­pe­ri­ên­cia tem mos­tra­do que pa­ci­en­tes com di­a­be­te ti­po 2 sub­me­ti­dos à ci­rur­gia têm uma que­da na gli­ce­mia an­tes mes­mo da per­da de pe­so”, ex­pli­cou o pre­si­den­te em exer­cí­cio do CFM, Mau­ro Luiz Brit­to Ribeiro. O mé­di­co afir­ma não ser pos­sí­vel fa­lar em cu­ra, mas em con­tro­le. “Os es­tu­dos acom­pa­nham pa­ci­en­tes que fi­ze­ram a ci­rur­gia há me­nos de dez anos. Po­de­mos fa­lar, por en­quan­to, nos efei­tos a mé­dio pra­zo”, ex­pli­cou.

Ex­pe­ri­men­tal. Hoje, a téc­ni­ca já é fei­ta no País, mas em ca­rá­ter ex­pe­ri­men­tal. Com a apro­va­ção da re­so­lu­ção, a ci­rur­gia po­de­rá ser fei­ta des­de que ha­ja a re­co­men­da­ção de dois mé­di­cos en­do­cri­no­lo­gis­tas. Há ain­da ou­tras exi­gên­ci­as: o pa­ci­en­te tem de ter en­tre 30 e 70 anos, apre­sen­tar di­a­be­te há dez anos e não ter ob­ti­do su­ces­so com ne­nhum tra­ta­men­to clí­ni­co. “Es­se é um pro­ce­di­men­to de ris­co, de al­ta com­ple­xi­da­de”, ob­ser­vou Ribeiro. Além dis­so, o pa­ci­en­te não po­de ser de­pen­den­te de dro­gas, abu­sar de be­bi­das al­coó­li­cas ou apre­sen­tar de­pres­são gra­ve. Tam­bém é con­train­di­ca­da a téc­ni­ca ca­so se cons­ta­tem pro­ble­mas car­di­o­vas­cu­la­res no pa­ci­en­te.

Pre­si­den­te da So­ci­e­da­de Bra­si­lei­ra de Ci­rur­gia Ba­riá­tri­ca e Me­ta­bó­li­ca (SBCBM), Ca­e­ta­no Mar­che­si­ni ex­pli­ca que o pro­ce­di­men­to não é novo, mas foi ne­ces­sá­rio aguar­dar que a li­te­ra­tu­ra mé­di­ca se tor­nas­se mais ro­bus­ta pa­ra que ele pu­des­se pas­sar a ser in­di­ca­do.

Cid Pi­tom­bo, pes­qui­sa­dor e co­or­de­na­dor do pro­gra­ma es­ta­du­al de ci­rur­gia ba­riá­tri­ca do Hospital Es­ta­du­al Carlos Cha­gas, no Rio, ob­ser­va ape­nas que o pro­ce­di­men­to não po­de ser ba­na­li­za­do. “Meu pon­to de vis­ta crí­ti­co é se es­se pa­re­cer po­de fa­zer com que as pes­so­as co­me­cem a bus­car pro­fis­si­o­nais sem muito co­nhe­ci­men­to e trei­na­men­to.” O tex­to do CFM pre­vê re­gras cla­ras pa­ra o hospital on­de a ci­rur­gia de­ve­rá ser re­a­li­za­da. O es­ta­be­le­ci­men­to pre­ci­sa ser de gran­de por­te, ter equi­pe de plan­to­nis­tas por 24 ho­ras, além de UTI. O pa­re­cer ain­da ci­ta es­pe­ci­fi­ca­men­te du­as téc­ni­cas pa­ra se­rem usa­das na ci­rur­gia me­ta­bó­li­ca.

O pre­si­den­te em exer­cí­cio do con­se­lho acre­di­ta que even­tu­al li­be­ra­ção po­de­rá be­ne­fi­ci­ar par­ce­la sig­ni­fi­ca­ti­va de pa­ci­en­tes. Pes­qui­sa fei­ta pe­lo Mi­nis­té­rio da Saú­de mos­tra que 18,6% da po­pu­la­ção bra­si­lei­ra é obe­sa e 53,8% tem ex­ces­so de pe­so. On­tem, Dia Mun­di­al do Di­a­be­te, o mi­nis­té­rio re­for­çou o aler­ta so­bre o cres­ci­men­to da do­en­ça no País, com avan­ço de 61,8% no di­ag­nós­ti­co, en­tre 2006 e 2016. Na pes­qui­sa Vi­gi­tel, por te­le­fo­ne, o nú­me­ro de en­tre­vis­ta­dos que re­la­tou a do­en­ça pas­sou de 5,5% pa­ra 8,9%.

Hi­per­ten­são. A ci­rur­gia ba­riá­tri­ca tam­bém es­tá sen­do apon­ta­da co­mo efi­caz pa­ra o tra­ta­men­to de pa­ci­en­tes com hi­per­ten­são sem res­pos­ta com o tra­ta­men­to me­di­ca­men­to­so. Hoje, um em ca­da qua­tro bra­si­lei­ros é hi­per­ten­so, con­for­me da­dos da pes­qui­sa Vi­gi­tel.

Um estudo iné­di­to do Hospital do Co­ra­ção (HCor) ava­li­ou 100 pa­ci­en­tes com a do­en­ça. Uma par­te fez a ci­rur­gia e a outra re­ce­beu me­di­ca­men­tos e ori­en­ta­ção. Os pes­qui­sa­do­res cons­ta­ta­ram que, no pe­río­do de um ano, 83,7% dos pa­ci­en­tes que fi­ze­ram a re­du­ção de estô­ma­go di­mi­nuí­ram o nú­me­ro de me­di­ca­ções e con­se­gui­ram man­ter a pres­são con­tro­la­da. En­tre os de­mais pa­ci­en­tes, o por­cen­tu­al foi de 12,8. E 51% dos pa­ci­en­tes que fi­ze­ram o pro­ce­di­men­to ci­rúr­gi­co não pre­ci­sa­ram mais uti­li­zar me­di­ca­ções.

O estudo, cha­ma­do Ga­teway, foi pu­bli­ca­do on­tem na re­vis­ta Cir­cu­la­ti­on, uma das mais im­por­tan­tes da área de car­di­o­lo­gia, e apre­sen­ta­do no Con­gres­so da Ame­ri­can He­art As­so­ci­a­ti­on, na Ca­li­fór­nia (EUA). “As ca­rac­te­rís­ti­cas bá­si­cas dos pa­ci­en­tes eram ter en­tre 18 e 65 anos, IMC de 30 a 39,9 kg/m² e hi­per­ten­são de tra­ta­men­to não sim­ples. Eram pes­so­as que to­ma­vam ao me­nos du­as me­di­ca­ções em do­ses má­xi­mas ou mais de du­as em do­ses mo­de­ra­das”, dis­se Carlos Schi­a­von, ci­rur­gião ba­riá­tri­co e prin­ci­pal in­ves­ti­ga­dor do estudo no Ins­ti­tu­to de Pes­qui­sa do HCor.

Schi­a­von re­la­ta que o pri­mei­ro pa­ci­en­te foi ope­ra­do em 2013 e o úl­ti­mo, em 2016. “Nos­so ob­je­ti­vo pri­má­rio era re­du­zir em 30% o nú­me­ro de me­di­ca­ções que o pa­ci­en­te to­ma­va, man­ten­do a pres­são con­tro­la­da, que é abai­xo de 140 por 90 mm de mer­cú­rio ou 14,9, co­mo as pes­so­as di­zem. Mas o mais im­por­tan­te é o po­ten­ci­al de di­mi­nuir os eventos li­ga­dos à hi­per­ten­são, co­mo AVC e en­far­te.”

O ci­rur­gião pon­de­ra que os da­dos ain­da são em cur­to pra­zo e o pro­ce­di­men­to, se for ado­ta­do no fu­tu­ro co­mo op­ção de tra­ta­men­to, não de­ve ser in­di­ca­do a to­dos os pa­ci­en­tes com a do­en­ça. Se­gun­do Otá­vio Berwan­ger, di­re­tor do Ins­ti­tu­to de Pes­qui­sa do HCor, o pro­ce­di­men­to po­de au­xi­li­ar quem não con­se­gue ade­rir a tra­ta­men­tos. “Nos Es­ta­dos Uni­dos, só me­ta­de dos pa­ci­en­tes to­ma a me­di­ca­ção e, no Bra­sil, a ade­são é ain­da me­nor.”

Berwan­ger res­sal­ta que a efi­cá­cia do pro­ce­di­men­to es­tá li­ga­da a múl­ti­plos me­ca­nis­mos de­sen­ca­de­a­dos pela ci­rur­gia. “A per­da de pe­so já con­tri­bui, mas há efei­tos an­ti-in­fla­ma­tó­ri­os e é muito pos­sí­vel que te­nha efei­tos em hormô­ni­os de pro­du­ção no in­tes­ti­no.”

Re­co­nhe­ci­men­to. O di­re­tor des­ta­ca tam­bém a im­por­tân­cia da pu­bli­ca­ção in­ter­na­ci­o­nal des­se estudo. “No Bra­sil, es­ta­mos acos­tu­ma­dos a im­por­tar co­nhe­ci­men­to e a re­pe­tir o co­nhe­ci­men­to ge­ra­do fo­ra. Ago­ra, a gen­te mos­tra que, ten­do a me­to­do­lo­gia, se po­de fa­zer uma pes­qui­sa tão boa qu­an­to a ame­ri­ca­na e a eu­ro­peia.”

AMAN­DA PEROBELLI/ESTADÃO

‘Nas­ci de novo’. Mi­ri­am afir­ma ter con­vi­vi­do 15 anos com di­a­be­te, an­tes de fa­zer a re­du­ção

NA WEB

es­ta­dao.com.br/e/bra­zi­lhe­alth

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.