Du­as Rodas

Con­fi­ra as es­trei­as do Sa­lão Du­as Rodas, co­mo a Hon­da CBR1000RR Fi­re­bla­de, que nós já ava­li­a­mos

O Estado de S. Paulo - - Primeira Página - Di­e­go Or­tiz di­e­go.or­tiz@es­ta­dao.com

Sa­lão tem es­tre­las co­mo a Hon­da Fi­re­bla­de.

Na ca­mi­nha­da em di­re­ção à CB1000RR Fi­re­bla­de, na pis­ta em Su­ma­ré (SP), em even­to da re­vis­ta Du­as Rodas, o es­pe­ci­a­lis­ta da Hon­da avi­sa que 90% dos prin­ci­pais com­po­nen­tes são no­vos. O nú­me­ro é im­por­tan­te, mas só dá pa­ra pen­sar no qu­an­to ela é pe­que­na. Ao ace­le­rar a es­por­ti­va, que che­ga ao País por R$ 69.990, o que vem à ca­be­ça é o cli­chê “os ve­ne­nos po­de­ro­sos es­tão nos me­no­res fras­cos”.

Uma das es­tre­las da Hon­da no Sa­lão Du­as Rodas, que vai até do­min­go (leia mais nas pró­xi­mas pá­gi­nas), a no­va Fi­re­bla­de cha­ma a aten­ção tam­bém por ser le­ve. A mo­to “per­deu” 15 kg e ago­ra pe­sa 196 kg.

Só o uso de ma­te­ri­ais no­bres no mo­tor re­du­ziu 2 kg do pe­so to­tal da es­por­ti­va. O qua­tro-ci­lin­dros em li­nha man­te­ve os 999 cm3, mas a po­tên­cia au­men­tou 11 cv, pa­ra 192 cv.

Es­sa ca­va­la­ria po­de ser li­be­ra­da por meio de cin­co mo­dos de con­du­ção. A op­ção Track (pis­ta), na qual a for­ça é to­tal e os sis­te­mas ele­trô­ni­cos fi­cam me­nos rí­gi­dos, fi­cou ati­va­da du­ran­te to­da a avaliação. É só “dar mão” que a ro­da da fren­te de­co­la e a mo­to cor­ta o as­fal­to co­mo a lâ­mi­na de fo­go que seu no­me su­ge­re.

O tor­que, de 11,8 mkgf, fi­ca sem­pre dis­po­ní­vel. E, co­mo a Hon­da pri­o­ri­za en­tre­ga li­ne­ar de po­tên­cia, dá pa­ra ace­le­rar for­te usan­do o “quickshift” (tro­ca de mar­chas sem aci­o­nar a em­bre­a­gem) do câm­bio de seis mar­chas sem susto. A Fi­re­bla­de an­da muito sem ten­tar fu­gir do con­tro­le do pi­lo­to.

A no­va suspensão com tu­bo du­plo se jun­ta a um sis­te­ma de pis­tão do amor­te­ce­dor sem vál­vu­las. A for­ça de amor­te­ci­men­to é ge­ra­da à me­di­da que o óleo é des­lo­ca­do por meio de um com­po­nen­te de amor­te­ci­men­to se­pa­ra­do. Is­so faz com que a ro­da se ali­nhe mais per­fei­ta­men­te ao pi­so, dan­do mui­ta es­ta­bi­li­da­de à CBR1000RR.

A Hon­da tam­bém freia muito. Um novo sis­te­ma ABS, que atua de acor­do com ân­gu­lo de in­cli­na­ção na ro­da, trava a mo­to com se­gu­ran­ça sem dei­xar a tra­sei­ra es­ca­par em cur­vas. O SEB, no­me de um con­tro­le de freio-mo­tor ajus­tá­vel, tam­bém aju­da na ho­ra de pa­rar to­tal­men­te a Fi­re­bla­de.

Há tan­tas op­ções de ajus­te que se­ria pre­ci­so fa­zer um cur­so an­tes de gui­ar pa­ra po­der ti­rar pro­vei­to to­tal des­sa CBR.

FE­LI­PE RAU/ESTADÃO

FO­TOS: HON­DA

Além de ser le­ve, Hon­da per­mi­te que o pi­lo­to fi­que bem en­cai­xa­do

Amor­te­ci­men­to do gui­dão apri­mo­ra­do me­lho­rou muito o con­for­to quan­do se pas­sa em bu­ra­cos Pai­nel po­de ser to­do con­fi­gu­ra­do e há vá­ri­as in­for­ma­ções dis­po­ní­veis. Lei­tu­ra diur­na é muito boa

Lan­ter­na com ilu­mi­na­ção de LEDs é bem in­cli­na­da e mi­ni­ma­lis­ta

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.